Ministro Moraes intima Bolsonaro a prestar depoimento

28/01/2022 01:14:00

Moraes intima Bolsonaro a depor sobre vazamento

Moraes intima Bolsonaro a depor sobre vazamento

Inquérito foi aberto em agosto do ano passado, depois que presidente divulgou em suas redes sociais a íntegra de investigação da PF que tramitava em segredo de Justiça

No despacho, o ministro do STF apontou que o presidente teve 60 dias para agendar seu depoimento, mas não o fez – o prazo terminava nessa sexta-feira (28). Assim, Moraes determinou que ele seja ouvido, presencialmente, na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal no Distrito Federal. O depoimento foi agendado para as 14h.

Magistrado determina que, após interrogatório a Bolsonaro, a PF deve prosseguir para a "imediata conclusão" da investigação. — Foto: Cristiano Mariz/Agência O GloboO magistrado também determinou que, após a realização do interrogatório, a PF deve prosseguir para a "imediata conclusão" da investigação.

Consulte Mais informação:
Valor Econômico »

Eleitores de Bolsonaro e Lula protagonizam briga generalizada na Tijuca após apuração; vídeo

Homens trocaram socos e atiraram pedras e até rojão uns contra os outros na Praça Xavier de Brito Consulte Mais informação >>

Tomara que o ministro AM se lembre dessa manifestação. O STF é a maior VERGONHA DO BRASIL Pago pra ver Toma, vagabundo! Jair Inácio Messias Lula Bolsonaro da Silva

Moraes determina que Bolsonaro preste depoimento sobre vazamento de inquérito | O AntagonistaO depoimento será nesta sexta-feira (28), às 14h, na sede da Polícia Federal em Brasília. Ministro do STF negou pedido do presidente para abrir mão de depor. Dos mesmos produtores de: 'Moro o Juiz Ladrão que Amo' ,JornalOGlobo,VEJA ,Estadao Vem aí a melhor comédia de 2022!! 🦆🤡 *By:AirRoute67 P F - Polícia FRIENDeral ou PF - Polícia Federal? Moro2022

Moraes determina que Bolsonaro preste depoimento sobre vazamento de inquérito sigiloso | CNN BrasilO ministro Alexandre de Moraes, do STF, negou um pedido do presidente Jair Bolsonaro (PL) para não prestar depoimento no inquérito que apura o vazamento de documentos sigilosos e determinou que a PF colha depoimento do presidente nesta sexta (28) Magoou Ué?🤔 Mas e o tal 'acordo' q o 🤡 'impôs' ao Xandão e ao STF em 08/09/2021 p/ não decretar o tal 'Estado de Sítio' 🤷🏻‍♂️🤦🏻‍♂️ 🤡, a piada q não tem fim... 😂👉👉 A futura residência dele

Entrevista de Bolsonaro é incluída por Moraes em inquérito sobre interferência na PF | O AntagonistaÀ Gazeta do Povo, presidente demonstrou irritação por Sergio Moro não ter avançado sobre Receita e Coaf para frear investigações sobre Flávio e Michelle Bolsonaro. MoroVenceBolsoLula Dos mesmos produtores de: 'Moro o Juiz Ladrão que Amo' ,JornalOGlobo,VEJA ,Estadao Vem aí a melhor comédia de 2022!! 🦆🤡 *By:AirRoute67

Moraes manda Bolsonaro depor amanhã sobre vazamento de inquérito sigilosoO ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou hoje que o presidente Jair Com Xandao não se brinca sr bozo.. “Bolsonaro libera aumento de 33% para piso de professores Valor sobe de R$ 2.886,24 para R$ 3.845,34. O que os militantes esquerdistas travestidos de professores dirão? Jair Bolsonaro, quer goste ou não, está mudando o Brasil.” Não tem como NÃO amar esse presidente!!!!

