'Me disseram que eu tinha morrido': as histórias da primeira vacinada contra covid no Brasil - BBC News Brasil

'Me disseram que eu tinha morrido': as histórias da primeira vacinada contra covid no Brasil

17/01/2022 04:07:00

'Me disseram que eu tinha morrido': as histórias da primeira vacinada contra covid no Brasil

Passado um ano desde que a vacinação contra o coronavírus começou no país, a enfermeira Mônica Calazans relembra os detalhes daquele dia e reflete como sua vida mudou nesses últimos 12 meses.

Logo depois de falar com a diretora, Calazans desceu até o Centro de Convenções Rebouças, que fica bem próximo do Emílio Ribas. Ali seria local onde as primeiras doses de CoronaVac seriam aplicadas nos profissionais de saúde.

, na Folha de S.Paulo.Assim que recebeu a vacina no braço, Calazans diz que sentiu-se aliviada e vitoriosa.Governo do Estado de São Paulo"Eu sou mulher, mãe solo, negra, enfermeira e trabalho no SUS [Sistema Único de Saúde] desde 1985. De certa maneira, eu represento a força, o engajamento e o comprometimento de muita gente", avalia.

Consulte Mais informação: BBC News Brasil »

Frio no Sul: Serra de Santa Catarina tem 1º registro de neve de 2022; veja imagens - Brasil - Estadão

Serviço meteorológico publicou alerta sobre risco de ciclone nos litorais catarinense e do Rio Grande do Sul; massa de ar polar avança em direção ao Sudeste e o Centro-Oeste Consulte Mais informação >>

Tá bem viva né!!!! Quanta ignorância.... pois é.mas cuidado pq a vacina não imuniza e tbem não evita a transmissão As que morreram a divulgação inexistiu. Claro, por parte da mídia tradicional 👍 MORREU SIM!!!! Eu vi no grupo do Telegram... Tinha que ser É um clone Bullshit.. Eu também quase morri só que estava sozinho, pra minha sorte não tive ninguém por perto querendo me ajudar dizendo que eu já estava morto.

Belíssima matéria. Parabéns BBC.. Portanto eu trarei sobre os humanos um duro tratamento,Trarei sobre eles o que eles mais temem.Porquanto Eu chamei,e ninguém sequer esboçou resposta ; preguei e ninguém deu ouvidos.Praticaram o mal diante da minha pessoa e escolheram fazer tudo quanto me desagrada profundamente!”

O enigma do efeito mais grave da ômicron nos EUA - BBC News BrasilPara especialistas entrevistados pela BBC, os EUA parecem viver uma “tempestade perfeita” da pandemia, com menos pessoas vacinadas, equipes de saúde exaustas, inverno, presença da variante delta (mais grave) enquanto a ômicron se espalha rapidamente, dificuldades de acesso a unidades de saúde e uma população com níveis alarmantes de obesidade e hipertensão. Eu disse que vocês morrerão em seus pecados se vocês não crerem que Eu Sou, de fato morrerão em seus pecados'.Eu Sou o que vive;estive morto, mas eis que estou vivo por toda a eternidade! 'Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai,a não ser por mim. EU SOU O ÚLTIMO Americanos vão passar muitos dissabores com Biden! É só o começo! Pena que aqueles que não votaram nele tbm serão penalizados! Biden tá fazendo um ótimo trabalho. sqn

Os dados que mostram a importância da vacinação contra covid para grávidas - BBC News BrasilInformações coletadas em mais de um ano desde o início das imunizações confirmam que vacinas são seguras e eficazes para proteger gestantes contra covid, doença que traz enormes riscos para grávidas e puérperas. ⛔ Vacinas da AstraZeneca e Janssen têm possível novo efeito colateral descoberto. Especialista é meu ovo esquerdo NÃO. A 'VACINA' É EXPERIMENTAL. E HÁ INÚMEROS CASOS DE EFEITOS COLATERAIS. E 'ESPECIALISTA' É A PQP! OS MESMOS NÃO VÃO SE RESPONSABILIZAR EM CASOS DE ÓBITOS.

Freddie Figgers, o inventor milionário que foi 'jogado no lixo' quando bebê - BBC News BrasilFreddie foi encontrado quando era recém-nascido abandonado próximo a um grande contêiner de lixo na zona rural da Flórida A família que o acolheu deu a ele o sentido da vida. MoniqueMsr única história desse tipo que gostei de ler. Parece muito sincera e humana. Diferente das histórias exageradas de sucesso pelo capital. MassimodiCugno

A verdade sobre supostos pesadelos causados por comer queijo antes de dormir - BBC News BrasilO queijo tem fama de induzir pesadelos ou sonhos intensos quando consumido tarde da noite. Mas isso tem alguma comprovação? Eu disse que vocês morrerão em seus pecados se vocês não crerem que Eu Sou, de fato morrerão em seus pecados'.Eu Sou o que vive;estive morto, mas eis que estou vivo por toda a eternidade! “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos.'eu sou o principio e o fim... a garotada adora enfiar um SUPOSTO até mesmo quando não cabe como é o caso dessa manchete. Não tem um jornalista experiente pra ensiná-los ? lasaroccunha Acho que em 2021 jogos do Galo não ajudaram muita gnt a dormir melhor, não?

