Onça resgatada de queimadas do Pantanal retorna à natureza

Onça resgatada de queimadas do Pantanal retorna à natureza #G1

22/01/2021 06:00:00

Onça resgatada de queimadas do Pantanal retorna à natureza G1

Após recuperação, com 87 quilos, agora monitorada, a onça macho resgatada em novembro de 2020 retornou ao habitat natural.

Uma onça, resgatada durante as queimadas no Pantanal, em novembro de 2020, foi solta nesta quinta-feira (21), na Serra do Amolar, exatamente na mesma região em que foi encontrada. Agora, com 87 quilos e recuperada, a onça macho volta ao habitat natural. O retorno à natureza será acompanhado por meio de uma coleira que contém bateria e chip que a cada hora emite um sinal, capturado pelo satélite e retransmitido ao software de monitoramento.

Câmara aprova admissibilidade de PEC que blinda parlamentares Lira procurou STF sobre PEC da Blindagem e ouviu que proposta é um ‘horror’ e um ‘absurdo’ ‘Tem gente no PT que tem saudade de Lula-Zé Alencar’, diz Haddad sobre Luiza Trajano como vice - Política - Estadão

O animal chegou no centro de reabilitação de Animais Silvestres (Cras) no dia 4 de novembro de 2020, com diversas queimaduras, principalmente nas patas (veja fotos abaixo). O felino conhecido como "Onça Joujou", foi cuidada por cerca de dois meses e meio após ser resgatada dos incêndios que destruíram mais de 4 milhões de hectares do bioma.

Para regeneração das patas, onça fez ozonioterapia. As fotos mostram como as patas no animal estavam quando chegou e a forma que saiu. — Foto: Governo de MS/ DivulgaçãoO retorno à naturezaApós mais de 13 horas de viagem, onça retorno ao habitat natural. — Foto: Governo de MS/Divulgação headtopics.com

Para chegar até à Serra do Amolar, 405 km de Campo Grande, o retorno do animal passou por terra, água e ar. O transporte foi realizado com a aeronave força Aérea brasileira (FAB) até o local. O voo teve 1h30 de duração. Para chegar ao local exato, a equipe navegou em uma embarcação por 10 minutos. Após chegar no local, o grupo esperou por mais de uma hora, até a onça que estava dormindo, acordar.

Todo o procedimento teve a participação de 15 pessoas de apoio. Após a longa viagem e horas de espera, a onça, em passos lentos, seguiu à dentro pela mata da Serra do Amolar.A conselheira do conselho regional de Medicina Veterinária (CRMV), Gisele Bandeira, explicou sobre a proposta de deixar a onça no mesmo local onde foi resgatada é importante para seu restabelecimento.

"A informação que recebemos é que o processo de soltura é mais estressante ao animal do que a captura, já que antes ela estava debilitada, pedindo ajuda. Agora ela volta para seu habitat depois de dois meses, por isso existe um estresse, quanto mais longe de casa ela fica, pior para o retorno".

Segundo o presidente do Instituto Homem Pantaneiro, coronel Angelo Rabelo, o momento é de reflexão sobre todas as etapas de apoio à fauna afetada. "Esta soltura é importante porque é uma espécie ameaçada, além de estar no topo da cadeia, sendo importante para a biodiversidade da Serra do Amolar. Conseguimos por meio de doação a compra do colar no valor de 1,3 mil dólares, importado dos Estados Unidos, que vai fazer o monitoramento da onça". headtopics.com

Trabalho digital cresce 5 vezes e ameaça direitos trabalhistas - Link - Estadão Vaza Jato: procuradores de Curitiba chamavam depoimentos forjados de 'terceirizados' Estratégia populista e falso liberalismo - Economia - Estadão

Monitoramento do animalO médico veterinário do IHP, Diego Viana, e coordenador do projeto Felinos Pantaneiros, antes de ser solta, a onça receberá um colar com sinal GPS e VHF. Conforme Viana, com o colar, a equipe do Instituto irá monitorar a eficácia da reintrodução do animal na natureza, a partir de análises do padrão de movimentação do animal.

“Será a primeira vez que um processo completo de resgate em situações de incêndios, tratamento e soltura, será monitorado dessa maneira no estado, o que colocará Mato Grosso do Sul como referência para a ciência e conservação no Brasil e no Mundo”, explica.

Queimadas no PantanalOs incêndios florestas destruíram em 2020 no Pantanal de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, 1,250 milhão de hectares, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). A área, é oito vezes maior do que o tamanho da cidade de São Paulo, que tem aproximadamente 152 mil hectares (segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE).

O Ibama aponta que a área do bioma atingida pelo fogo neste ano já é quatro vezes maior do que a extensão afetada no ano passado, que chegou a aproximadamente 300 mil hectares.Importante área de preservação da biodiversidade no Pantanal, Serra do Amolar sofreu com queimadas — Foto: Sílvio de Andrade/Governo de MS headtopics.com

Veja vídeos de Mato Grosso do Sul: Consulte Mais informação: G1 »

Professora de arte surpreende vizinhos e inspira alunos com bonecos de neve criativos nos EUA

Katina Gustafson, de Rhode Island, aproveita o inverno rigoroso para esculpir verdadeiras obras de arte no seu jardim.

Parabéns. Amei 🥺 tadinha ,volta pra onde ? tudo destruído ! 👏🏽😍 Já ajudou muito mais que alguns governantes que podem mudar a situação... . As bolinhas. Fosse um gato doméstico mandava castrar. Ve se não tenta matar ela de novo, rsallesmma. bom demais tem q ver se ela vai arrumar rango 😷 Agradecimentos !...

caetanosm Coisa mais linda!!!!😍 Nosso país é imenso...cada canto diferente do outro e com suas demandas. Parabéns a todos que participaram dessa tarefa. E aguardarei notícias do Joujou. Viva Isso não muda o fato que na Austrália há 48 milhões de Cangurus e no Uruguai há 3.457.380 de habitantes. Então se os Cangurus decidirem invadir o Uruguai, cada uruguaio terá que lutar com 14 cangurus.

Kael01_ ❤️❤️❤️❤️❤️❤️