Paraisópolis: como um loteamento de alto padrão virou a 2ª maior favela de SP

  • 📰 Terranoticiasbr
  • ⏱ Reading Time:
  • 112 sec. here
  • 3 min. at publisher
  • 📊 Quality Score:
  • News: 48%
  • Publisher: 51%

Brasil Manchetes Notícia

Brasil Últimas Notícias,Brasil Manchetes

Paraisópolis: como um loteamento de alto padrão virou a 2ª maior favela de SP Cidades

Foi em um campo de 10 km² em uma região quase inabitada na zona sul de São Paulo que Lourival Clemente da Silva enxergou uma oportunidade de construir uma nova vida.

Muitos dos seus moradores hoje são da terceira, quarta ou até quinta geração das famílias dos primeiros moradores. Joildo Santos, diretor da Agência Paraisópolis, ONG que mantém um dos principais acervos da memória da comunidade, conta que propagandas de jornal da época anunciaram as vendas do"Loteamento Paraizópolis". Na época, o nome do local ainda era escrito com um"z" no lugar do"s", e as fotos do anúncio mostravam casas de alto padrão de estilo europeu com quintal na frente.

Em áreas com grandes declives, é mais complexo implantar um sistema viário ou redes de água e esgoto. À falta de infraestrutura, somou-se o fato de a construção de uma casa em locais assim ser mais cara. "As pessoas vinham trabalhar e traziam parentes. A região começou a ser povoada e esse processo ganhou força nas duas décadas seguintes, quando começou a ter a 'cara' que tem hoje", diz Santos.

Clima bucólico Com o tempo, Paraizópolis virou Paraisópolis - e também mudou a vista da janela da casa de Louro, conforme mais pessoas chegaram para morar ali nos últimos 50 anos. Os filhos de Louro contam que quase ninguém queria morar em Paraisópolis por conta da dificuldade de acesso e a estrutura precária. Os grandes morros eram uma barreira até para os caminhões que faziam entregas na região.

Gilberto diz que seu pai também notou que a maior parte das famílias era muito pobre e doou mais de 40 barracos na comunidade. Hoje, há um projeto na Câmara Municipal de São Paulo para batizar um parque em homenagem a Lourival Clemente. A comunidade cresceu de forma desordenada. As casas eram construídas sem acabamento e ampliadas aos poucos, com o tempo.

"Começaram a levar uma infraestrutura parcial de água, esgoto e energia, mas acho que não atendia a 20% da área. A população ali, com o mercado imobiliário pujante no entorno, foi crescendo e se adensando cada vez mais", afirma Alvim.

 

Obrigado pelo seu comentário. Seu comentário será publicado após ser revisado.

Talvez pela mesma forma que o RJ tem Rocinha e Vidigal. Governador Safado Populista

O Bozo acabando com minha casa minha vida. As favelas vão aumentar.

O crescimento desordenado das cidades tem q acabar. As pessoas não podem chegar e construir barracos ou puxadinhos de qualquer maneira. Toda área irregular torna-se o QG do crime.

Resumimos esta notícia para que você possa lê-la rapidamente. Se você se interessou pela notícia, pode ler o texto completo aqui. Consulte Mais informação:

 /  🏆 29. in BR

Brasil Últimas Notícias, Brasil Manchetes

Similar News:Você também pode ler notícias semelhantes a esta que coletamos de outras fontes de notícias.

Família de vítima de Paraisópolis vai entrar em campo com o CorinthiansClube convidou o irmão e o primo de Dennys Guilherme dos Santos Franco para acompanhar o time no jogo contra o Fluminense cabraaaaaaaaaa foda Vítima dos próprios “vizinhos criminosos” os quais os moradores de bem insistem em “protege lós” com a lei do silêncio ! Lugar certo.
Fonte: VEJA - 🏆 5. / 92 Consulte Mais informação »