'Como anos de pílula anticoncepcional me trouxeram depressão e ataques de pânico' - BBC News BrasilMilhares de mulheres não têm nenhum problema com a pílula, mas algumas afirmam que medicamento tem efeito devastador; Vicky Spratt é uma delas - e contou sua experiência para a BBC. e a galera acha que o problema é a vacina pra covid kkkk! anticoncepcional é um veneno Desculpe, mas na matéria fala que a menina teria câncer cervical (?) se tivesse relação sexual sem proteção. Não foi traduzido errado não?

4 perguntas para entender escândalo que ameaça premiê britânico Boris Johnson - BBC News BrasilRevelação das festas que ocorreram nos momentos mais difíceis da pandemia, enquanto a maioria dos cidadãos britânicos não podia promover encontros ou estar com suas famílias, causou 'raiva e tristeza' no país. Bebedeira! OS BANQUEIROS E GRANDES EMPRESÁRIOS APROPRIARAM DO PETRÓLEO DOS BRASILEIROS, ESTES CANALHAS TIRAM UM BARRIL DE PETRÓLEO O R$ 50,00 E DEPOIS VENDEM PARA NÓS MESMO BRASILEIROS R$ 477,99 ESTES EMPRESÁRIOS ROUBANDO NOSSO PETRÓLEO...NACIONAL.. OS BANQUEIROS E GRANDES EMPRESÁRIOS APROPRIARAM DO PETRÓLEO DOS BRASILEIROS, ESTES CANALHAS TIRAM UM BARRIL DE PETRÓLEO O R$ 50,00 E DEPOIS VENDEM PARA NÓS MESMO BRASILEIROS R$ 477,99 ESTES EMPRESÁRIOS ROUBANDO NOSSO PETRÓLEO...NACIONAL..

