Primeiro dia de vacinação de crianças em SP tem movimento intenso e pais aliviados - Saúde - Estadão

22/01/2022 22:45:00

Primeiro dia de vacinação de crianças em SP tem movimento intenso e pais aliviados:

Primeiro dia de vacinação de crianças em SP tem movimento intenso e pais aliviados:

Pela manhã, espera pelas doses era de 30 minutos em média; até às 12h, foram aplicadas mais de 33 mil doses

. Com isso, já há mais de 69 mil pequenos com ao menos uma dose na capital. Isso representa 6,4% do público infantil estimado.  Os pais não esconderam a ansiedade. “A gente não via a hora disso acontecer, muita gente não teve essa oportunidade. Foi super tranquilo, as enfermeiras foram super atenciosas, esperamos uns 30 minutos”, conta a estudante Amanda Aparecida da Silva, de 30 anos. “Se fosse esperar duas horas, três horas, a gente esperaria também”, reforça. 

Consulte Mais informação: Estadão 🗞️ »

Apoiador de Bolsonaro interrompe leitura da carta em defesa da democracia na USP em Ribeirão Preto

A Faculdade também realizou a leitura da Carta às Brasileiras e aos Brasileiros em Defesa do Estado Democrático de Direito neste 11 de agosto. O manifestante bolsonarista se posicionou em frente ao palco, segurando uma placa. Consulte Mais informação >>

Cadê os famosos com os filhos? Aliviados A vacina não impede da criança pegar, sem falar da reação que ela pode dar na criança. Caso ocorra uma eventual reação adversa ou efeitos colaterais e como pais esperamos que não ocorra, há algum monitoramento de perto pelo Estado a essas crianças e quem será os responsáveis por supostas complicações?

Caso ocorra uma eventual reação adversa ou efeitos colaterais e como pais esperamos que não ocorra, há algum monitoramento de perto pelo Estado a essas crianças e quem será o responsáveis por supostas complicações? Chupa essa gado negacionista !!! Pode-se trocar aliviados por alienados?🤔😎

Em SP, mais de 2,7 mil profissionais da saúde estão afastados | O AntagonistaNúmero dobrou em relação aos dados apresentados pela prefeitura na semana passada O Golpe tá aí.... O 'Agloera Brasil' está tendo resultados. Essa gente que sai de casa para aglomerar à toa, 'curtir', deu nisso. Vai faltar quem cuide do povo! Um dos motivos do caos nos Hospitais Estaduais SP é do governo Dória q não v repondo os profissionais q falecem, aposentam, exoneram, pois não v respeitando regras d concurso homologado; vários enf. assinaram anuência d 2018 e Dória e Garcia dizendo não.

Pior dos crimes é o médico não incentivar a vacinação, diz secretário de Saúde de SP - Saúde - EstadãoJean Gorinchteyn reforçou que a autorização da Anvisa para o uso da Coronavac em crianças servirá de 'incentivo' aos pais Aquele ex médico , transformou-se no político charlatão … incentivar uma vacina q tm os dados de segurança incompletos e o butantan teve uma grande ajuda da anvisa burlando a condicional de enrega de dados da coronavac adulta. a vacina coronavac infantil é um risco e a anvisa sabe disso Falou o capacho das vacinas...

Covid-19: Espera de mais de 2 horas atinge 75% dos hospitais privados de SP - Saúde - EstadãoExplosão de infecções pela Ômicron causa pressão nos serviços de urgência; estabelecimentos também têm problemas com o afastamento de colaboradores Mais de duas horas só Aqui na minha cidade povo esperando 5 6 8 horas fácil

Número de profissionais de saúde com Covid dobra em uma semana e atinge 2,7 mil afastamentos na cidade de SPCapital paulista tem 5% de médicos, enfermeiros e outros profissionais em licença médica atualmente g1 Tem que investigar pq todo verão diminui os médicos independente de pandemia No RJ são 30% E?

