Na quarentena, colégios recorrem ao ensino a distância para manter atividades - Educação - Estadão

19/03/2020 19:10:00

Na quarentena, colégios recorrem ao ensino a distância para manter atividades -via @EstadaoEdu

Na quarentena, colégios recorrem ao ensino a distância para manter atividades -via EstadaoEdu

Autoridades estaduais e federais de educação estudam liberar aulas a distância para o cálculo dos 800 dias letivos exigidos por lei

LEIA TAMBÉMConselho aprova substituição de aulas presenciais por EAD durante quarentena do coronavírusEscolas particulares com mensalidades mais altas conseguiram rapidamente se organizar para ofertar atividades a distância em todas as etapas, da educação infantil ao ensino médio. Enquanto colégios com menos recursos financeiros, especialmente os da rede pública, ainda não sabem como dar o suporte para aulas virtuais e - o mais difícil - garantir que todos os alunos possam ter acesso a eles de casa. 

Consulte Mais informação:
Estadão 🗞️ »

Papa Francisco chora ao falar da guerra na Ucrânia 'martirizada'

Pontífice afirmou que desejava agradecer a Deus pela paz no país, mas ao invés precisa apresentar 'a súplica' do povo ucraniano Consulte Mais informação >>

Edu Notícia vaga, pois essa não é a real realidade de 100% dos estudantes desse país! Edu Infelizmente nem todos terão acesso! A realidade dessa foto que ilustra a reportagem não chega nem perto de um grande número de estudantes. Edu Nem todos tem acesso a internet pra estudar a distância. Edu Faculdades tb, é necessário

A quarentena na Espanha - Infográficos - EstadãoA QUARENTENA NA ESPANHA | Espanhóis e brasileiros relatam como estão enfrentando a situação no País, que tem 46 milhões de pessoas isoladas e é um dos mais afetados da Europa pelo novo coronavírus Deusnosajude

Vítimas de coronavírus na Itália enfrentam a morte sem direito a funerais - Saúde - EstadãoDecreto da quarentena no País proibiu cerimônias civis e religiosas, incluindo funerais, para impedir a propagação do vírus, o que vem causando sofrimento extra às famílias; necrotérios de hospitais estão lotados Desbloqueia o conteúdo seus mané 🥺 A china conseguindo foder com o mundo inteiro......

Biden tem mais uma noite de vitórias e ganha na Flórida, Illinois e Arizona - Internacional - EstadãoNa Flórida, o maior prêmio da noite, ex-vice-presidente americano abriu quase 40 pontos de vantagem sobre Sanders, com 62% dos votos

Blefe, na melhor hipótese - Política - EstadãoRosângela Bittar: Foram Bolsonaro e os filhos que transformaram a Presidência em rinha Principalmente os filhos Vão sentir falta do poder em breve. Se não existissem vídeos antigos poderíamos achar q Bolsonaro está com algum tipo de perturbação mental temporária. Mas analisando suas ações/declarações passadas notamos q estamos vendo apenas o retrato do q Bolsonaro sempre foi: inconsequente e desqualificado. E só irá piorar.

Após restrições por coronavírus, presos fogem na Venezuela; 6 morrem - Internacional - EstadãoPaís tem 36 casos confirmados; sistema carcerário está superlotado e prisões são um cenário de violência, desnutrição e doenças contagiosas Inter Inter E no Brasil (SP) foram soltos? Inter Aqui a fuga foi pior...

Atacante que joga na China é o primeiro jogador brasileiro infectado pelo coronavírus - Esportes - EstadãoEx-Fluminense e Náutico, Dori está em hospital no sul do país e defende atualmente time da segunda divisão local Esporte Jonathas do Elche é norueguês? Esporte Aaah vai tomar no cu! matéria paga em tempos de Coronavírus! Esporte Senhor da Glória!!! 😭😭😭

e buscam alternativas para continuar a ofertar atividades que os alunos possam fazer em casa..Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia Os necrotérios do hospital estão superlotados.em razão das medidas de distanciamento social adotadas para tentar conter o avanço do vírus.

  LEIA TAMBÉM Conselho aprova substituição de aulas presenciais por EAD durante quarentena do coronavírus Escolas particulares com mensalidades mais altas conseguiram rapidamente se organizar para ofertar atividades a distância em todas as etapas, da educação infantil ao ensino médio. Enquanto colégios com menos recursos financeiros, especialmente os da rede pública, ainda não sabem como dar o suporte para aulas virtuais e - o mais difícil - garantir que todos os alunos possam ter acesso a eles de casa.  Nesta quarta-feira, 18, o Conselho Estadual de Educação aprovou que as atividades escolares feitas em casa pelos estudantes durante o período de quarentena do coronavírus sejam contabilizadas para o cálculo dos 200 dias letivos exigidos por lei. "Infelizmente, não sabemos onde colocá-los", disse Marco Bergamelli, um dos sacerdotes da igreja. A medida, que ainda precisa ser aprovada pelo secretário de educação, Rossieli Soares, vale para as redes pública e privada. A publicitária Débora Urike, de 37 anos, disse ter se organizado para a suspensão das aulas no Centro Educacional Pioneiro, na Vila Clementino, zona sul da capital, onde Maya estuda. O primeiro caso de coronavírus nos Estados Unidos foi registrado no final de janeiro.

