O Assunto #626: China - limites da política de Covid zero

#OAssunto - Até onde a política de 'Covid Zero' da China é eficaz? É possível conter o avanço da ômicron? Quais são as consequências de tantos lockdowns? Para responder, @renataloprete entrevista o economista @RodZeidan e o jornalista Carlos Gil == #g1

Oassunto

20/01/2022 15:00:00

OAssunto - Até onde a política de 'Covid Zero' da China é eficaz? É possível conter o avanço da ômicron? Quais são as consequências de tantos lockdowns? Para responder, renataloprete entrevista o economista RodZeidan e o jornalista Carlos Gil == g1

Um cordão sanitário nas fronteiras e dezenas de milhões de pessoas em lockdowns focalizados. Às vésperas de seu principal feriado e de um evento global em Pequim, o país que primeiro identificou o novo coronavírus segue com as medidas mais draconianas para contê-lo. Mas agora é questionada tanto do ponto de vista da eficácia quanto de efeitos colaterais.

Um cordão sanitário nas fronteiras e dezenas de milhões de pessoas em lockdowns focalizados. Às vésperas de seu principal feriado e de um evento global em Pequim, o país que primeiro identificou o novo coronavírus segue com as medidas mais draconianas para contê-lo. Aliada a uma taxa de vacinação superior a 85%, essa estratégia conseguiu segurar as mortes pela doença num patamar comparativamente baixo (em torno de 5 mil registradas desde o início da pandemia, contra mais de 850 mil nos EUA, por exemplo). Mas agora é questionada tanto do ponto de vista da eficácia (a variante ômicron já está presente em pelo menos 7 das 31 províncias) quanto de efeitos colaterais (recuperação insuficiente da atividade). Professor da Universidade de Nova York em Xangai, o economista Rodrigo Zeidan conta como funciona na prática: “Se um caso for detectado num condomínio, as autoridades fecham o lugar com quem estiver dentro” e promovem testagem em massa. Empresas e governos estrangeiros podem torcer o nariz, mas essa abordagem tem “alto apoio popular”, afirma. Participa também do episódio o jornalista Carlos Gil, que por mais de três anos foi correspondente da TV Globo na Ásia. É ele quem explica as rígidas regras da “bolha” onde ficarão atletas e demais envolvidos nas Olimpíadas de Inverno, a partir de 4 de fevereiro na capital chinesa. Como público, nas arenas, apenas convidados e em número restrito. Gil compara esse ambiente ao dos Jogos de Tóquio, em 2021. “Na China, quem pisar fora do circuito fechado vai sofrer sanções”, até mesmo deportação.

Consulte Mais informação: g1 »

Os três fatores que explicam a aposta do mercado na MRV | Radar Econômico

VEJA Mercado em vídeo: papéis sobem quase 5% nesta quarta-feira, 25 Consulte Mais informação >>

renataloprete RodZeidan A China deveria ser a primeira a ajudar os países porque foi lá que começou o vírus chines renataloprete RodZeidan Falam q o vírus foi criado em labaratorio pela China mas n querem se proteger dele vai entender. renataloprete RodZeidan renataloprete RodZeidan Hummm. Agora estão preocupados com lockdowns.

renataloprete RodZeidan Quem garante que há de fato essa politica de covid zero na China? Esse país é uma ditadura e todas as notícias são filtradas, controladas ou inventadas pelo partido comunista. Eles querem que o ocidente implante um lockdown eterno pois isso beneficia a economia chinesa Oassunto

renataloprete RodZeidan A consequência é as pessoas ficando doentes de outras coisas renataloprete RodZeidan Ahhh é

Cidades da Baixada começam aplicação de dose pediátrica contra covid-19 | Rio de Janeiro | O DiaSão João de Meriti e Belford Roxo divulgaram seus cronogramas para vacinação. ODia

Como vacinas de células T podem criar imunidade de longo prazo contra covid - BBC News BrasilAlgumas vacinas de células T já estão entrando na fase de ensaios clínicos — no futuro, estes imunizantes poderiam ajudar o mundo a conviver com a covid de forma mais segura. Correção: “Em busca de VACINA de verdade, cientistas…” não, fazendo um vírus, tornando pessoas em zumbis esta de boba Jornalistas de hj , entendem mais do vírus, do quê os fatos.

