Polícia Federal investiga a morte de três girafas trazidas da África do Sul

A Polícia Federal investiga a morte de três girafas trazidas da África do Sul: #JN

Jn

26/01/2022 04:34:00

A Polícia Federal investiga a morte de três girafas trazidas da África do Sul: JN

Dezoito girafas foram compradas pela empresa que ganhou a concessão para administrar o zoológico do Rio. Há 75 dias, elas estão num galpão. Numa parte externa, seis atravessaram a cerca, fugiram e foram recapturadas. Três morreram horas depois.

A .Ao lado da BR-101, em Mangaratiba, a duas horas do Rio, o Portobello Resort & Safári tem 300 mil metros quadrados. Numa área isolada fica o galpão das girafas. Há 75 dias, elas estão lá. A luz do sol entra pelas janelas, mas a única tentativa de caminhada ao ar livre não acabou bem.

Numa parte externa, seis atravessaram a cerca, fugiram e foram recapturadas. Três morreram horas depois.As girafas não saem mais para o espaço ao ar livre desde o dia 14 de dezembro. Cada baia de 40 metros quadrados tem três girafas. A previsão é de que os animais saiam para o ar livre nos próximos dias.

Consulte Mais informação: Jornal Nacional »

Crise na candidatura de Doria pega fogo dentro do PSDB | Clarissa Oliveira

A crise no tucanato e a entrevista de Cristiano Zanin Martins ao Amarelas On Air desta terça-feira são os temas do Giro VEJA Consulte Mais informação >>

Notícias sem manipulações ? Assistam: JOVEM PAM Só depois das investigações para saber, mas no Brasil este negócio de corte de custos para maximizar lucros não poupa nem crianças. Em média gestor Brasileiro só sabe isso, público e privado. Vamos ver quem foi o irresponsável que comandou esse ato tresloucado.

Fogo na Amazônia?

Helicópteros incendiados são fundamentais para 'rambos do Ibama', diz ex-presidente do órgãoPolícia Federal do Amazonas investiga o incêndio por dois homens na madrugada de segunda-feira O bolsonarismo deu poder a exploradores madeireiros, garimpeiros e outros eiros

Coreia do Norte dispara dois mísseis de cruzeiro, diz Coreia do Sul | CNN BrasilA Coreia do Norte disparou dois mísseis de cruzeiro na manhã de terça-feira (25), de acordo com os militares sul-coreanos “De Cruzeiro “! Fiquem despreocupados, já caíram. Nem mesmo diante da morte de alguém a militância de redação descansa. Continuam acusando, caluniando, difamando, tentando assinar reputações. Criminosos! 2022 começando com tudo, ou acabando com tudo?

Atirador é morto após registro de tiroteio em universidade na Alemanha | CNN BrasilUm atirador feriu várias pessoas em um auditório da Universidade de Heidelberg, no sudoeste da Alemanha, nesta segunda-feira (24), disse a polícia

Polícia Federal investiga incêndio em helicóptero do Ibama em ManausSegundo Secretaria de Segurança Pública do estado, câmeras de segurança flagraram dois suspeitos. Autoridades tratam o caso como incêndio criminoso Vão dizer que foi curto-circuito

Dia da caça! Javalis escapam de emboscada armada por leopardoDia da caça! Javalis escapam de emboscada armada por leopardo Predador apostou em camuflagem para surpreender grupo de suínos em parque da África do Sul. Mas levou a pior

Polícia de Londres investiga festas de Boris JohnsonO governo de Johnson tem sido criticado por realizar eventos durante os meses em que o país esteve em lockdown

