Retomadaverde

Retomadaverde

'Precisamos de sistemas que coloquem o homem em primeiro lugar', diz criadora da Economia Donut - Economia - Estadão

Crises como a da covid-19 indicam necessidade de mudança do capitalismo, diz economista #retomadaverde

18/09/2020 12:45:00

Crises como a da covid-19 indicam necessidade de mudança do capitalismo, diz economista retomadaverde

Para economista que participa da Virada Sustentável, crises como a da covid indicam a necessidade de transformação do capitalismo

transformar o capitalismo em um sistema sustentável social e ambientalmente. “Precisamos criar sistemas econômicos que coloquem o bem-estar do homem em primeiro lugar, em vez de sistemas que persigam o crescimento - que são a fonte desses choques”, diz ela, que participa às 14h desta sexta-feira, 18, de debate online promovido pela

Moradora flagra pica-pau 'vaidoso' se olhando no espelho em Várzea Paulista Ministro da Ciência e Tecnologia diz concordar com vacinação obrigatória - Saúde - Estadão Guarda humilhado por desembargador pede R$ 114 mil por danos morais

. O evento tem o apoio doEstadão. Leia Também‘Ajuda estatal não pode criar parasitas’, diz membro do comitê de reconstrução da ItáliaO Modelo Donut associa a economia ao formato de uma rosquinha, em que o aro interno representa o alicerce social - serviços e produtos básicos como alimentos, saúde e habitação -, e o externo, o limite ecológico da Terra. Entre um e outro, está o espaço seguro e justo para a humanidade viver, enquanto pessoas sem acesso ao básico ficam no buraco interno da rosquinha. Em abril, a cidade de

Amsterdã foi a primeira do mundo a anunciar que passará a adotar a Economia Donut.Kate rechaça a ideia de que, hoje, o modelo se aproxima de uma utopia e afirma queo capitalismo não pode continuar perseguindo um crescimento econômico infinito

. “O donut descreve um mundo em que todos têm o básico: comida, água, saúde, casa, voz política e renda. Quem pode viver sem essas coisas? São essas coisas que nos fazem humanos e em comunidade. Se isso é uma utopia, estamos perdidos em uma narrativa louca de extração econômica e destruição.” A seguir, trechos da entrevista.

Amsterdã foi, neste ano, a primeira cidade do mundo a anunciar que adotará o modelo da Economia Donut. O mundo começa a perceber que uma mudança no capitalismo é necessária para preservar o ambiente? A crise da covid-19 impulsiona essa mudança?

Sim. No século XX, nações focaram em crescimento econômico. Essa era a métrica e a metáfora do sucesso, mas o século XXI começou com a gravidade de uma série de crises profundas e recorrentes, com o derretimento financeiro em 2008, o colapso climático e mais recentemente o confinamento da covid. O fato de vivermos crises recorrentes nos diz que somos profundamente interconectados uns com os outro e com a natureza. E o ser humano é muito vulnerável aos choques. Precisamos criar sistemas econômicos que coloquem o bem-estar do homem em primeiro lugar, em vez de sistemas que persigam o crescimento - que são a fonte desses choques. A covid é apenas mais uma crise. Se essas crises continuarem, vejo mais políticos percebendo que não podem ter uma estratégia para lidar com finanças, outra estratégia para a mudança climática e outra para pandemias. É preciso uma abordagem política diferente. É interessante que Amsterdã escolheu lançar o modelo da Economia Donut em abril, quando sua taxa de infecção de covid estava no patamar mais alto. Eles lançaram sabendo que, uma vez que saíssem dessa emergência, precisariam de uma nova visão. O Modelo Donut traz uma direção, para onde queremos ir. Ele dá um sinal claro e poderoso do modo que queremos sair dessa crise.

O mundo já passou por outras crises profundas, como a de 2008, em que muita gente achou que o capitalismo teria de mudar, mas isso não se concretizou. Por que desta vez seria diferente?O que é diferente desta vez é que há mais gente mobilizada ao redor de novas ideias. Temos movimentos crescendo ao redor do mundo, como o Extinction Rebellion (

Ex-combatente alagoano da 2ª Guerra Mundial recebe homenagem do Exército aos 95 anos Um presidente contra a Saúde - Opinião - Estadão Empresa apontada pela PF como ligada a Chico Rodrigues vendeu máscaras com preço 26 vezes maior

movimento ambientalista) e o Black Lives Matter (contra o racismo). Também temos visões positivas do futuro que queremos, como o Modelo Donut. Até mesmo os líderes corporativos estão dizendo que é hora de mudar. Mas é sempre uma luta fazer as novas ideias crescerem.

Dada a cultura em que vivemos hoje, a Economia Donut não se aproxima de uma utopia?Não. O modelo se aproxima das condições de vida. Se a vida é uma utopia, isso é algo terrível em relação  às sociedades desse começo de século. O donut descreve um mundo em que todos têm o que é básico: comida, água, saúde, casa, voz política e renda. Quem pode viver sem essas coisas? São essas coisas que nos fazem humanos e em comunidade. Se isso é utopia, estamos perdidos em uma narrativa louca de extração econômica e destruição. 

