Moraes manda Bolsonaro prestar depoimento pessoalmente na PF na sexta-feira sobre vazamento de documentos

28/01/2022 07:01:00

Moraes manda Bolsonaro prestar depoimento pessoalmente na PF na sexta-feira sobre vazamento de documentos

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou que o presidente Jair Bolsonaro compareça pessoalmente à Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal na sexta-feira, às 14h, para prestar depoimento sobre suspeita de vazamento de documentos sigilosos de uma investigação da PF.

A decisao do ministro foi em resposta a um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) para que Bolsonaro não comparecesse ao depoimento, cujo prazo venceria na sexta-feira. O presidente teria a prerrogativa de escolher data, horário e local para o interrogatório, mas a AGU apenas apresentou, na véspera do fim do prazo, um pedido de dispensa. Por isso, Moraes negou o pedido e determinou o comparecimento pessoal à PF para o depoimento.

Consulte Mais informação: Jornal Extra »

Carlos Andreazza: 'Acordo pela omissão significa adiar a CPI do MEC para nunca mais.'

No CBN Em Foco, você acompanha uma análise aprofundada dos temas que dominam o noticiário. Um programa que tem a proposta de separar os fatos da espuma. Com ... Consulte Mais informação >>

Kkkkkkk ele adora o maior líder da america latina Manda quem acha que pode; obedece quem faz de conta que não tem a caneta BIC mais poderosa da Nação em suas mãos. BolsonaroAte2026 jairbolsonaro quero ver vc ser macho mesmo e não ir. Se for é mariquinha, mulherzinha e peitinho de moça. Bolsonaro internado em 3, 2, 1...

Moraes manda Bolsonaro prestar depoimento pessoalmente na PF na sexta-feira sobre vazamento de documentosMinistro do STF escreveu que AGU deixou de indicar o dia, horário e local para o interrogatório do presidente o mito vai incitar mais ódio contra o stf ou vai arregar? Vai dizer que tá com dor no útero e não vai Acabou a lua de mel

Entrevista de Bolsonaro é incluída por Moraes em inquérito sobre interferência na PF | O AntagonistaÀ Gazeta do Povo, presidente demonstrou irritação por Sergio Moro não ter avançado sobre Receita e Coaf para frear investigações sobre Flávio e Michelle Bolsonaro. MoroVenceBolsoLula Dos mesmos produtores de: 'Moro o Juiz Ladrão que Amo' ,JornalOGlobo,VEJA ,Estadao Vem aí a melhor comédia de 2022!! 🦆🤡 *By:AirRoute67

Moraes determina que Bolsonaro preste depoimento na PF nesta sextaMinistro do STF escreveu que AGU deixou de indicar o dia, horário e local para o interrogatório do presidente Coloca no cool dele com areia Moraes. Sem dó! Pra vê se esse FDP se lasca . JB 2022 ABRAÇO

Moraes manda Bolsonaro depor amanhã sobre vazamento de inquérito sigilosoO ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou hoje que o presidente Jair Com Xandao não se brinca sr bozo.. “Bolsonaro libera aumento de 33% para piso de professores Valor sobe de R$ 2.886,24 para R$ 3.845,34. O que os militantes esquerdistas travestidos de professores dirão? Jair Bolsonaro, quer goste ou não, está mudando o Brasil.” Não tem como NÃO amar esse presidente!!!!

Moraes determina que Bolsonaro preste depoimento sobre vazamento de inquérito | O AntagonistaO depoimento será nesta sexta-feira (28), às 14h, na sede da Polícia Federal em Brasília. Ministro do STF negou pedido do presidente para abrir mão de depor. Dos mesmos produtores de: 'Moro o Juiz Ladrão que Amo' ,JornalOGlobo,VEJA ,Estadao Vem aí a melhor comédia de 2022!! 🦆🤡 *By:AirRoute67 P F - Polícia FRIENDeral ou PF - Polícia Federal? Moro2022

AGU diz que vai responder no STF ordem de Moraes contra Bolsonaro | RadarAGU diz que vai responder no STF ordem de Moraes para que Bolsonaro preste depoimento (via radaronline) radaronline Bolsonarogenocida radaronline Por isso eu digo que nosso exército tbm é corrupto não precisa da golpe só basta devolver o Brasil aos brasileiros

A O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou que o presidente Jair Bolsonaro compareça pessoalmente à Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal na sexta-feira, às 14h, para prestar depoimento sobre suspeita de vazamento de documentos sigilosos de uma investigação da PF.PUBLICIDADE BRASÍLIA — O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou que o presidente Jair Bolsonaro compareça pessoalmente à Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal na sexta-feira, às 14h, para prestar depoimento sobre suspeita de vazamento de documentos sigilosos de uma investigação da PF.× Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil Uma entrevista em que Jair Bolsonaro admite ter praticado ingerência política em órgãos de controle poderá ser usada por investigadores no inquérito que apura suposta interferência do presidente na Polícia Federal.E continuamos com o conteúdo de qualidade.

