'Munique: No Limite da Guerra' trata de momento pouco conhecido da 2ª Guerra - Cultura - Estadão

Filme da Netflix mostra como europeus tentaram evitar o conflito

22/01/2022 05:30:00

'Munique: No Limite da Guerra' trata de momento pouco conhecido da 2ª Guerra - via EstadaoCultura

Filme da Netflix mostra como europeus tentaram evitar o conflito

1917, o ator britânico interpretou um soldado encarregado de transmitir uma mensagem de que uma ofensiva prestes a ser lançada estava fadada ao fracasso.EmMunique: No Limite da Guerra, o ano é 1938 e o cenário é Londres, depois Munique. Mas MacKay está novamente trazendo comunicações urgentes que às vezes o fazem correr pelas ruas da cidade - como entregar ao primeiro-ministro Neville Chamberlain (Jeremy Irons) notícias das últimas ações da Alemanha contra a Checoslováquia.

Consulte Mais informação: Estadão 🗞️ »

Os ineditismos da eleição de Gustavo Petro, na Colômbia

Gustavo Petro é o primeiro candidato de esquerda a ser eleito presidente colombiano. Já Francia Márquez foi eleita vice-presidente, a primeira mulher negra a ocupar o cargo. Estes são alguns dos ineditismos elencados por Ariel Palacios, nos resultados da última eleição na Colômbia. O comentarista ainda fala sobre as principais propostas e as expectativas para o governo do presidente eleito. Consulte Mais informação >>

Cultura Um filme interessante. Atores ótimos.

A guerra de Abraham Weintraub contra o 'senso incomum' do bolsonarismo | Ancelmo - O GloboO ex-ministro Abraham Weintraub, agora um oponente do bolsonarismo, entrou com uma ação contra o jornalista Flávio Azambuja Martins.Trata-se do do... Ancelmocom Ancelmocom Ancelmocom Tudo isso é para ficar na Mídia, esse é um ano de eleição : 2022. Esses senhores vão fazer de tudo para aparecer - até pintar o busaanfan de vermelho.

Base bolsonarista está 'em pé de guerra'Bernardo Mello Franco avalia que ressentimentos começaram a vir à tona após o ideólogo Olavo de Carvalho disparar críticas contra o presidente e seu governo. Desde então, ex-ministros próximos a Olavo, como Abraham Weintraub e Ernesto Araújo, também têm incomodado o Planalto. Bernardo destaca, ainda, que por trás da 'briga pública', há também uma disputa pelas candidaturas aos governos estaduais e ao Senado. BernardoMF Fonte: vozes do alem. Vocês não aprendem! Por isso não tem nenhuma credibilidade mais. BernardoMF O ':MITO' derretendo! BernardoMF

Avião da Segunda Guerra Mundial é encontrado na Índia 77 anos depois - ISTOÉ IndependenteUm avião desaparecido da Segunda Guerra Mundial foi encontrado em uma área remota do Himalaia na Índia quase 80 anos depois de seu acidente após uma busca complicada na qual morreram três guias. A nave de transporte C-46, que decolou de Kunming (sul da China) ,voava com 13 pessoas a bordo quando desapareceu em meio […]

Avião da 2ª Guerra Mundial é encontrado na Índia após 77 anosDestroços da aeronave C-46 estavam em uma montanha coberta de neve no Himalaia. Três guias morreram durante as buscas, que levaram meses.

Rússia x Ucrânia: por que possível invasão faz temor de guerra na Europa ser maior em décadas - BBC News BrasilHá um medo real na Europa de que o continente possa estar em uma espiral em direção à sua pior crise de segurança em décadas A guerra é apenas um bom negócio Puro alarmismo! Olha só, os EUA financiaram movimentos radicais nazistas na Ucrânia e a crise política no Cazaquistão. Estão causando instabilidades e conflitos naquela região por uma boa causa, afinal tudo que os EUA fazem é bom e com as melhores intenções. Apenas confiem 🇺🇲 Só vai. Só desejo que a Rússia bote pra arrepiar na investida. Pra cima desses imperialistas safados, Moscow!

