Pandemia duplica contingente de trabalhadores vulneráveis no Brasil

Pandemia duplica contingente de trabalhadores vulneráveis no Brasil (via @usponline)

23/04/2020 00:15:00

Pandemia duplica contingente de trabalhadores vulneráveis no Brasil (via usponline)

Impactos econômicos da covid-19 ameaçam 81% da força de trabalho brasileira com risco de perder emprego e renda

Os efeitos da pandemia de covid-19 sobre a economia colocam 81% da força de trabalho brasileira em situação de vulnerabilidade, com riscos de perda de emprego e renda. O número é muito superior ao percentual do período de março a meados de abril de 2019, quando 40% dos trabalhadores se encontravam em situação semelhante. Em números absolutos, agora são ao todo 75,5 milhões de trabalhadores no Brasil que enfrentam graus variados de vulnerabilidade, conforme indica um estudo da Rede de Políticas Pùblicas & Sociedade. “O resultado líquido da pandemia é a duplicação do contingente de trabalhadores que vivem sob riscos de saúde/epidemiológicos e econômicos”, afirmam os pesquisadores da rede em

Mônica Bergamo: Justiça rejeita pedido de prisão contra Bonner por incentivo à vacinação

nota técnicadivulgada na última sexta-feira (17).Segundo Ian Prates, pesquisador do Cebrap e um dos autores do estudo, a vulnerabilidade dos trabalhadores foi calculada com base na estabilidade dos vínculos de trabalho, no desempenho econômico de diferentes setores durante a crise causada pelo novo coronavírus e a classificação do governo federal usada para definir cada setor como essencial ou não essencial durante a pandemia. “O tipo de vínculo é independente da crise, simplesmente mostra a relação dos indivíduos com o mercado, seja autônomo, empregado informal ou empregado com carteira. E a gente acrescentou a dimensão do tamanho ou porte da empresa, (se) são empresas menores, com menor capacidade de capital e de se manter no momento de crise”, explica Prates.

Gráfico: Rede de Políticas Públicas & SociedadeCruzando esses dados, os pesquisadores identificaram cinco grupos de trabalhadores com graus diferentes de vulnerabilidade, que pode se materializar na forma de uma demissão ou de atrasos nos pagamentos de salários, por exemplo. Na ponta extremamente vulnerável, estão 25,5% dos trabalhadores brasileiros que vivem de atividades em setores considerados não essenciais pelo governo federal e têm vínculos de trabalho instáveis. Neste grupo estão trabalhadores dos serviços domésticos, dos serviços de beleza, do comércio de vestuário, complementos, calçados e artigos de viagem, da manutenção e reparo de automóveis, e de atividades jurídicas, de contabilidade e de auditoria. Na outra ponta, de menor vulnerabilidade, estão os empregados em setores essenciais pouco impactados economicamente pela covid-19, incluindo hospitais, ambulatórios, supermercados, administração pública e Forças Armadas. headtopics.com

Entre os dois extremos, está mais da metade da força de trabalho brasileira – 55,4% – em categorias de média vulnerabilidade. Há ainda 7,3% que fazem parte de um grupo de ocupantes de postos com vínculo protegidos que trabalham em atividades classificadas como essenciais, mas assistem a uma queda nos seus faturamentos e receitas devido à redução drástica da demanda, de problemas na cadeia produtiva ou dos impactos da pandemia no comércio exterior. É este o caso dos professores.

O fracasso de Lacombe - O Antagonista

“Se essas pessoas têm CLT, principalmente os professores da rede privada, elas estariam em qualquer outro momento numa posição de estabilidade. Por exemplo, na crise de 2014, 2015, todos os setores estavam indo mal, em especial a produção ligada à construção civil e alguns setores industriais, e o setor de ensino e saúde estava andando de vento em popa. A demanda por educação e a demanda por saúde andavam mais ou menos constantes, ou até aumentando”, diz Rogério Barbosa, pós-doutorando do Centro de Estudos da Metrópole, um Cepid da Fapesp sediado na USP.

“Nesse momento agora, não temos uma crise econômica comum. Nós temos uma crise instalada por uma pandemia que é uma coisa totalmente diferente e a necessidade de tirar as crianças da escola para reduzir a velocidade do contágio era mandatória. Os professores pela primeira vez, a despeito do seu vínculo formal, estável tiveram então que se recolher. Era um setor completamente seguro e agora passa a não ser em função do covid-19”, completa Barbosa, que também é coautor do estudo.