É guerra! Moraes manda Bolsonaro ir até a PF depor nesta sexta | RadarO presidente poderia ter marcado data e hora para falar aos delegados que investigam o vazamento de um inquérito sigiloso, mas não o fez radaronline Essa novela parece do SBT, não acaba radaronline Bolsonaro: mande Alexandre de Moraes etc tnc!!! radaronline Hoje ele come camarão pra amanhã já ir pro hospital

É guerra! Moraes manda Bolsonaro ir até a PF depor nesta sexta | RadarO presidente poderia ter marcado data e hora para falar aos delegados que investigam o vazamento de um inquérito sigiloso, mas não o fez radaronline Essa novela parece do SBT, não acaba radaronline Bolsonaro: mande Alexandre de Moraes etc tnc!!! radaronline Hoje ele come camarão pra amanhã já ir pro hospital

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), intimou o presidente Jair Bolsonaro (PL) a prestar depoimento nessa sexta-feira (28) sobre o suposto vazamento de documentos.inquérito do ataque hacker ao TSE .27/01/2022 às 18:42 | Atualizado 27/01/2022 às 18:47 Compartilhe: Ouvir notícia O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou, nesta quinta-feira (27), um pedido do presidente Jair Bolsonaro (PL) para não prestar depoimento no inquérito que apura o vazamento de documentos sigilosos.× Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil Uma entrevista em que Jair Bolsonaro admite ter praticado ingerência política em órgãos de controle poderá ser usada por investigadores no inquérito que apura suposta interferência do presidente na Polícia Federal.

Ele negou um pedido apresentado pela Advocacia-Geral da União (AGU) para que o mandatário fosse liberado da oitiva. No despacho, o ministro do STF apontou que o presidente teve 60 dias para agendar seu depoimento, mas não o fez – o prazo terminava nessa sexta-feira (28). Moraes também retirou o sigilo da investigação e determinou que, após o interrogatório, a PF conclua o inquérito. Assim, Moraes determinou que ele seja ouvido, presencialmente, na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal no Distrito Federal. “Não tendo o Presidente da República indicado local, dia e horário para a realização de seu interrogatório no prazo fixado de 60 (sessenta) dias, determino sua intimação, por intermédio da AGU (conforme solicitado no item “V-v” de sua petição), para que compareça no dia 28/1/2022, às 14h00, para prestar depoimento pessoal, na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal no Distrito Federal”, estabeleceu Moraes. O depoimento foi agendado para as 14h. Mais do que isso, o direito do acusado em manifestar-se livremente e em ser ouvido no momento processual adequado é intrínseco à natureza do julgamento, cujo principal propósito é justificar o veredicto final para o próprio acusado, como resultado legal justamente obtido, concedendo-lhe o respeito e a consideração que qualquer cidadão merece” , disse Moraes. Magistrado determina que, após interrogatório a Bolsonaro, a PF deve prosseguir para a "imediata conclusão" da investigação.

— Foto: Cristiano Mariz/Agência O Globo O magistrado também determinou que, após a realização do interrogatório, a PF deve prosseguir para a "imediata conclusão" da investigação. O inquérito foi aberto em agosto do ano passado, depois que Bolsonaro divulgou em suas redes sociais a íntegra de uma investigação da PF que tramitava em segredo de Justiça – e que trata de um ataque hacker aos sistemas internos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Como esse inquérito ainda não foi concluído, o presidente, como servidor público, tem o dever legal de proteger os dados. Porém, Bolsonaro os utilizou para tentar desacreditar a confiabilidade das urnas eletrônicas, embora não tenha havido prejuízos à votação. Na decisão, Moraes apontou que, em 29 de novembro, ao verificar "a pertinência da inquirição do presidente da República para o completo esclarecimento dos fatos investigados", ele determinou que a PF colhesse o depoimento de Bolsonaro no prazo de 15 dias.

Relatou que o presidente "tomou ciência da decisão e, concordando com sua oitiva", pediu um prazo adicional de 60 dias para a realização do interrogatório. O ministro contou, então, que determinou a prorrogação do prazo em mais 45 dias, resultando no total de 60 dias pedidos por Bolsonaro. "Ocorre, entretanto, que no dia anterior ao vencimento do prazo de 60 (sessenta dias) para que o presidente da República indicasse local, dia e horário para a realização de sua oitiva, a AGU protocolou nova petição, onde, alterando anterior posicionamento do investigado, deixará não só de indicar local, dia e horário para sua oitiva, mas também de realizar o interrogatório", escreveu. Ele destacou que o presidente tem o direito de permanecer em silêncio, mas não pode deixar de comparecer ao depoimento. "Dessa maneira, será o investigado quem escolherá o 'direito de falar no momento adequado' ou o 'direito ao silêncio parcial ou total'; mas não é o investigado que decidirá prévia e genericamente pela possibilidade ou não da realização de atos procedimentais ou processuais durante a investigação criminal ou a instrução processual penal", afirmou.

.