Espanha envia navios de guerra para o Mar Negro após aumento da tensão na região | CNN BrasilEspanha envia navios de guerra para o Mar Negro após aumento da tensão na região. 'A Rússia não pode dizer a nenhum país o que fazer', disse ministra da Defesa do país. Dinamarca, França e Alemanha, além dos EUA e Rússia, também se movimentam WWIII Em plena pandemia , movimentado pelo lobby das armas, os senhores das guerras querem sangue e mortes. Além de levar insegurança para a economia planetária. The blessed dreams of Muhammad Qasim Ibn Abdul Karim are important for Muslims & Islam. People across the world have witnessed their own dreams and visions telling them that Muhammad Qasim’s dreams are true. Is he Imam Al-Mahdi? Here is an opinion

, ele estava a toda velocidade em um campo de batalha da Primeira Guerra Mundial. Em 1917 , o ator britânico interpretou um soldado encarregado de transmitir uma mensagem de que uma ofensiva prestes a ser lançada estava fadada ao fracasso. Em Munique: No Limite da Guerra , o ano é 1938 e o cenário é Londres, depois Munique. Mas MacKay está novamente trazendo comunicações urgentes que às vezes o fazem correr pelas ruas da cidade - como entregar ao primeiro-ministro Neville Chamberlain (Jeremy Irons) notícias das últimas ações da Alemanha contra a Checoslováquia. Ainda não estamos imersos na confusão da guerra, como em 1917 , mas estamos preparados para seu prelúdio. No papel de Hugh Legat, MacKay interpreta um recém-formado em Oxford e secretário particular de Chamberlain. Ao redor de Londres, Legat observa os sinais ameaçadores de uma tempestade que se aproxima, enquanto testemunha o funcionamento íntimo de um primeiro-ministro manobrando para manter Hitler sob controle. O tempo avançou duas décadas, mas MacKay é novamente um ator em um grande drama, desesperado para evitar uma catástrofe inevitável. O filme, disponível na Netflix, é dirigido por Christian Schwochow e adaptado do livro de Robert Harris, de 2017. O romance histórico foi baseado em fatos, mas traz inventou um punhado de personagens imaginários que giram em torno de Chamberlain e Hitler. Legat é uma dessas invenções, como seu colega de faculdade, Paul (Jannis Niewöhner), um alemão que agora trabalha no Ministério das Relações Exteriores de seu país, mas furtivamente tenta sabotar a ascensão de Hitler (Ulrich Matthes). Com uma bela reconstituição da época, Munique – No Limite da Guerra  é um thriller histórico cativante e fácil de se assistir, com personagens fictícios como espiões em torno de líderes políticos em um momento profundamente tenso e lamentavelmente mal interpretado. É um momento muitas vezes visto com vergonha. Hitler está se preparando para invadir os Sudetos, cadeia de montanhas com população majoritariamente alemã no oeste da Checoslováquia. A Europa está tentando avaliar o alcance total das ambições de Hitler, e rezando para que isso não signifique outra guerra. Se aquela região checa for concedida à Alemanha, isso vai acalmá-lo e evitará mais derramamento de sangue em todo o continente? Nós, é claro, sabemos a resposta a essa pergunta, e isso rouba do filme um pouco de seu drama. Também lhe dá uma pungência comovente: lutar pela paz vale a pena, sugere “Munique”, mesmo quando é uma causa condenada. Mas também é um momento estranho para comemorar o apaziguamento dos fascistas. O legado geralmente aceito do Acordo de Munique é que Chamberlain estava fatalmente errado quando ele, ao desembarcar na Grã-Bretanha depois de garantir uma promessa de Hitler, anunciou “paz em nosso tempo” para o aplauso de uma multidão. A melhor justificativa para o Acordo de Munique é que ele deu tempo para a Grã-Bretanha e outros construírem suas defesas para a guerra que começaria imediatamente um ano depois. Mas abriu a porta para a conquista de Hitler. “Munique” seria mais bem fundamentado – e mais oportuno – se gastasse menos esforço para honrar as nobres esperanças de Chamberlain e mais tempo examinando por que ele, a Grã-Bretanha e a Europa não estavam mais atentos ao perigo claro e presente. A ironia é que os momentos mais eficazes de “Munique” são as cenas entre Legat e Chamberlain. Detalhes como a vida familiar de Legat, a conversão de Paul de patriota a radical e o próprio Hitler, são esboçados de forma tênue e às vezes desajeitada – uma pena porque Niewöhner é o destaque do filme. Todas as mulheres do filme – incluindo a esposa de Legat (Jessica Brown Findlay), sua amiga judia da faculdade (Liv Lisa Fries) e a colega conspiradora de Paul (Sandra Hüller, de “Toni Erdmann”) – são subutilizadas. Mas o retrato simpático do primeiro-ministro, extraído do livro de Harris, é bem interpretado por Irons. E o estado de alerta de MacKay mantém “Munique” no limite. Há uma terna consideração em suas conversas sobre manter os princípios diante do totalitarismo. Claro, um brinde à honra cavalheiresca. Mas como Chamberlain, “Munique” perde o momento. Tudo o que sabemos sobre: