Nobel de Medicina: “Os tratamentos contra o câncer eram como tentar consertar uma televisão com um martelo”

Oncologista William Kaelin, vencedor do prêmio em 2019, acredita que descobertas nos próximos 10 anos mudarão completamente a luta contra a doença

24/10/2021 15:01:00

O oncologista William Kaelin venceu o Nobel de Medicina em 2019 por ajudar a abrir as portas a novos tratamentos contra o câncer, doença que matou sua esposa. O médico prevê que, nos próximos 10 anos, a ciência mudará completamente a luta contra o câncer

Oncologista William Kaelin, vencedor do prêmio em 2019, acredita que descobertas nos próximos 10 anos mudarão completamente a luta contra a doença

P.Agora que compreendemos melhor os sensores de oxigênio nas células, o que ocorrerá? Quais fármacos podemos ter a curto prazo?R.Já temos novos remédios que, ao tomá-los, enganam o corpo para que pense que não está recebendo oxigênio suficiente e responda, por exemplo, formando mais glóbulos vermelhos. Um desses remédios, o roxadustat, em que eu estive envolvido, foi recentemente autorizado na Europa como tratamento contra a anemia. Agora sabemos que o câncer frequentemente sequestra o sistema, controlando os sensores de oxigênio, para enganar o corpo e abastecer o tumor de sangue. Há novos fármacos, como os chamados inibidores de HIF-2, que são muito promissores em certos tipos de câncer. O primeiro desses remédios foi aprovado em agosto para o tratamento da doença de Von Hippel-Lindau, uma doença rara que causa câncer, mas ficarei muito surpreso se não forem aprovados também para outros tumores, incluindo o de rim.

Como o homem esqueceu o mais valioso tesouro, o silêncio - Aliás - Estadão João Doria vence prévias e será candidato do PSDB à presidência em 2022 - BBC News Brasil Afinal, esses alimentos são vilões ou mocinhos? - Saúde - Estadão

P.Em seu discurso do Nobel o senhor afirmou que, na verdade, suas descobertas começam com um estudo do médico britânico Edward Treacher Collins de 1894 [sobre o estranho crescimento de vasos sanguíneos nos olhos de dois irmãos]. A ciência às vezes é muito lenta. Como se pode ir mais rápido?

R.Houve um ponto de inflexão no ano 2000, com a publicação do primeiro rascunho do genoma humano. Algum dia olharemos para trás e diremos que aquilo foi o Big Bang, porque está. Estamos em uma época dourada. Não é por acaso que tenha levado tanto tempo para decifrar o que Treacher Collins havia descrito. É que, simplesmente, não tínhamos as ferramentas. Agora tudo anda muito mais rápido. headtopics.com

P.Como era o tratamento de câncer nos anos oitenta?R.Era baseado principalmente em remédios descobertos por sua capacidade de matar e inibir as células cancerosas em placas de laboratório. Mas não havia um conhecimento real dos segredos moleculares desses tumores. Não sabíamos quais genes eram alterados. Era como tentar consertar uma televisão com um martelo. Agora podemos

, em vez de depender de medicamentos que matam indiscriminadamente células cancerosas e células normais.P.Talvez em um futuro próximo, em 10 ou 20 anos, analisaremos a etapa atual e pensaremos que também estávamos consertando a televisão com um martelo.

R.Acho que as coisas mudaram no ano 2000. Correndo o risco de usar outra analogia, acho que estamos tentando consertar um carro e no ano 2000 pelo menos fomos capazes pela primeira vez de abrir o capô e ver o motor. Esse foi o ponto de inflexão.

P.Como o senhor imagina a luta contra o câncer em 10 ou 20 anos?R.Há uma grande diferença entre a ciência e a engenharia. Quando [o presidente norte-americano John Fitzgerald] Kennedy disse que iríamos colocar um homem na Lua em uma década, foi porque mandar um homem à Lua era principalmente um problema de engenharia. Os princípios científicos necessários já eram conhecidos em 1960, de modo que se podia calcular de maneira fundamentada que em 10 anos seria possível. headtopics.com

A inteligência artificial será capaz de aprender ética e moralidade? - Link - Estadão Senador propõe emenda para dar transparência ao orçamento secreto - Política - Estadão BBC resgata vozes e sambas esquecidos dos soldados brasileiros na 2ª Guerra - BBC News Brasil

Em ciência há uma imprevisibilidade muito maior. De repente, aprendemos algo que muda completamente o modo de pensar e aparecem oportunidades que sequer podíamos imaginar. Eu sempre sou um pouco cauteloso em prever como será o tratamento do câncer em uma década, porque me decepcionaria se todas minhas previsões estiverem corretas. Espero que descubramos algo nos próximos 10 anos que mude completamente a luta contra o câncer. Dito isso, precisamos avançar a essa medicina de precisão, em vez das velhas quimioterapias que eram muito rudimentares. Muitos remédios de precisão são utilizados atualmente como único tratamento, mas precisamos combiná-los, porque sabemos que esse é o caminho para curar o câncer e para evitar que apareçam resistências. Um fármaco pode matar as células cancerosas, enquanto outro ativa o sistema imunológico para que seja mais eficiente contra o câncer. Também posso imaginar novas maneiras de corrigir genes defeituosos envolvidos no câncer. Em 10 ou 20 anos podemos ver novos enfoques que agora sequer imaginamos.

Consulte Mais informação: EL PAÍS Brasil »

Ron Jeremy: acusadoras de astro pornô falam pela primeira vez - BBC News Brasil

Por décadas, uma das estrelas pornôs mais famosas do mundo, Ron Jeremy, supostamente apalpou, agrediu e estuprou mulheres.

------------------------------------ O FELIPE ANDREOLI já foi demitido? Ou a HIPOCRISIA na imprensa militante, que sabota o país, continuará? -------------------------------------