RJ: Polícia identifica um dos suspeitos de sequestrar helicóptero - ISTOÉ Independente

Conforme as investigações, os dois criminosos que renderam o piloto e policial civil Adonis Lopes pertencem ao Comando Vermelho

21/09/2021 17:40:00

Conforme as investigações, os dois criminosos que renderam o piloto e policial civil Adonis Lopes pertencem ao Comando Vermelho

Um dos suspeitos de sequestrar um helicóptero no Rio de Janeiro no domingo (19) já foi identificado pela Polícia Civil. De acordo com a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), a identificação foi possível por meio de exame de impressão digital. As informações são do Uol. Conforme as investigações, os dois criminosos que […]

Um dos suspeitos desequestrar um helicóptero no Rio de Janeirono domingo (19) já foi identificado pela Polícia Civil. De acordo com a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), a identificação foi possível por meio de exame de impressão digital. As informações são do Uol.

Não é igual no mundo todo: inflação no Brasil deve fechar ano maior que a de 83% dos países Onça-parda no box do banheiro? Entenda a ocorrência de felinos nas cidades Acuado, Bolsonaro adota cada vez mais a estratégia da ‘culpa não é minha’ | Maquiavel

Conforme as investigações, os dois criminosos que renderam o piloto e policial civil Adonis Lopes pertencem ao Comando Vermelho. A aeronave passou por perícia na segunda-feira (20) e Adonis refez com os investigadores o trajeto percorrido por ele com os bandidos.

Segundo o policia, o objetivo dos criminosos era resgatar um preso que está no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, no Rio de Janeiro. A viagem de ida e volta de helicóptero foi fechada por R$ 14,5 mil e paga em dinheiro vivo. headtopics.com

Em seu depoimento à polícia, Adonis contou que após evitar de voar até o complexo e ter uma luta corporal com os bandidos, um dos criminosos disse no celular: “Deu ruim aqui, o piloto aloprou e abortamos a missão”.Relembre o caso

Criminosos tentaram usar um helicóptero para resgatar um detento no complexo penitenciário de Bangu, no Rio de Janeiro (RJ), no domingo (19). De acordo com o piloto da aeronave, o policial civil Adonis Lopes, os bandidos contrataram um passeio para sobrevoar a praia dos Ossos, em Angra dos Reis (RJ).

No entanto, após embarcar, os dois homens ameaçaram o piloto com uma arma e pediram para que ele voasse em direção ao complexo. Por meio de um código, o policial conseguiu avisar autoridades da aviação que estava ocorrendo uma “interferência indevida” a bordo.

Ainda conforme o piloto, ele tentou argumentar com os bandidos que se pousasse no complexo penitenciário a aeronave poderia ser abatida. O policial também simulou uma pane e tentou aterrisar no 14º BPM (Bangu).Os bandidos entraram em luta corporal com o policial, mas depois entraram em um acordo. Na sequência, o piloto sobrevoou uma área de mata em Niterói (RJ) onde os dois homens se jogaram com a aeronave ainda em movimento. O policial acionou a Polícia Militar, que cercou a região, mas os suspeitos não foram encontrados. headtopics.com

Operador de drone vai tentar salvar cachorros presos por lava de vulcão em La Palma China quer punir pais de crianças mal-educadas PT de São Paulo diz que não abrirá mão da candidatura de Haddad: 'O PSOL nunca nos apoiou'

O caso foi registrado pela Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco). Consulte Mais informação: Revista ISTOÉ »

Vítimas do negacionismo: as mortes causadas pela desinformação na pandemia da Covid-19

Série do g1 mostra vítimas das fake news no Brasil. Em um ano e meio, Fato ou Fake já checou 565 mensagens falsas sobre o novo coronavírus.