A decisao do ministro foi em resposta a um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) para que Bolsonaro não comparecesse ao depoimento, cujo prazo venceria na sexta-feira. O presidente teria a prerrogativa de escolher data, horário e local para o interrogatório, mas a AGU apenas apresentou, na véspera do fim do prazo, um pedido de dispensa. O presidente teria a prerrogativa de escolher data, horário e local para o interrogatório, mas a AGU apenas apresentou, na véspera do fim do prazo, um pedido de dispensa. Por isso, Moraes negou o pedido e determinou o comparecimento pessoal à PF para o depoimento. a reportagem de Ana Viriato na Crusoé ; assine a revista e apoie o jornalismo independente. "Em momento algum, a imprescindibilidade do absoluto respeito ao direito ao silêncio e ao privilégio da não autoincrimnação constitui obstáculo intransponível à obrigatoriedade de participação dos investigados nos legítimos atos de persecução penal estatal ou mesmo uma autorização para que possam ditar a realização de atos procedimentais ou o encerramento da investigação, sem o respeito ao devido processo legal", escreveu Moraes. "Em momento algum, a imprescindibilidade do absoluto respeito ao direito ao silêncio e ao privilégio da não autoincrimnação constitui obstáculo intransponível à obrigatoriedade de participação dos investigados nos legítimos atos de persecução penal estatal ou mesmo uma autorização para que possam ditar a realização de atos procedimentais ou o encerramento da investigação, sem o respeito ao devido processo legal", escreveu Moraes. Prosseguiu o ministro: "Em uma República, o investigado - qualquer que seja ele - está normalmente sujeito ao alcance dos poderes compulsórios do Estado necessários para assegurar a confiabilidade da evidência, podendo, se preciso, submeter-se à busca de sua pessoa ou propriedade, dar suas impressões digitais quando autorizado em lei e ser intimado para interrogatório".

Segundo Moraes, embora a lei preveja que caberá ao investigado escolher o "direito de falar no momento adequado" ou o "direito ao silêncio parcial ou total", "não é o investigado que decidirá prévia e genericamente pela possibilidade ou não da realização de atos procedimentais ou processuais durante a investigação criminal ou a instrução processual penal". Segundo Moraes, embora a lei preveja que caberá ao investigado escolher o"direito de falar no momento adequado" ou o"direito ao silêncio parcial ou total","não é o investigado que decidirá prévia e genericamente pela possibilidade ou não da realização de atos procedimentais ou processuais durante a investigação criminal ou a instrução processual penal". Esse inquérito foi aberto para apurar a suspeita de vazamento de documentos sigilosos de uma investigação da PF a respeito de ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O inquérito foi aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e tramita sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes. O inquérito foi aberto pelo Supremo e tramita sob relatoria de Moraes. Bolsonaro divulgou os documentos em sua rede social e também durante uma transmissão ao vivo na qual divulgou informações falsas a respeito da confiabilidade das urnas eletrônicas. O presidente, então, mostrou documentos de uma investigação da PF sobre ataque ao TSE, mas que não tinha nenhuma relação com as urnas eletrônicas. O presidente, então, mostrou documentos de uma investigação da PF sobre ataque ao TSE, mas que não tinha nenhuma relação com as urnas eletrônicas.

O deputado bolsonarista Filipe Barros (PSL-PR), que participou da live, também é investigado. A divulgação de documentos sigilosos constitui crime, por isso o STF abriu inquérito para apurar a conduta do presidente. A divulgação de documentos sigilosos constitui crime, por isso o STF abriu inquérito para apurar a conduta do presidente. O depoimento de Bolsonaro é uma das últimas diligências pendentes para a PF concluir a investigação. Em novembro, Bolsonaro prestou depoimento em um outro inquérito, sobre suspeita de interferência indevida na Polícia Federal. Na sua petição, a AGU também pediu o arquivamento do inquérito e citou trechos do depoimento do delegado Victor Campos, que era responsável pela investigação sobre o ataque hacker ao TSE. Neste caso, ele foi ouvido no próprio Palácio do Planalto pela equipe da corporação.

Inicialmente, Bolsonaro também tentou ser dispensado do depoimento, mas mudou de posicionamento e concordou em ser ouvido pela PF. Em novembro, Bolsonaro prestou depoimento em um outro inquérito, sobre suspeita de interferência indevida na Polícia Federal. Receba a newsletter do Extra Cadastrar .