Novo caso de violência policial contra homem negro abala a França - Internacional - Estadão

@EstadaoInter Novo caso de violência policial contra homem negro abala a França

27/11/2020 09:00:00

EstadaoInter Novo caso de violência policial contra homem negro abala a França

Quatro agentes foram afastados após agredirem produtor musical em ação registrada por câmeras de segurança

26 de novembro de 2020 | 23h07PARIS - Um novo caso de violência policial, em que quatro agentes foram suspensos após agredirem um produtor musical negro, numa ação registrada por câmeras de segurança, abala as mais altas instâncias do poder na França.

Progressão aritmética: Após ter um filho na 1ª gestação e dois na 2ª, mulher dá à luz trigêmeos em SC Jacaré é encontrado nas ruas da Zona Norte de Natal; veja vídeo Coronavírus: SP confirma casos da variante de Manaus; 'já está em todo o Brasil', diz pesquisador

Em pleno debate sobre o polêmico projeto de lei Segurança Global, que reprime a divulgação de imagens de policiais durante suas operações, o ministro do Interior, Gérald Darmanin, anunciou que pedirá a suspensão dos agentes acusados nesse caso de violência, documentado em um vídeo publicado nas redes sociais.

Leia TambémApós morte no Carrefour, Senado aprova projeto para aumentar pena a crime cometido por discriminaçãoAs imagens, divulgadas pelo site Loopsider, mostram três policiais agredindo no último sábado o produtor musical Michel Zecler na entrada de um estúdio em Paris."Eles me chamaram várias vezes de negro de m... enquanto me agrediam", denunciou a vítima à sede parisiense da Inspeção Geral da Polícia Nacional (IGPN)."Pessoas que devem me proteger me agridem. Não fiz nada para merecer isso. Só quero que a lei puna essas três pessoas", declarou à imprensa. headtopics.com

Inicialmente, três agentes foram suspensos. Um quarto, que chegou como reforço e é suspeito de ter lançado uma bomba de gás lacrimogêneo no interior do estúdio musical, também foi suspenso, informou àAgência France-Presse

 uma fonte policial ligada ao caso.O ministro Gérald Darmanin, que comparecerá na próxima segunda-feira à comissão de leis do Parlamento, declarou na TV pública que os policiais"mancharam o uniforme da república". Já o ministro da Justiça, Eric Dupond-Moretti, disse ter ficado"escandalizado com essas imagens" e reconheceu que, se a cena não tivesse sido gravada,"não se saberia do ocorrido. Deve-se filmar."

O líder dos Insubmissos (oposição de esquerda), Jean-Luc Mélenchon, viu no ocorrido uma"prova terrível do caráter crucial do direito a filmar as ações policiais". Ele se referia ao artigo 24 do projeto de lei Segurança Global, que penaliza a divulgação maliciosa da imagem das forças de ordem. O texto, aprovado esta semana na Assembleia Nacional e que deve ser examinado pelo Senado, gerou polêmica nos últimos dias.

O projeto de lei de segurança inclui disposições sobre câmeras para pedestres e o uso de drones e tem levantado preocupações de associações de cidadãos ou ativistas de esquerda, mas foi o artigo 24 do texto que dividiu opiniões. headtopics.com

Com fim do auxílio emergencial, moradores de Mesquita, Baixada Fluminense, fazem fila por comida 'Kit covid é kit ilusão': os dados que apontam riscos e falta de eficácia do 'tratamento precoce' - BBC News Brasil Governo inexistente - Opinião - Estadão

Para “proteger quem nos protege”, especialmente “nas redes sociais”, o partido presidencial quer punir com um ano de prisão e uma multa de 45 mil euros a divulgação de “imagem do rosto ou qualquer outro elemento de identificação" de membros da polícia, quando prejudicar"a sua" integridade física ou psicológica".

A medida foi bem recebida pelos sindicatos da polícia, mas gerou protestos entre partidos de esquerda e ativistas das liberdades civis, que a veem como um"ataque desproporcional" à liberdade de informar e um sinal de uma nova tendência autoritária do governo de Emmanuel Macron.

O premier Jean Castex anunciou hoje a criação de uma"comissão independente que se encarregue de propor uma nova redação" do artigo, que pretende submeter ao veredito do Conselho Constitucional.Segundo a ata consultada pela

Agência France-Presse, os três policiais chamaram a atenção de Zecler por ele não estar usando máscara."Quando tentamos interceptá-lo, ele nos forçou a entrar no prédio", diz o texto.As imagens das câmeras de segurança mostram os três policiais entrando no estúdio agarrando o homem e, depois, agredindo a vítima com socos, chutes e golpes, numa cena que dura cinco minutos. Em seguida, a polícia tenta forçar a porta e lança no interior do estúdio uma bomba de gás lacrimogêneo. headtopics.com

"Se não tivéssemos o vídeo, meu cliente talvez estivesse preso", declarou àAgência France-Pressea advogada de Zecler. Ele recebeu uma licença médica de seis dias.Astros do futebol, como Antoine Griezmann, Samuel Umtiti e Kylian Mbappé, reagiram com indignação ao vídeo. O caso aconteceu três dias depois da destruição violenta pela polícia de um acampamento de imigrantes localizado na Praça da República, centro de Paris.

/AFP Consulte Mais informação: Estadão »

Veja a reação de idosa ao saber que seria a primeira moradora do Rio vacinada contra a Covid-19

Terezinha da Conceição chorou e deu um breve abraço na cuidadora. Técnica de enfermagem que também recebeu a vacina deixa recado: 'É só com a vacina mesmo é que a gente vai lentamente conseguir vencer essa doença'.