Representante do Brasil em Sundance, ‘Marte Um’ fala sobre possibilidade de sonhar - Cultura - Estadão

Representante do Brasil em Sundance, ‘Marte Um’ fala sobre possibilidade de sonhar - via @EstadaoCultura

22/01/2022 06:00:00

Representante do Brasil em Sundance, ‘Marte Um’ fala sobre possibilidade de sonhar - via EstadaoCultura

No longa-metragem de Gabriel Martins, que centra em uma família negra e periférica, um garoto sonha ir para Marte

nos Estados Unidos. “É uma coisa gigante para um filme independente. Conseguir um nível de atenção como esse é uma honra”, disse Martins em entrevista aoEstadão, por telefone, de Contagem, Minas Gerais.Marte Um, que teve exibição oficial na noite de quinta e está disponível até segunda-feira, tem esse título porque Deivinho (o estreante Cícero Lucas), um garoto da periferia, sonha em se tornar astrofísico e participar do projeto de colonização do Planeta Vermelho. “Quando falo sobre sonho no filme, falo com propriedade. Nunca quis ser outra coisa que não diretor de cinema”, disse Martins, explicando que nunca houve motivo muito claro para isso. Não havia cinema perto de sua casa, nem curso, nem câmera. “Acho que meus filmes sempre vão estar perto de uma coisa sincera de vida. Mesmo que não seja exatamente o que eu vivi, mas sempre vai estar circulando algo que vi ou senti. Como é o primeiro longa que eu dirijo sozinho, acho que teve uma coisa de eu me debruçar mais sobre essas experiências”, afirmou o cineasta, que tinha dirigido No

Consulte Mais informação: Estadão 🗞️ »

O Assunto #735: Lembrar de Betinho para combater a fome

Diante do retrocesso brutal na garantia do mais básico dos direitos, especialistas alertam: além de cobrar das autoridades que façam sua parte, retomando políticas públicas hoje esvaziadas, é urgente mobilizar a sociedade civil. Como fez, há três décadas, o sociólogo Herbert de Souza, idealizador de campanha pioneira para levar comida aos brasileiros mais pobres. Consulte Mais informação >>

Brasil tem maior número de desabrigados e emergências por chuva em 5 anos - Brasil - EstadãoEstudo com base em dados das prefeituras mostra que 61,7 mil pessoas perderam casa e não tinham para onde ir neste verão; crise climática piora cenário, afirmam cientistas Lula -'Eu tenho orgulho da bandeira vermelha e da estrela do PT,isso não diminui o orgulho que tenho pela bandeira brasileira ,o que não posso é roubar de 213 milhões de brasileiros o simbolo que e de todos para tentar transformar num simbolo de um partido.'

Brasil registra nova alta de média móvel de casos de Covid-19 | CNN BrasilO Brasil registrou 166.538 novos casos e 358 óbitos por Covid-19 nesta sexta-feira (21), segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde

Anvisa e Saúde realizaram reunião sobre autotestes sobre Covid-19 nesta sexta | CNN BrasilA Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reuniu com o Ministério da Saúde nesta sexta-feira (21) para discutir a implementação dos autotestes no país; não foram divulgadas ainda, no entanto, as propostas sobre o tema

Anvisa decide nesta quinta-feira (20) sobre aplicação da CoronaVac em crianças | CNN BrasilAnvisa analisa pedido de uso emergencial da vacina CoronaVac contra Covid-19 em crianças e adolescentes de 3 a 17 anos de idade

Flávio Bolsonaro diz que conversa com União Brasil sobre possível apoio a Bolsonaro nas eleiçõesSenador também desconversou sobre apoio a Fabrício Queiroz, mas disse que ex-assessor acusado de organizar rachadinha é 'respeitado no Rio' União Brasil vai ter que decidir se bolsonareia, ou moreia. E pensar que Bolsonaro precisou se enroscar para proteger esse rapaz, se tivesse deixado as investigações correrem mostraria que realmente se importava com o Brasil. aldebaran13PT

Rússia e EUA aceitam continuar conversas sobre tensão na Ucrânia | CNN BrasilOs principais diplomatas dos Estados Unidos e da Rússia não fizeram grandes avanços nas negociações sobre a Ucrânia nesta sexta-feira, mas concordaram em continuar conversando para tentar resolver uma crise que alimentou temores de um conflito militar