A equipe da BBC News Brasil lê para você algumas de suas melhores reportagens Episódios Fim do Podcast Se aprovadas, essas seriam as primeiras vacinas contra a covid-19 a ficarem disponíveis no país. Até aquele momento, a doença já havia matado 210 mil brasileiros. Logo depois de falar com a diretora, Calazans desceu até o Centro de Convenções Rebouças, que fica bem próximo do Emílio Ribas. Ali seria local onde as primeiras doses de CoronaVac seriam aplicadas nos profissionais de saúde. Por volta das 15 horas, saiu o resultado: a Anvisa tinha aprovado as vacinas. "Eu estava sentada no auditório do centro de convenções quando vi uma foto minha numa reportagem com a manchete: 'Enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, é a primeira vacinada contra a covid no Brasil'", relata. A notícia , na Folha de S.Paulo. "De repente, comecei a ouvir: 'Cadê a Mônica? Cadê a Mônica?", continua. A enfermeira garante que não tinha a menor ideia de que seria a primeira brasileira vacinada contra a covid-19. "Você acha mesmo que, se eu soubesse que apareceria em rede nacional e internacional, não iria me produzir um pouquinho mais, passar um batom, retocar a maquiagem e trocar de roupa?", brinca. Assim que recebeu a vacina no braço, Calazans diz que sentiu-se aliviada e vitoriosa. "Naquele momento, eu entendi que era dado o pontapé inicial para controlar uma doença tão terrível e avassaladora. Finalmente tínhamos uma solução para proteger as pessoas", entende. "Eu ergui e cerrei meu punho porque senti que era um momento de vitória", complementa. Crédito, Governo do Estado de São Paulo Legenda da foto, Logo após receber a primeira dose, Calazans diz que sentiu-se aliviada e vitoriosa Passado um ano desde aquele dia, a profissional da saúde entende que a escolha dela como a primeira brasileira a receber o imunizante foi cercada de significados. "Eu sou mulher, mãe solo, negra, enfermeira e trabalho no SUS [Sistema Único de Saúde] desde 1985. De certa maneira, eu represento a força, o engajamento e o comprometimento de muita gente", avalia. O dia seguinte Calazans confessa que não conseguiu trabalhar no dia 18 de janeiro de 2021. "Das 6 horas da manhã até às 9h da noite eu dei entrevistas. Todo mundo queria saber como era a minha rotina", conta. "E, pra ser sincera, minha vida só mudou no aspecto da visibilidade. Eu continuo trabalhando em dois empregos, cuido da minha casa, pego transporte público, faço a janta…" Mesmo que a rotina dela tenha sido pouco alterada nesses 12 meses após se tornar a primeira vacinada do Brasil, o ano de 2022 promete mudanças: no dia 5 de janeiro, o portal G1 noticiou que a enfermeira se filiou ao partido MDB e é pré-candidata a deputada federal nas próximas eleições, marcadas para outubro. Questionada pela BBC News Brasil sobre os projetos na política, Calazans não quis dar muitos detalhes. Ela comentou apenas que "em breve, terá informações". Voltando ao dia 17 e 18 de janeiro de 2021, a enfermeira acha que esse interesse da imprensa e da população em saber mais sobre ela também tem a ver com uma curiosidade natural sobre os efeitos da vacina. "Existia uma preocupação muito grande das pessoas se poderia acontecer alguma reação adversa ou se eu estava me sentindo mal", diz. Crédito, Divulgação/TV Brasil Legenda da foto, Na imagem, o médico Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa, faz as considerações finais na reunião do dia 17 de janeiro de 2021, que marcou a aprovação das vacinas CoronaVac e da AstraZeneca no país Foi justamente nesse momento que começaram a surgir as notícias falsas sobre o estado de saúde dela em aplicativos de mensagens e redes sociais. "Disseram pra mim mesma que eu tinha morrido após a vacina", conta. "Até comentei com a minha mãe que estava com medo de andar na rua e o povo me dar paulada, achando que era um fantasma", se recorda. Desse período, Calazans lembra de uma história específica que envolveu um motorista de aplicativo. "Eu estava de máscara e vestida de branco, com a roupa do trabalho. O motorista percebeu que sou profissional da saúde e comentou: 'Sabe aquela mulher que tomou a vacina contra a covid? Coitada, ela está muito ruim, internada no hospital e tudo. Por que ela foi fazer isso? Não deveria ter tomado'", relata. A enfermeira conta que ficou só escutando toda a história até chegar ao destino. "Quando fui sair do carro, tirei rapidamente a máscara e falei: 'Sabe a primeira mulher vacinada que você diz estar mal? Sou eu mesma!", relata. "Ele congelou, não sabia como reagir", completa. Calazans sabe que o maior reconhecimento e a promoção como figura pública também trouxeram muitas responsabilidades. "Desde aquele dia, tenho que tomar muito cuidado com o que digo e com o que posto nas redes sociais. Tenho que levar informação e conscientizar as pessoas sobre a importância da vacinação para salvar vidas", destaca. A tormenta e a calmaria Logo após o início da vacinação contra a covid em janeiro de 2021, o Brasil viveu o seu pior momento da pandemia até agora. Entre os meses de fevereiro e junho, o país bateu recordes de casos e óbitos e testemunhou o colapso do sistema de saúde em muitas cidades. "A gente não dava vazão do tanto de pacientes que nos procuravam. Eu via os números aumentarem e pensava que daqui a pouco iria morrer todo mundo", confessa a enfermeira. "Mas, conforme a vacinação avançou, percebi que os casos foram diminuindo e saímos aos poucos daquele período mais difícil", observa. Crédito, Governo do Estado de São Paulo Legenda da foto, Calazans relata que ouviu muitas notícias falsas após ser vacinada. Algumas diziam que ela estava internada ou tinha morrido Com a queda nas infecções e nos óbitos por covid a partir do segundo semestre de 2021, Calazans diz que houve uma mudança no perfil dos pacientes que buscavam atendimento. "Aquelas pessoas com comorbidades que tinham receio de ir até as unidades de saúde reapareceram para cuidar melhor das outras doenças", diz a profissional da saúde, que também notou um aumento na chegada de pacientes com sintomas de infecções respiratórias nas últimas semanas. Experiências, aprendizados e projetos futuros Quando questionada pela reportagem da BBC News Brasil sobre a história que mais marcou sua trajetória desde o início da pandemia, Calazans traz a resposta na ponta da língua. "Posso ficar horas contando casos e mais casos, mas a primeira que me vem à mente aconteceu no dia 31 de dezembro de 2020", destaca. "Estava no Pronto Atendimento de São Mateus quando atendi um senhor com 68 anos que tinha sido diagnosticado com covid e precisava ser internado. Ele seria transferido para Parelheiros, na Zona Sul, do outro lado da cidade." Crédito, Arquivo pessoal Legenda da foto, Prestes a completar 56 anos, Calazans continua trabalhando nos dois serviços de saúde e deve ser candidata a deputada federal nas próximas eleições "Eu tive que colocá-lo na ambulância e dizer para o filho que ele não poderia ir junto. Imagina, separar uma família justo na virada do ano, uma data que a gente quer comemorar e estar próximo de quem amamos." A enfermeira lembra que, na correria do atendimento, acabou trocando contatos telefônicos com o filho do paciente. "Para minha surpresa, recebi uma mensagem no dia 17 de janeiro (data em que ela foi vacinada). O filho me escreveu que estava muito feliz em saber que a primeira pessoa vacinada tinha cuidado de seu pai e agradeceu, pois o homem tinha se recuperado depois de passar cinco dias no hospital", relata. Embora uma história ou outra fique marcada em sua memória, Calazans entende que a experiência de lidar diretamente com a maior pandemia do século trouxe uma série de lições. "Eu aprendi que é preciso ter mais empatia e sempre se colocar no lugar do outro", diz. "É necessário cuidar bem de todas as pessoas, porque um dia serei eu, ou alguém da minha família, que vai precisar desses mesmos cuidados." Sabia que a BBC está também no Telegram?