Premiado, filme 'Madalena' aborda a brutalidade contra a população trans - Cultura - Estadão

@EstadaoCultura Premiado, filme 'Madalena' aborda a brutalidade contra a população trans

19/09/2021 04:30:00

EstadaoCultura Premiado, filme 'Madalena' aborda a brutalidade contra a população trans

'Pessoas trans têm sonhos e, mesmo diante de todas as brutalidades, encontram a felicidade', afirma o diretor Madiano Marcheti

18 de setembro de 2021 | 05h00De janeiro, quando Roterdã promoveu sua primeira projeção internacional, até este sábado, 18, quando será exibido em concurso na seleção Horizontes Latinos de San Sebastián, na Espanha,

'The Batman', com Robert Pattinson como o Homem-Morcego, ganha novo trailer Bolsonaro está ferido, mas não é cachorro morto | por Guilherme Boulos Jararaca albina é capturada em casa de Jaraguá do Sul; FOTOS

Madalena, longa de estreia do mato-grossenseMadiano Marcheti, já correu 13 festivais pelo mundo, conquistando prêmios na Turquia e no Peru. Leia TambémPor onde passa, sua abordagem à laRashomonpara a transfobia incentiva discussões. Como no cult de Akira Kurosawa de 1951, há diferentes perspectivas sobre um crime. E cada uma desnuda um pouco da intolerância brasileira. Rodado em Dourados e Bonito, em Mato Grosso do Sul, em novembro e dezembro de 2018, o filme vem ganhando elogios como um documento contra o preconceito.

“O processo de escrita deMadalenadurou pouco mais de quatro anos, acompanhando as mudanças do Brasil entre 2013 e 2018. Desde o início do processo, os corroteiristas Thiago Gallego, Thiago Ortman, Tiago Coelho e eu sabíamos que não buscávamos um filme com tom policialesco e investigativo, que explorasse o assassinato de Madalena, sob um ponto de vista esteticamente violento. Nos interessava oposto dessa ideia”, explica Marcheti ao headtopics.com

Estadão. “Testamos muitas coisas antes de descobrir uma forma saudável e respeitosa de narrar esse filme. Foi assim que chegamos à ideia de ter a história girando em torno da ausência, do desaparecimento, de Madalena.”Nascido na cidade de Porto dos Gaúchos, no norte de Mato Grosso, há 32 anos, Marcheti, que vive hoje em Maputo, Moçambique, tinha apenas curtas em seu currículo quando embarcou no projeto

Madalena. A opção de Madiano por cartografar a brutalidade contra as populações LGBT+ a partir de uma ausência encanta quem se aproxima de sua silenciosa (mas tensa) narrativa.“Ao longo do processo, entendemos que não importaria ao filme investigar a maneira como Madalena foi morta ou quem a matou. Isso nos colocaria, inevitavelmente, sob uma estrutura de investigação muito preocupada em descobrir o homem que matou Madalena – o que nos soava injusto com ela. O que nos parecia realmente importante era pensar o porquê de um tipo de crime como este acontecer, ou melhor, pensar nos motivos que permitem que esse tipo de crime continue acontecendo, e fazer da ausência de Madalena uma presença que conduz a história, dando a ela algum protagonismo. Por mais que não vemos a história de Madalena, o filme gira em torno dela. E, nesse sentido, o longa se preocupa mais em testemunhar a maneira como cada um dos três personagens protagonistas reage à ausência de Madalena”, diz o cineasta.

Os três a quem o cineasta se refere são: Luziane (Natália Mazarim), Bianca (Pamella Yule) e Cristiano (Rafael de Bona). Marcheti os define como “a jovem desiludida que vive na periferia, o filho de fazendeiro que busca o respeito dos pais, e uma das amigas de Madalena que seguem a vida apesar de uma perda trágica”. Na trama, eles não têm conexões entre si, sendo egressos de realidades socioculturais diferentes. Mas serão impactados pela descoberta do corpo de Madalena em meio a uma paisagem de campos de soja.

“As diferentes reações à perda era o que, de fato, interessava a nós, pois algumas dessas reações estão ligadas a uma crise de empatia – a falta dela – que assola nosso país, em especial nos últimos anos. Quero dizer, a falta de capacidade de se identificar com as emoções e as dores do outro. E isso costuma ser ainda mais profundo quando o ‘outro’ é percebido por boa parte da sociedade como diferente com relação à norma, e às vezes até desprovido de sua humanidade, como é o caso das pessoas trans”, explica o cineasta. headtopics.com

Após seis meses e quatro tentativas frustradas, Justiça de São Paulo notifica deputado Fernando Cury a se defender por importunação sexual contra Isa Penna Ao equiparar Bolsonaro a Hitler, revista chama as coisas pelo nome que têm - ISTOÉ Independente Brasil tem 48,76% da população totalmente imunizada contra a covid-19 - Saúde - Estadão

A partir da montagem de Lia Kulakauskas, Marcheti aproveita essa dinâmica Rashomon para propor uma representação multifacetada de uma região, o Centro-Oeste, ainda pouco vista em festivais do exterior (para além de alguns filmes do Distrito Federal). Uma região que, segundo o realizador, é um Brasil pouco conhecido, principalmente por pessoas que vivem nos grandes centros.

Brasil rural Consulte Mais informação: Estadão »

Do Brás aos Jardins: a rotina de perrengues, looks e assédios das influenciadoras de moda autônomas - São Paulo - Estadão

Por trás do glamour das redes sociais, modelos independentes fazem sozinhas o trabalho de uma agência inteira em um mercado popular que só cresce

Brasil tem 36,47% da população completamente imunizada contra o coronavírus - Saúde - EstadãoTotal de brasileiros que receberam as duas doses ou imunizante de aplicação única chegou a 77,7 milhões nesta quinta-feira Lentidão dapoha... Itália 83% Com o Haddad já teria 80%! Escolha difícil né ?

Brasil tem 37,53% da população totalmente vacinada contra o coronavírus - Saúde - EstadãoMais de 80 milhões de brasileiros já receberam as duas doses da vacina ou um imunizante de aplicação única

Aly Muritiba: “Deixei de ser carcereiro para virar cineasta”O baiano de 42 anos trabalhou num presídio antes de ter um filme premiado no Festival de Veneza lacrou... Sobre os resultados das pesquisas para presidente divulgadas: BOLSONARO, onde apareça, do Oiapoque ao Chuí vira festa popular e LULA, tem mais medo do povo do que o diabo de Deus, se sai em público é chamado de ladrão e corrupto, adivinhem quem esta na frente nestas pesquisas. Nas pesquisas Lula está na liderança, pesquisas fake news na maior cara de pau e acusam os outros de disseminarem fake news, os vídeos de Bolsonaro cercado pelo povo onde chega, do Oiapoque ao Chuí, dão outro recado, dos micos de Lula no nordeste, sem encarar o povo nem um pio.

'Um Casal Inseparável' tem química perfeita entre Nathalia Dill e Marcos Veras - Cultura - EstadãoUma semana após entrar em cartaz nos cinemas, filme de Sérgio Goldenberg estreia no Telecine neste sábado, 18

Exposição homenageia centenário do educador Paulo Freire - Cultura - EstadãoEstadaoCultura Exposição homenageia centenário do educador Paulo Freire Cultura 🤮🤮🤮 Cultura Que nojo!!!! Cultura

Viga-mestra do concretismo brasileiro, Sacilotto tem mostras em São Paulo e Londres - Cultura - EstadãoPintor falecido em 2003 ganha duas exposições, dois livros e terá catálogo raisonée com mais de 1.200 obras