Ômicron nos Estados Unidos.  “É uma coisa gigante para um filme independente. Conseguir um nível de atenção como esse é uma honra”, disse Martins em entrevista ao Estadão , por telefone, de Contagem, Minas Gerais. Marte Um , que teve exibição oficial na noite de quinta e está disponível até segunda-feira, tem esse título porque Deivinho (o estreante Cícero Lucas), um garoto da periferia, sonha em se tornar astrofísico e participar do projeto de colonização do Planeta Vermelho. “Quando falo sobre sonho no filme, falo com propriedade. Nunca quis ser outra coisa que não diretor de cinema”, disse Martins, explicando que nunca houve motivo muito claro para isso. Não havia cinema perto de sua casa, nem curso, nem câmera. “Acho que meus filmes sempre vão estar perto de uma coisa sincera de vida. Mesmo que não seja exatamente o que eu vivi, mas sempre vai estar circulando algo que vi ou senti. Como é o primeiro longa que eu dirijo sozinho, acho que teve uma coisa de eu me debruçar mais sobre essas experiências”, afirmou o cineasta, que tinha dirigido No Coração do Mundo (2019) em parceria com Maurílio Martins. O longa participou do Festival de Roterdã.  Leia Também Gabriel Martins acredita que a comunicação de Marte Um no exterior – além da seleção para Sundance, o filme fechou com a agência de vendas internacionais Magnolia Pictures – venha justamente desse componente do sonho. “E sonho em um sentido muito grande de querer atingir outros lugares que às vezes não parecem possíveis dependendo de onde a gente está e da circunstância em que a gente está”, explicou. “No caso do personagem do Deivid, é um garoto negro, periférico, que sonha fazer parte de uma missão para outro planeta. É um sonho literalmente distante, geograficamente, mas distante também em outros aspectos em relação ao acesso a esse sonho. Mas, mais importante que ele conseguir ou não, é essa potência de ele sonhar. Eu acho que isso talvez contagie.” Marte Um não é apenas sobre a possibilidade e o direito de sonhar. O filme abre com os fogos e gritos pela vitória de Jair Bolsonaro. A eleição foi incorporada no momento da filmagem. “Foi uma eleição que mexeu muito com o emocional e com discussões sobre feminismo , raça, machismo”, explicou Martins. “O Bolsonaro, como político, representa uma tensão muito grande dessas coisas. Querendo ou não, isso entra no filme.”  Porque Deivinho é parte de uma família negra, periférica, em que cada membro também está enfrentando uma série de questões. Sua irmã Eunice (Camilla Damião) se apaixona por outra garota, o que provoca certa tensão na família. A mãe, Tércia (Rejane Faria), passa por uma crise existencial. O pai, Wellington (Carlos Francisco), que frequenta reuniões do Alcoólicos Anônimos, é porteiro e sonha que Deivid se torne jogador de futebol. “É um filme sobre estar vivo, no mundo de hoje, em que nem sempre os acontecimentos e o contexto são favoráveis à felicidade”, disse Martins. “Mas de alguma forma os personagens seguem buscando.” Mundo Um apresenta algo ainda raro no audiovisual brasileiro (e mundial): uma história com uma família negra no centro, cercada de amigos e vizinhos negros, mas cuja existência não se resume à violência, ao racismo e ao trauma, que o filme também não evita. Mas Deivinho, Eunice, Tércia e Wellington têm direito a uma existência completa, com alegrias, tristezas, preocupações, questionamentos existenciais, como todo o mundo.  O longa-metragem foi realizado graças a um edital de Baixo Orçamento para Longa Afirmativo, para cineastas negros e negras. Foi o único edital do tipo realizado, em 2016. Desde então, o setor audiovisual sofre com a falta de incentivos e uma quase paralisação. Gabriel Martins lamentou o atual estado das coisas. “O filme foi selecionado para um dos festivais mais importantes do mundo. Essa seleção implica em uma repercussão midiática muito forte. Ou seja, existe um interesse pelo cinema brasileiro e por um filme como este. E, com o que começou a acontecer no governo Temer e culminou no governo Bolsonaro, se eu tivesse de fazer hoje, Marte Um simplesmente não existiria. Eu não sou o único diretor brasileiro com talento suficiente para chegar a um festival como Sundance. A vontade é que não seja uma exceção.” Notícias relacionadas