Ocupação de leitos para covid-19 cresce 561% no AmazonasOs leitos de enfermaria, com 271 internados, pressionam o sistema de saúde do Estado; em 1º de janeiro, 41 pessoas estavam hospitalizadas em enfermarias La vem o terror da imprensa Ei, minsaude mqueiroga2 , que não ocorra naquele Estado a parte 2 do show de horrores do início da pandemia! Genocida 🦠🪓☠️🔫

Pegar covid de propósito para 'se livrar' é péssima ideia, alerta Natália Pasternak - BBC News BrasilA microbiologista diz que, mesmo se a ômicron for mais leve, a ideia de se infectar para ficar imune está baseada em falsas premissas e traz riscos à saúde tanto do ponto de vista individual quanto do coletivo. Sempre as mesmas figurinhas nas entrevistas. Porque será Cantora tcheca morre após se infectar com Covid-19 propositalmente para ter 'passe livre' sem vacina Gripe comum com assessoria de imprensa...

Mais de 80% dos pais querem vacinar filhos contra covid-19, diz estudo da FiocruzPara a coordenadora do estudo, vacinar crianças é uma oportunidade 'para conter o vírus, fortalecer a imunidade coletiva, aumentar a segurança do retorno escolar presencial e, o mais importante, proteger as crianças e adolescentes' Óbvio! Apenas negacionistas ignorantes não querem Eu acho que é 180%

Fiocruz investiga hesitação de pais em vacinar crianças contra a CovidPesquisa feita com 15.297 pais ou responsáveis aponta que receio é maior em quem tem de imunizar pessoas de 0 a 4 anos Ah virou polícia agora Ué não tem a tal da pesquisa q disse q a maioria era a favor? O q aconteceu? Pague a pensão do meu sobrinho Meu irmão faleceu em janeiro de 2020 Fazem 5 meses que não depositam o INSS diz que está análise Nem sabem o motivo Tudo certo Cadê o dinheiro Meu irmão trabalhou um direito do filho Coloque os salários dos políticos em análise

Você pode ouvir O Assunto no g1, no GloboPlay, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music, no Hello You ou na sua plataforma de áudio preferida. Assine ou siga O Assunto, para ser avisado sempre que tiver novo episódio. Um cordão sanitário nas fronteiras e dezenas de milhões de pessoas em lockdowns focalizados. Às vésperas de seu principal feriado e de um evento global em Pequim, o país que primeiro identificou o novo coronavírus segue com as medidas mais draconianas para contê-lo. Aliada a uma taxa de vacinação superior a 85%, essa estratégia conseguiu segurar as mortes pela doença num patamar comparativamente baixo (em torno de 5 mil registradas desde o início da pandemia, contra mais de 850 mil nos EUA, por exemplo). Mas agora é questionada tanto do ponto de vista da eficácia (a variante ômicron já está presente em pelo menos 7 das 31 províncias) quanto de efeitos colaterais (recuperação insuficiente da atividade). Professor da Universidade de Nova York em Xangai, o economista Rodrigo Zeidan conta como funciona na prática: “Se um caso for detectado num condomínio, as autoridades fecham o lugar com quem estiver dentro” e promovem testagem em massa. Empresas e governos estrangeiros podem torcer o nariz, mas essa abordagem tem “alto apoio popular”, afirma. Participa também do episódio o jornalista Carlos Gil, que por mais de três anos foi correspondente da TV Globo na Ásia. É ele quem explica as rígidas regras da “bolha” onde ficarão atletas e demais envolvidos nas Olimpíadas de Inverno, a partir de 4 de fevereiro na capital chinesa. Como público, nas arenas, apenas convidados e em número restrito. Gil compara esse ambiente ao dos Jogos de Tóquio, em 2021. “Na China, quem pisar fora do circuito fechado vai sofrer sanções”, até mesmo deportação. O que você precisa saber: O podcast O Assunto é produzido por: Mônica Mariotti, Isabel Seta, Arthur Stabile, Gabriel de Campos, Luiz Felipe Silva, Thiago Kaczuroski e Eto Osclighter. Neste episódio colaborou também: Gustavo Honório. Apresentação: Renata Lo Prete. — Foto: Comunicação/Globo