SP autoriza comércio a parcelar ICMS das vendas de NatalBenefício vale para alguns ramos do varejo e para imposto incidente sobre as vendas de dezembro

Corpo de empresária é encontrado dentro de baú em apartamento em SP - ISTOÉ IndependenteNa manhã de ontem, uma empresária foi encontrada morta dentro de um baú de cama em seu apartamento. A vítima é Ana Carolina Sieiro Rodrigues, de 41 anos, sócia proprietária de um pet shop em Santos, onde vive sua família. O crime aconteceu em Mogi das Cruzes (SP), segundo informações do UOL. De acordo com […] Meu Deus.

Pfizer .Nesta sexta-feira (21), o número de afastamentos era de 2.Até então, a única vacina aprovada no Brasil para crianças era o imunizante da Pfizer , que já começou a ser aplicado em crianças de 5 a 11 anos na semana passada.ou síndrome gripal.

Com isso, já há mais de 69 mil pequenos com ao menos uma dose na capital. Isso representa 6,4% do público infantil estimado. No dia 13 de janeiro, a capital contabilizava 1.   Os pais não esconderam a ansiedade. Em relação à aplicação da dosagem da Coronavac ser a mesma no público adulto e infantil, diferentemente da Pfizer (que utiliza a metade), o secretário tranquilizou. “A gente não via a hora disso acontecer, muita gente não teve essa oportunidade. No total, considerando todos os afastamentos – por diferentes causas – de profissionais da rede municipal de saúde, a cidade de São Paulo tem hoje 5. Foi super tranquilo, as enfermeiras foram super atenciosas, esperamos uns 30 minutos”, conta a estudante Amanda Aparecida da Silva, de 30 anos. Em 60% dos casos, a demanda mais do que dobrou.

“Se fosse esperar duas horas, três horas, a gente esperaria também”, reforça.. A Coronavac tem uma característica imunogênica semelhante ao da gripe.  Ela e o marido, chegaram com a filha Maria Julia, de 7 anos, às 7h40 na Unidade Básica de Saúde (UBS) Vila Anglo Doutor José Serra Ribeiro, na Zona Oeste. Há três anos sem visitar a família em Minas Gerais, Amanda fala que a vacinação da pequena vai permitir matar as saudades. “Vamos nos sentir mais seguros para recebê-los ou ir até eles”, afirma."Isso é muito triste, pois todos nós crescemos com vacinas e ficávamos na fila esperando, aquilo era sinal de proteção. Preocupação com a volta às aulas A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou, na quinta-feira, 20, o uso da Coronavac em crianças de 6 a 11 anos de idade sem imunossupressão.726.

Isso permitiu que São Paulo ampliasse o público-alvo da campanha. “Ontem quando li a notícia que iam liberar a partir de hoje, a gente já se programou para acordar cedo e vir."Hoje temos um viés, que não é científico, de alguns que compromete o andamento. Estávamos muito ansiosos”, diz Leopoldina Solano, mãe de Maria Luiza, de 7 anos, e Bianca, 6 anos. Junto ao marido, Luciano Aparecido Solano, conta que é um “alívio” ver as meninas vacinadas. Eles moram junto à mãe, de 70 anos, e à avó, 94 anos, de Leopoldina. Boa parte dos casos são leves, graças à vacinação.

Por isso, o período de pandemia foi de bastante restrição. As duas filhas só retornaram à escola depois que as duas integrantes mais velhas da família foram vacinadas em maio de 2021. “As aulas online foram desgastantes. Tivemos de nos desdobrar”, conta a mãe.  Leopoldina, porém, conta que o retorno das meninas às aulas neste ano poderia ser mais seguro se a vacinação tivesse começado ainda em dezembro, quando a Anvisa deu aval para uso do imunizante da Pfizer. Já nos serviços de urgência e emergência, metade dos pacientes tem entre 30 e 50 anos e 30,5% dos pacientes estão na faixa etária de 60 a 79 anos.

“Não tem justificativa pra essa demora, fazer consulta popular… A escola delas volta segunda-feira, as crianças já poderiam estar totalmente imunizadas. Isso traria mais confiança”, avalia.  Larissa Seguin Gurjão, técnica administrativa e financeira, de 45 anos, hesitou em mandar o filho João, hoje com 6 anos, à escola em 2021. “Ele não foi nas primeiras semanas”, fala. Quando o governo estadual abriu o pré-cadastro de vacinação para crianças, no dia 10 de janeiro, ela não pensou duas vezes em cadastrar o filho. Notícias relacionadas.

