O Assunto #631: Negacionismo - Bolsonaro dobra a meta

#OAssunto - Governo Bolsonaro insiste no negacionismo, promove remédio que o mundo inteiro sabe ser ineficaz contra a Covid e tenta atrapalhar a vacinação infantil. Nesta edição, @RenataLoPrete conversa com o jornalista @andreazzaeditor. Ouça: #g1

Oassunto

27/01/2022 23:00:00

OAssunto - Governo Bolsonaro insiste no negacionismo, promove remédio que o mundo inteiro sabe ser ineficaz contra a Covid e tenta atrapalhar a vacinação infantil. Nesta edição, RenataLoPrete conversa com o jornalista andreazzaeditor. Ouça: g1

Quando muitos pensavam que o governo federal havia se conformado minimamente às realidades da pandemia, o Brasil vê renascer a disposição das autoridades para atrapalhar a vacinação, desta vez do público infantil, e promover um remédio que o mundo inteiro sabe, há tempos, ser ineficaz contra a Covid.

Para o jornalista Carlos Andreazza, trata-se de um “padrão pendular” de conduta: “estica ao máximo a corda, e depois recua”. Ele reconhece, porém, pelo menos uma diferença na atual ofensiva: sem CPI, o presidente está convencido de que pode ultrapassar qualquer limite e tratar da crise sob o único prisma que lhe interessa, o eleitoral. “É a convicção de que, se segurar 15% de fiéis, alimentar os radicais, irá ao 2º turno”, diz o colunista do jornal O Globo e comentarista da rádio CBN. Na conversa com Renata Lo Prete, Andreazza observa também que o “fator ômicron” (mais gente pegando a doença, ainda que com quadros menos graves) fomenta a disseminação de fake news sobre vacinas. E lembra que essa confusão “com método” tem consequências na ponta: das reiteradas ameaças a funcionários da Anvisa à dificuldade para fazer a campanha das crianças decolar, providência que os epidemiologistas consideram indispensável para controlar o contágio.

Consulte Mais informação: g1 »

Em cartaz com a peça 'Pós-F', Maria Ribeiro fala sobre o legado de Fernanda Young

No Estúdio CBN desta quinta-feira, Tatiana Vasconcellos recebe a atriz Maria Ribeiro, que está em cartaz com a peça 'Pós-F', baseada no livro homônimo de Fernanda Young. A atriz explica que a obra, escrita em 2018, é um tratado sobre ser feminina e masculina em um momento em que 'grande parte das mulheres começaram a perder o medo de se dizerem feministas'. 'Quando eu li uma matéria sobre o 'Pós-F', eu estava incomodada com este discurso muito puro do feminismo, como se não tivéssemos, ainda, resquícios do machismo. Eu achei que a Fernanda trazer uma semente do contrário era mais feminista do que dizer que estava tudo bem', afirma. Consulte Mais informação >>

renataloprete andreazzaeditor ERIS GODDESSDISCORDMASSHYPNOSISVACCINATION renataloprete andreazzaeditor ERIS renataloprete andreazzaeditor Vai vendo Brasil Depois de anos de corrupção, omissão e negacionismo da imprensa e dos juízes do STF, os únicos crimes apontados ao atual Presidente foram... Mi mi mi

renataloprete andreazzaeditor Vocês mentem sabendo de mentir: Bolsonaro (e não apenas ele) defende remédios testados com sucesso no mundo (um inteiro distrito com a população do Brasil na Índia, por exemplo). Se isso fosse divulgado corretamente, as vacinas deixariam de ser a única solução... MidiaTraira

renataloprete andreazzaeditor Blogueiros ainda acham que enganam a população.🤫 renataloprete andreazzaeditor Esse velho é maluco! Ainda bem que é o último ano dele no cargo. renataloprete andreazzaeditor Coitada da Globo Lixo. Agoniza sem as mamata$ de outrora. renataloprete andreazzaeditor Se aparecer algum minion tentando dizer que isso não é verdade, eles estarão negando o negacionismo do Bolsonaro ou negando as notícias do negacionistas?

Brasil tem 487 mortes por Covid no dia em que Bolsonaro decreta luto por OlavoA causa da morte do autoproclamado filósofo não foi divulgada, mas ele foi diagnosticado com Covid neste mês Ele é um grandinho FDP

Tratamento precoce: 3 antivirais aprovados no exterior contra covid - BBC News BrasilRemédios que previnem hospitalização e morte pela infecção com o coronavírus já são prescritos em várias partes do mundo, mas não há perspectiva para aprovação desses fármacos ou incorporação deles no sistema público do Brasil. Viva a indústria farmacêutica . Medicamentos baratinho x lobby 🤮 Agora tem patentes pra lucro né,agora pode.

Os tratamentos contra covid já disponíveis e como funcionamAlguns corticoides, antivirais e anti-inflamatórios tiveram eficácia testada para o tratamento da covid-19. Saiba quais são eles = g1 Curiosamente, a matéria só fala de gastos para os anti-inflamatórios, mas deveria trazer essas informações para as outras duas categorias também. Isso todos nós já sabemos. Azitromicina, Hidroxicloroquina, Ivermectina e outros. eucabralll

Estudo identifica fatores que parecem relacionados a Covid longaOs cientistas estão correndo para entender e prever melhor a Covid longa, na qual pacientes ainda enfrentam uma ampla gama de problemas de saúde meses após a recuperação

Brasil tem recorde e registra mais de 224 mil casos de covid-19 em 24hDe acordo com dados do Ministério da Saúde, o país tem 624.413 óbitos e 24.535.884 casos confirmados da doença Por isso a Variante Ômicron está sendo tratada como uma gripe comum na Inglaterra, Japão, Irlanda, etc ... Essa é mais contagiosa, porém mais branda que a anterior. Teremos que aprender a conviver com ela!

Sete Estados têm cenário crítico em UTIs pediátricas para covid-19Em três deles, a ocupação atingiu 100%, caso de Mato Grosso do Sul, Maranhão e Rio Grande do Norte; outros quatro registram taxas de 80% ou mais: Ceará, Bahia, Pernambuco e Goiás

Você pode ouvir O Assunto no g1, no GloboPlay, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music, no Hello You ou na sua plataforma de áudio preferida. Assine ou siga O Assunto, para ser avisado sempre que tiver novo episódio. Para o jornalista Carlos Andreazza, trata-se de um “padrão pendular” de conduta: “estica ao máximo a corda, e depois recua”. Ele reconhece, porém, pelo menos uma diferença na atual ofensiva: sem CPI, o presidente está convencido de que pode ultrapassar qualquer limite e tratar da crise sob o único prisma que lhe interessa, o eleitoral. “É a convicção de que, se segurar 15% de fiéis, alimentar os radicais, irá ao 2º turno”, diz o colunista do jornal O Globo e comentarista da rádio CBN. Na conversa com Renata Lo Prete, Andreazza observa também que o “fator ômicron” (mais gente pegando a doença, ainda que com quadros menos graves) fomenta a disseminação de fake news sobre vacinas. E lembra que essa confusão “com método” tem consequências na ponta: das reiteradas ameaças a funcionários da Anvisa à dificuldade para fazer a campanha das crianças decolar, providência que os epidemiologistas consideram indispensável para controlar o contágio. O que você precisa saber: O podcast O Assunto é produzido por: Mônica Mariotti, Isabel Seta, Arthur Stabile, Gabriel de Campos, Luiz Felipe Silva, Thiago Kaczuroski e Eto Osclighter. Neste episódio colaborou também: Gustavo Honório. Apresentação: Renata Lo Prete. — Foto: Comunicação/Globo