Mais de 30 milhões de doses da Janssen estão sem uso em depósito do governo - ISTOÉ Independente

O Brasil recebeu 41 milhões de doses do imunizante até dezembro, mas, de acordo com um informe técnico do Ministério da Saúde, publicado nesta quarta (26), apenas 9,2 milhões de doses chegaram aos estados e municípios.

27/01/2022 10:37:00

O Brasil recebeu 41 milhões de doses do imunizante até dezembro, mas, de acordo com um informe técnico do Ministério da Saúde, publicado nesta quarta (26), apenas 9,2 milhões de doses chegaram aos estados e municípios.

Quase 32 milhões de doses da vacina da Janssen contra a Covid-19 estão paradas em um galpão do Ministério da Saúde, em Guarulhos (SP). As informações são de uma reportagem do “Jornal Nacional”, da TV Globo. O Brasil recebeu 41 milhões de doses do imunizante até dezembro, sendo 38 milhões de um contrato de aquisição […]

27/01/22 - 04h33 - Atualizado em 27/01/22 - 04h36Quase 32 milhões de doses da vacina da Janssen contra a Covid-19 estão paradas em um galpão do Ministério da Saúde, em Guarulhos (SP). As informações são de uma reportagem do “Jornal Nacional”, da TV Globo.

O Brasil recebeu 41 milhões de doses do imunizante até dezembro, sendo 38 milhões de um contrato de aquisição da vacina, e outros 3 milhões de doação do governo dos Estados Unidos.Mas, de acordo com um informe técnico do Ministério da Saúde, publicado nesta quarta (26), apenas 9,2 milhões de doses chegaram aos estados e municípios. Em nota, a pasta informou que alguns estados solicitaram a suspensão do envio dos imunizantes devido à saturação da rede de frio, ou seja, dos freezers e geladeiras para armazenamento das doses. O ministério não informou quais foram esses estados.

Consulte Mais informação: Revista ISTOÉ »

'Estamos reféns do conluio das Forças Armadas com Bolsonaro e o centrão', reflete Francisco Bosco

No Estúdio CBN, o filósofo e escritor Francisco Bosco falou sobre o seu novo livro, 'Diálogo Possível: por uma reconstrução do debate público brasileiro'. Nas 490 páginas da obra, Bosco contextualiza a história da política brasileira e indica possíveis soluções para a democracia no país. Sobre a perspectiva em ano eleitoral, ele é categórico: 'estamos reféns do conluio das Forças Armadas com Bolsonaro e a parte do Congresso, conhecida como 'centrão'. Essas forças deixam o país sob estado de tensão'. Consulte Mais informação >>

É muita canalhice. cadeiaparaqueiroga ForaBolsonaroeSuaQuadrilha Governo da morte !

Da Redação 27/01/22 - 04h33 - Atualizado em 27/01/22 - 04h36 Quase 32 milhões de doses da vacina da Janssen contra a Covid-19 estão paradas em um galpão do Ministério da Saúde, em Guarulhos (SP). As informações são de uma reportagem do “Jornal Nacional”, da TV Globo. O Brasil recebeu 41 milhões de doses do imunizante até dezembro, sendo 38 milhões de um contrato de aquisição da vacina, e outros 3 milhões de doação do governo dos Estados Unidos. Mas, de acordo com um informe técnico do Ministério da Saúde, publicado nesta quarta (26), apenas 9,2 milhões de doses chegaram aos estados e municípios. Em nota, a pasta informou que alguns estados solicitaram a suspensão do envio dos imunizantes devido à saturação da rede de frio, ou seja, dos freezers e geladeiras para armazenamento das doses. O ministério não informou quais foram esses estados. Segundo a pasta, as 31,7 milhões de doses do imunizante estão armazenadas no centro de distribuição e podem ser prontamente distribuídas quando solicitadas. O JN ouviu o médico sanitarista Adriano Massuda, ex-secretário de Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, que criticou a gestão do governo federal em relação à coordenação do enfrentamento à pandemia. + O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022 “O ministério perdeu totalmente o protagonismo da coordenação nacional do sistema de saúde no enfrentamento dessa pandemia. O ministério fica numa postura passiva, de esperar a demanda vir dos estados e municípios, quando ele tem que monitorar a cobertura vacinal. Essas vacinas são elemento central para o enfrentamento da pandemia nesse momento”, diz Massuda. Saiba mais