“Já cadastrei e comprei a camiseta”, conta. Na AMA Especialidades Santa Cecília, eles chegaram com um “look” especial para o dia da vacinação. A camiseta dela trazia os dizeres “Zé Gotinha, esperança nacional” e a do filho, “Defenda o SUS”.  Na zona oeste, Rejane Cristina Petrokas também trouxe o filho Pedro, de 6 anos, com um traje especial. Ele estava com uma camiseta do Super-Homem e uma capa vermelha nas costas.

“Hoje estamos comemorando os superpoderes do SUS e da ciência”, explica a terapeuta ocupacional. Assim como os outros pais, Rejane se sentiu aliviada após ter o filho vacinado. A agulhada também trouxe esperança de que as coisas voltem ao normal. “Eu tenho dois filhos, o Pedro, de 6 anos, e a Marina, de quase 3 anos. A gente nunca comemorou o aniversário dela com pessoas”, fala.

  Por mais que alguns pequenos deixassem os postos com os olhinhos cheios de lágrimas, coragem não faltou. Victor Hugo Aparecido, de 11 anos, aproveitou o tempo na fila da UBS Dona Adelaide Lopes, na Zona Norte, para tranquilizar um amigo que estava ao seu lado. “Acabei de dizer para ele que não vai doer. Mesmo que dói, vai passar do mesmo jeito. É só não olhar para a agulha e contar até três”, explica.

  Victor diz que os dois anos de pandemia foram “horríveis” para ele. “Eu não conseguia me dar bem nas aulas online”, fala. Ele também perdeu a bisavó, de 83 anos, para covid em 2020. “Eu era muito apegado a ela. Foi muito triste”, diz.

A “bisa”, como ele chama, não chegou a ser vacinada. “Estou tomando a vacina por ela também.” O estudante conta que esperou muito pelo dia em que pudesse ser vacinado. “Para conseguir sair logo disso, para me sentir mais livre”, explica o menino.  Assim como ele, Maria Clara Rosa, de 10 anos, também diz ter esperado “desde muito tempo” pela vacina.

O medo da dor da agulhada nem passa pela cabeça dela. “Tem que ter fé, tem que acreditar na vacina”, fala a pequena. Ela foi à AMA de Santa Cecília acompanhada dos pais. A mãe dela, Fernanda Donaria Rodrigues, diz que a preocupação após a agulhada é menor, mas continua com ela. “Perdemos um pouco do medo, mas sempre tomando muito cuidado”, fala ajeitando a máscara no rosto da filha.

As crianças que chegaram à UBS Vila Anglo Doutor José Serra Ribeiro, na Zona Oeste, foram surpreendidas por um personagem bastante conhecido por elas: a Branca de Neve. Além de posar para fotos com os pequenos, a princesa trazia palavras de conforto para eles que logo receberiam a agulhada.  Moradora da região, a atriz Lígia Bonilho, de 18 anos, quis tornar mais mágico o dia de vacinação dos pequenos. Para isso, vestiu a fantasia e por volta das 10h chegou na porta da UBS. “Vim aqui para as crianças se sentirem incentivadas e representadas”, explica.

 ‘Se vierem mais rápido, em uma semana conseguimos vacinar todo mundo’.  Planos de vacinar todas as crianças Sandra Sabino fala que a cidade tem doses suficientes para vacinar “todas as crianças”. “Agora vai depender da população. Quanto mais rápido vierem, mais rápido a gente vacina. “Se continuarem chegando em torno de 100 mil por dia, em duas semanas a gente vacina”, continua.

  Ela assegura que as unidades estão prontas e as equipes treinadas para receber os pequenos. “Fizemos a revisão de todos os fluxos de trabalho em todas as nossas UBSs. Estamos preparados para que não ocorra nenhum problema durante essa grande campanha de vacinação”, declara.  Notícias relacionadas .