PF investiga a morte de três girafas trazidas da África do Sul A . Ao lado da BR-101, em Mangaratiba, a duas horas do Rio, o Portobello Resort & Safári tem 300 mil metros quadrados. Numa área isolada fica o galpão das girafas. Há 75 dias, elas estão lá. A luz do sol entra pelas janelas, mas a única tentativa de caminhada ao ar livre não acabou bem. Numa parte externa, seis atravessaram a cerca, fugiram e foram recapturadas. Três morreram horas depois. As girafas não saem mais para o espaço ao ar livre desde o dia 14 de dezembro. Cada baia de 40 metros quadrados tem três girafas. A previsão é de que os animais saiam para o ar livre nos próximos dias. “É um processo de transição, de habituação, onde o animal precisa criar uma relação positiva com o novo tratador, com a nova equipe. E, após esse processo, que pode demorar um mês, dois, três, até seis dependendo do indivíduo, eles vão lentamente tomando confiança, segurança, até que possam vir para cá”, diz Claudio Mass, responsável técnico pelo BioParque. Dezoito girafas vieram da África do Sul compradas pela empresa que ganhou a concessão para administrar o zoológico do Rio. Após reformas, o espaço foi aberto com outro nome, BioParque, e a proposta de criar um centro de conservação. Esta foi a maior importação de animais de grande porte já feita pelo Brasil, segundo várias entidades de defesa da vida selvagem. Foi preciso fretar um jumbo para trazer as 18 girafas. Os responsáveis dizem que elas fazem parte de um projeto de conservação, vieram de reservas privadas de manejo sustentável de fauna e não foram capturados na natureza. Afirmam também que a instituição de origem foi aprovada pelos órgãos competentes brasileiros e sul-africanos. “O objetivo da vinda desses bichos para o Brasil é compor um pool genético para revigorar a população brasileira. Uma parte desses animais, quando a gente tecnicamente entender que eles estão preparados e habituados, eles vão para o BioParque ou para outros mantenedores de acordo com as recomendações genéticas dos grupos de zoológicos que trabalham com esses bichos hoje no Brasil”, afirma Claudio Mass. O Ibama concedeu esta licença, com o selo da Cites, a convenção sobre o comércio internacional de espécies da flora e fauna selvagem em perigo de extinção. A mesma letra aparece em toda a lista de animais: w, de wild, selvagem. A classificação é feita pela Cites, que define o código w - animais retirados da natureza. Uma portaria do Ibama estabelece que não será autorizada a importação de animais da fauna silvestre exótica provenientes de captura da natureza e destinados ao comércio. Três instituições entraram nesta terça-feira (25) com uma ação na Justiça do Rio pedindo esclarecimentos e a cobrança de multas de R$ 50 mil por dia, além de R$ 1 milhão por danos coletivos, por causa das três girafas mortas. “Espaços mínimos, animais que passaram por uma situação muito estressante. E quais foram os protocolos que foram usados para evitar que acidentes como esse acontecessem?”, questiona Vania Nunes, diretora do Fórum Nacional de Proteção Animal. “Não faz sentido, em termos de conservação, você trazer 18 animais de origem de vida livre para um projeto inexistente no Brasil de conservações de girafa. Isso é um contrassenso na biologia da conservação”, afirma Mauricio Forlani, gerente de projetos da Ampara Animal. Os projetos de conservação destas espécies costumam ter um plano com a participação de outros zoológicos. “O plano tem que estar estabelecido com as diretrizes básicas, o que fazer com essa população que já está aqui, quem que vai parear com quem, quais são os objetivos. E se houver essa necessidade de nesse momento trazer indivíduos de fora, tem que estar acusado dentro do plano, e nesse momento nós não temos o plano. Nós não concordamos em tirar animais da natureza, ponto. Se a gente não sabe o que tem em cativeiro e se a gente não sabe ainda o diagnóstico, não tem porque trazer”, diz Mara Cristina Marques, presidente da Associação de Aquários e Zoológicos do Brasil. O Ibama afirmou que está ciente da situação e vai apurar eventuais irregularidades cometidas pelo importador e que a autorização para a importação das 18 girafas foi emitida após avaliações de regularidade e da capacidade do importador de receber os animais.