Nosso modelo econômico é baseado no desejo de um crescimento contínuo, ideia incompatível com os recursos limitados da Terra. Como resolver isso sem aumentar o desemprego?Temos um modelo que é estruturalmente viciado em um crescimento infinito. O sistema é financeiramente viciado ao trabalhar para conseguir sempre o maior retorno de juros. É politicamente viciado porque nenhum governo quer perder seu lugar na foto de família do G20.  E é socialmente viciado, porque nos é vendida a história de que toda geração deve ser mais rica que a anterior. Estamos presos numa economia baseada em crescimento e temos de nos extrair disso, porque algo que cresce incessantemente se destrói. Em corpos, reconhecemos isso como cânceres. É bizarro que nas economias achemos que isso é sucesso. Por exemplo, neste momento, quando negócios estão indo atrás da taxa máxima de retorno, eles tendem a empregar o menor número de pessoas possíveis. Precisamos minimizar o uso de novos recursos do planeta e isso pode criar mais empregos. Ao invés de gerar desemprego para ter ganho financeiro, precisamos empregar mais pessoas para usar esses recursos mais de uma vez, de modo coletivo, criativo e cuidadoso. 

Isso já é difícil para um país rico como a Holanda. Como fazer essa transformação em um país como o Brasil?Adotar a Economia Donut é um desafio para qualquer país. Países ricos como Holanda estão ultrapassando de forma massiva os limites do planeta. A jornada que eles têm de fazer para voltar aos limites do planeta e sustentando o bem-estar de suas populações é algo sem precedentes. Não é fácil para eles, assim como não o é para um país como Bangladesh. Países de renda muito baixa, que vivem dentro das fronteiras do planeta, têm espaço para crescer em termos de parcela justa dos recursos da Terra, mas não podem fazer algo parecido com o que países como Holanda e Reino Unido fizeram. Não podem se industrializar da mesma forma que esses outros fizeram. E países como Brasil têm um déficit em atender as necessidades básicas de suas populações, mas, ao mesmo tempo, estão ultrapassando de forma excessiva os limites do planeta. Esses países têm um desafio duplo. É claro que os países com renda mais alta tem mais renda para lidar com isso, mas eles também têm de lidar com as expectativas de pessoas que se acostumaram com vidas que extraem muito da natureza. Um país como a Costa Rica é o que está mais perto para viver no Modelo Donut. Está próximo de atender as necessidades básicas das pessoas e apenas um pouco acima dos limites do planeta. Isso nos dá a sensação de que poderia ser possível, mas não é algo fácil para qualquer país do mundo. 

Qual é o papel do setor privado na construção de um país nos moldes da Economia Donut?É enorme, porque somos viciados no crescimento sem fim em parte por causa da estrutura e dos desejos dos negócios. O que interessa não é apenas o objetivo de um negócio, mas também a estrutura de propriedade dele. Se uma empresa é familiar, estatal, privada ou de seus próprios empregados, ela têm a expectativa e as demandas financeiras de seus donos. Se o financiador da empresa diz: ‘estou aqui pelos retornos mais altos que você pode me dar e, se você não me entregar, estou fora’, isso a conduz a ser mais extrativa. Mas tem um novo tipo de empreendimento surgindo. O Sistema B (

movimento que apoia empresas a solucionarem problemas sociais e ambientais), empreendimentos sociais, cooperativas e empreendimentos cujos empregados são os donos são conduzidos por objetivos (sustentáveis) e se asseguram de que o modo que são financiados estão alinhados com seus objetivos. Temos de alinhar o design dos negócios com o objetivo de ser regenerativo. Caso contrário, os negócios não serão parte da solução.

Rede vai ao Supremo para obrigar Bolsonaro a assinar aquisição da vacina Coronavac Empresa de Trump tem conta em banco chinês - Internacional - Estadão Como disputa entre Bolsonaro e Doria pode atrasar imunização dos brasileiros contra Covid-19

O Brasil está se tornando conhecido internacionalmente por não proteger a Amazônia. Como isso afetará a economia brasileira?Com o rápido crescimento do desmatamento, o Brasil está ganhando um tipo de fama que não é bom. As pessoas veem o aumento do desmatamento, a negligência e o abuso do direito das terras das comunidades indígenas. É claro que o país perde respeito internacionalmente, mas também está perdendo a maior riqueza da terra – a biodiversidade – para o ganho de curto prazo do uso do solo. Essa situação tem de mudar, assim como o comportamento destrutivo e exploratório. Caso contrário, poderá não haver reparação mais tarde. 