A nota técnica também destaca que os impactos da covid-19 sobre o mercado de trabalho serão sentidos em todos os Estados brasileiros, de forma mais ou menos homogênea. “Os trabalhadores identificados como mais vulneráveis, seja em São Paulo ou no Maranhão, respectivamente o Estado mais rico e o mais pobre do país, estão igualmente sujeitos à perda significativa do emprego e/ou deterioração da renda nesse momento”, informa o documento. headtopics.com

Olavo de Carvalho cancela aulas por estar com covid-19 - Política - Estadão

Barbosa e Prates planejam atualizar semanalmente o panorama do mercado de trabalho e aumentar o escopo da pesquisa, investigando como indicadores de gênero e raça se relacionam com os riscos de perder o emprego e qual é o impacto dos números sobre as famílias – a primeira parte do estudo considerou apenas indivíduos, e não o acúmulo de desvantagens quando mais de um membro da mesma família perde o emprego, por exemplo. Este primeiro estudo se baseou em dados do IBGE, do Sebrae e de relatórios do Google sobre transações com cartões de crédito.

Consulte Mais informação: Estadão »

O Assunto #614: Covid a bordo - cruzeiros suspensos no país

Depois de quase dois anos, foram liberadas as primeiras viagens de cruzeiro no Brasil. Milhares de turistas embarcaram atrás de dias de descanso e lazer, mas acabaram presos dentro de cabines. Mas a bordo, casos de Covid levaram a medidas como o lockdown. Agora, as viagens estão suspensas pelo menos até 21 de janeiro.

Cresce número de mortes por covid-19 no Rio de Janeiro - Brasil - EstadãoO Estado registrou 20 mortes por covid-19 entre ontem e hoje, de acordo com balanço divulgado no início desta noite pela Secretaria Estadual de Saúde 🤷 A Whitney Witzel esta com as mãos sujas de sangue. 'diretamente do nosso correspondente, wilson witzel'

Mortes pelo coronavírus no Brasil: conheça as histórias de quem não resistiu à Covid-19Profissionais da saúde, estudantes e mulheres grávidas estão entre as vítimas da doença no país, onde já morreram mais de 2,6 mil pessoas. Como sempre,explorando a dor alheia para se sentirem bem.meu deus! Vocês poderiam falar das pessoas curadas,do covid-19.mas como já dizem:desgraça vende.quem quiser notícias boas,procure quem venda. É triste! Gostaria também de conhecer a história daqueles q venceram o coronavirus. Parece que a morte dá mais audiência, não? Incrível como tem gente defendendo o vírus nos comentários, e que não entendem que a finalidade da matéria é mostrar que esses mortos não são números, são pessoas.

Coronavírus: Brasil recebe quinto avião com insumos comprados pela Vale na China - ISTOÉ IndependenteChegou ontem ao Brasil o quinto avião com insumos comprados pela Vale na China para combater a disseminação do novo coronavírus. A aeronave pousou no fim da tarde deste domingo, 19, no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP). A carga continha 1,25 milhão de máscaras N95, a mais indicada para o uso em ambientes contaminados pelo … PRESIDENTE BOLSONARO NAO COMPRE ESTES PRODUTOS DA CHINA ,AQUI NO NOSSO BRASIL TEM EMPRESAS QUE PODEM CONFECCIONAR ESTAS MASCARAS W Depois de destruir duas cidades inteiras, não fazem mais que a obrigação.

Ministério da Saúde erra e Brasil tem 113 e não 383 mortes em 24h - CartaCapitalSão 113 vítimas fatais registradas nas últimas 24h, e não 383, como anunciado anteriormente. Casos passam de 40 mil Mudou pra 270! Que bagunça!!! Esses 'erros', somados à troca de gestão da pasta da Saúde e de alguns anúncios de abertura de quarentena para as próximas semanas, são muito preocupantes.

BRASIL terá 3 representantes no Sul-Americano Masculino de 2021Dito e feito.O fim da Superliga Masculina já tinha sido antecipado pelo blog na semana passada.Hoje veio a confirmação oficial com

Manu Gavassi feat Dua Lipa: como 'Don't start now' bombou no Brasil com dancinhas do 'BBB'Hit da popstar inglesa virou trilha de 18 coreografias no reality show. Performance da música no Spotify, Deezer e YouTube teve picos quando cantora brasileira dançou. não fode sikamikanicoo FORÇAÇÃO DE BARRA HEIN.... Para que tá feio Já!!! Fora Mari