A menina vai ficar com a avó e uma babá durante o período em que deveria estar na escola e a família se esforça para manter a rotina com a qual ela está acostumada." Uma lei nacional de emergência publicada na semana passada proibiu cerimônias civis e religiosas, incluindo funerais, para impedir a propagação do vírus."Mantivemos o horário de acordar, de tomar banho, refeições. A escola deu sugestões de atividades, de livros, mas ela já perguntou dos amiguinhos e até quando vai continuar sendo 'dia de coronavírus' e sem aula". O colégio Avenues, primeiro no País a ter suspendido as aulas depois da confirmação de coronavírus em um estudante, já está na segunda semana com aulas a distância."Essa tragédia nos lembra de amar a vida", disse ele. As atividades e a forma de comunicação entre alunos e professores ainda passa por ajustes já que se trata de um modelo novo.

Uma das mudanças foi para proporcionar espaços virtuais em que as crianças pequenas (da educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental) possam conversar com os colegas.  “Preparamos atividades que os adultos pudessem ajudá-los a desenvolver, como vídeos dos professores contando histórias ou propondo atividades. Na sexta-feira, havia 10 páginas e o restante foi dedicado ao vírus devastador em Bergamo. Mas percebemos que os pequenos sentem falta dos amigos ainda que não expressem isso. Então, abrimos uma sessão de videoconferência mediada pelos professores para que eles possam conversar entre si e se ver”, contou Lia Muschellack, diretora de tecnologia da escola.  No colégio Santa Cruz , na zona oeste da capital, também foram desenvolvidas atividades com a preocupação de reduzir os efeitos do isolamento e não apenas focando no conteúdo escolar. Elas não tiveram alguém segurando sua mão, e os funerais precisam ser breves, com apenas uma rápida oração do padre.

Para a educação infantil, os professores fizeram álbuns de figurinha com o rosto dos alunos. “Também disponibilizamos conteúdo online, com vídeos dos professores com contação de história, propostas de brincadeiras. Não é o ead clássico”, contou a diretora pedagógica Débora Vaz. Ele tinha 70 anos. Adaptações Nesta quarta, no primeiro dia de aulas a distância no Santa Cruz, pela manhã alguns alunos tiveram dificuldade para acessar as atividades. Com muitas pessoas acessando o portal ao mesmo tempo, houve lentidão.

“Rapidamente, os próprios estudantes se organizaram para resolver a situação."Em Bergamo, são tantos corpos se acumulando que já não se sabe o que fazer com eles". Um deles conseguiu acessar, baixar as atividades e o vídeo dos professores e compartilhou no Whatsapp com os colegas. Tenho certeza que eles vão se adaptar muito melhor e mais rápido do que imaginamos”, contou a arquiteta Adriana Tuono, mãe de três alunos da escola.  Os filhos, de 16, 13 e 11 anos, já usam recursos digitais para estudar por isso ela acredita que a adaptação será mais fácil. Carrara, de 52 anos, não pôde visitá-los no hospital e ficou em casa em quarentena, onde começou a mostrar sintomas do vírus. O desafio, segundo ela, é manter uma rotina saudável sem as aulas presenciais.

“Sentamos juntos e montamos uma agenda, estabelecemos a hora de acordar, de tomar café, de começar os estudos, das atividades de casa. É entender que não se trata de férias e que precisamos continuar com uma rotina, com as responsabilidades diárias”. "Sinto muito por eles ainda estarem lá", disse ele.  Foi a preocupação em monitorar a participação dos alunos nas atividades que fez o colégio Bandeirantes , na zona sul, decidir por diversificar os formatos de aulas."Vamos ter vídeo, texto, lista de exercícios, podcast. O que se adaptar melhor à disciplina, ao conteúdo, à forma de aprendizado dos alunos. Em vez disso, os trabalhadores entregaram em sua casa um caixão, algumas velas, uma cruz e uma geladeira mortuária para que ele pudesse deixar o pai na sala de estar.

O importante não é só dar o conteúdo, mas garantir que os estudantes vão acompanhar o ritmo de estudo", disse a diretora Mayra Lora.  Ela também defende que a adaptação dos alunos vai ser rápida por se tratar de um ambiente conhecido por eles. Ontem, pouco mais de uma hora depois de uma professora de Português ter publicado vídeo de uma aula 400 dos 500 alunos de 1º ano já tinham assistido o conteúdo. Um padre chegou para fazer uma breve oração sobre o carro fúnebre, com o bagageiro levantado. “Talvez a adaptação seja mais difícil para nós, educadores, e os pais. Mas, diante de uma situação tão atípica, vamos todos fazer um esforço para nos adaptar, não acredito que haverá resistência” .