Consulte Mais informação: Estadão »

Pandemia não é brincadeira: o que as crianças pensam sobre crise, isolamento e volta às aulas; VÍDEO

G1 conversou com seis crianças, de diferentes realidades sociais, para saber como elas estão enfrentando as mudanças trazidas pela Covid-19.

Ahahahahaha....essa aí é Tudo, menos economista! 🤦‍♂️ Essa crise serviu pra demonstrar como os governos podem destruir a economia de seus países com políticas baseadas em histeria coletiva. E como se faz pra produzir com todos ficando em casa? Vende suas coisas e dão para os mais pobres....falar no jornal aqui parece bonito....

XeuleBot me ajuda aí. De uma das minhas escritoras favoritas, Ursula K. Leguin, falecida em 2018: 'Nós vivemos no capitalismo, e seu poder parece inescapável. Mas assim era com o poder divino dos reis absolutistas.' Vale muito ser lida. Essa é a narrativa, ou vocês acham que enganam alguém? O neoliberalismo seria o melhor modelo nesses momentos. Pena que não é bem implantado.

Ecomunista ou globalista Covid vem da ditadura comunista mas e o capitalismo que tem que mudar. Estadão virou um panfleto, a falta de dinheiro público afetou mesmo. Concordo. Menos capitalismo de estado e mais de livre mercado. Mudar o chinês ninguém fala Pronto... kkkkkkkkkkk Sistemas tem que ser adaptativos a épocas. Há muito se ve o que China vem fazendo dentro de suas condições geopolíticas, demográficas, culturais.E onde os EUA vem errando frequentemente,de guerras às hipotecas. De erro, da economia à politica,o Brasil nem se fala.É hors concours.

lá vem o porta voz da china Vamo lá então, cria um sistema melhor que o capitalismo e não cite sistemas cruéis como socialismo / comunismo como possíveis saída, senhora economista. Piada pronta q fala? Socialismo é tão desgraçado que precisa de um patógeno pra ter suas premissas viabilizadas. Pra quem duvidavada de que esse vírus tinha sido fabricado. Tá aí. Bem claro pra você enxergar.

Chiiii 'Economista' Partido Comunista chinês gera e espalha uma pandemia e a culpa é dos países capitalistas

Estadao @EstadaoEstadão Live Talks | A Retomada da Economia: Perspectivas para o Agronegócio no Pós-pandemia ELIANE... A CAQUETICA FOFOQUEIRA MOR DA MIDIA ESQUERDISTA BRASILEIRA Grande debate.. vlw ECantanhede 👏👏 Mulheres poderosas👏👏

Mercado faz aposta unânime na manutenção da Selic em 2% na reunião do Copom desta quarta - Economia - EstadãoTaxa básica de juros da economia está em seu nível mais baixo; maioria das instituições consultadas pelo 'Projeções Broadcast' acredita que o ciclo de cortes tenha acabado em agosto

Com alta no preço de alimentos, Copom interrompe ciclo de cortes e mantém Selic em 2% ao ano - Economia - EstadãoDecisão acontece depois de nove reduções seguidas na taxa básica de juros da economia, que está em seu nível mais baixo Economia Marilia Fontes: ‘BC não vai conseguir manter a Selic baixa por muito tempo’ (via EInvestidor) Economia Até as guerras entre Roma e Cartago provam que privatizar não é boa ideia. O exercito cartaginês era privado e composto por mercenários, enquanto as legiões romanas eram uma instituição pública. O resultado foi que Roma destruiu Cartago e anexou seu território.

Relator do Orçamento diz que Bolsonaro autorizou a criação de um novo programa social - Economia - EstadãoO senador Márcio Bittar afirmou que vai conversar com líderes do Congresso e com a equipe econômica; na terça, o presidente disse que estavam proibidas as discussões sobre o Renda Brasil, programa que estava em estudo para substituir o Bolsa Família Economia Ué Economia Não conheço um eleitor do Bolsonaro que esteja arrependido, pelo contrário, já iniciamos a campanha pra 2022. É o melhor presidente de todos os tempos! Economia Bolsoasno até agora só fez defender a familicia e só pensa em reeleição!

BC permite uso de cartão pré-pago em reais em compras internacionais - Economia - EstadãoMétodo vale a partir de 1º de outubro e poderá ser utilizado quando a transação for feita por meio de facilitadoras de pagamentos, como o PagSeguro e o PicPay Economia Enquanto isso, na Argentina, estão limitando os gastos internacionais e ainda taxando em 35% Economia XeuleBot ... Economia ué, nao entendi, ja faço isso tem uns 4 meses na hostgator us...

Funcionário de farmácia que jogou água em homem que dormia na calçada diz que quis brincarFuncionário de farmácia que jogou água em homem que dormia na calçada em SP diz que quis brincar G1 Retardado mental , não era mais fácil chamar o cara , mais que funcionário FDP . Infeliz fdp O ANIMAL IRRACIONAL foi demitido. Bem, pelo menos isso pra equilibrar o dia.