'Lixo do mundo': o gigantesco cemitério de roupa usada no deserto do Atacama - BBC News Brasil

O gigantesco lixão de roupas usadas no deserto do Atacama

27/01/2022 21:59:00

O gigantesco lixão de roupas usadas no deserto do Atacama

Roupas descartadas por Estados Unidos, Europa e Ásia são enviadas ao Chile para serem revendidas.

Das 59 mil toneladas importadas todos os anos, grande parte (algo como 40 mil toneladas) não é vendida - acaba no lixo.Caminhões carregados com fardos de roupa usada entram e saem da Zona Franca de Iquique, mais conhecida como Zofri.Nicolás Vargas

O negócio é imenso e completamente legal. De acordo com o Observatório de Complexidade Econômica (OEC), uma plataforma que registra diversas atividades econômicas pelo mundo, o Chile é o maior importador de roupa usada na América do Sul, recebendo 90% desse tipo de mercadoria na região.

Consulte Mais informação: BBC News Brasil »

O veredicto do mercado sobre a privatização da Eletrobras | Radar Econômico

VEJA Mercado em vídeo: Tribunal de Contas da União (TCU) formou maioria para a desestatização da companhia Consulte Mais informação >>

Não consigo pensar em uma palavra que expresse minha indignação

Foguete de Elon Musk vai colidir com a lua no dia 4 de março | Radar EconômicoFoguete de Elon Musk vai colidir com a lua no dia 4 de março (via EconomicoRadar) EconomicoRadar EconomicoRadar Sem controle, como o próprio Elon. EconomicoRadar Já tão sujando a pobre Lua.

PODCAST PANORAMA CBN - 26/01/2022As principais notícias do dia em menos de meia hora. No PanoramaCBN de hoje: Brasil registra aumento em UTIs; governadores prorrogam congelamento do ICMS; e Papa pede que pais apoiem filhos gays Ouça o podcast:

Olavo de Carvalho é enterrado nos EUA em funeral com Allan dos Santos e Ernesto Araújo - BBC News BrasilOlavo de Carvalho é enterrado nos EUA em funeral com Allan dos Santos e Ernesto Araújo Serão enterrados somente os 3 bozolóides mencionados, ou outros tb? Sugiro 45 toneladas de concreto e placas de chumbo, a fim de conter possível radioatividade. Deveriam aproveitar o carreto e enterrar esses dois fdp também! Já vai tarde.

Risco da variante Ômicron continua muito alto, diz OMSRisco da variante Ômicron continua muito alto, diz OMS Segundo a organização, a nova variante corresponde a 89,1% dos casos analisados no mundo nos últimos 30 dias 😷

Brasil confirma início de processo para entrar no 'clube dos países ricos'O Brasil deu início ao processo para entrar na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), o 'clube dos países ricos'. Hoje, o governo federal confirmou o recebimento de uma carta-convite do bloco econômico.Em evento com Ci Pra quê? Vai perder autonomia. Parabéns govbr ! Parabéns jairbolsonaro ! 👏🏻👏🏻👏🏻🇧🇷✌🏻😎 Argentina entrou há 2 anos...

Fim do Talvez também te interesse Crédito, Legenda da foto, Calcula-se que 300 hectares do deserto do Atacama estejam cobertos por lixo Das 59 mil toneladas importadas todos os anos, grande parte (algo como 40 mil toneladas) não é vendida - acaba no lixo. A maioria fica nas cercanias de Alto Hospicio, uma comunidade com altos níveis de pobreza e vulnerabilidade. Em novembro, imagens desse lixão deram a volta ao mundo. Quisemos ir até lá para averiguar com profundidade o que está acontecendo. Como funciona o mercado de roupa usada? Caminhões carregados com fardos de roupa usada entram e saem da Zona Franca de Iquique, mais conhecida como Zofri. Este paraíso das compras abriga um imenso parque industrial onde operam mais de mil empresas que comercializam seus produtos isentos de impostos. Seu lugar estratégico no norte do Chile - a poucos quilômetros do porto do Iquique - transforma a área em um importante centro comercial para outros países latino-americanos como Argentina, Brasil, Peru e Bolívia. Crédito, Nicolás Vargas Legenda da foto, O Chile é o maior importador de roupa usada da América do Sul, recebendo 90% desse tipo de mercadoria na região Aqui estão instaladas ao menos 50 importadoras que diariamente recebem dezenas de toneladas de peças de segunda mão que depois são distribuídas por todo o Chile para revenda. O negócio é imenso e completamente legal. De acordo com o Observatório de Complexidade Econômica (OEC), uma plataforma que registra diversas atividades econômicas pelo mundo, o Chile é o maior importador de roupa usada na América do Sul, recebendo 90% desse tipo de mercadoria na região. Os proprietários das importadoras têm nacionalidades distintas: alguns são de países longínquos como o Paquistão. Com um domínio precário do espanhol, vários se recusam falar sobre o assunto. "Ninguém quer se responsabilizar", diz um dos importadores. Após várias tentativas, a fundadora da PakChile, Paola Laiseca, explica à BBC Mundo como funciona o negócio. Crédito, Fernanda Paúl Legenda da foto, As roupas usadas chegam em sacos e são selecionadas na zona franca para revenda em todo o Chile "Nós trazemos roupa dos Estados Unidos, mas também chega da Europa", diz ela, sentada no escritório de um imenso galpão onde se acumulam vários fardos de peças de segunda mão. A maioria dessas roupas foi doada a organizações de caridade em países desenvolvidos. Muitas vão para locais de distribuição ou são entregues a pessoas necessitadas. Mas o que não é aproveitado (por defeito na peça, por exemplo) segue para países como Chile, Índia ou Gana. Laiseca explica que ao porto de Iquique chegam peças de qualidades distintas. Crédito, Legenda da foto, A maioria do que é importado acaba sendo descartado em lixões clandestinos "A roupa usada vem em sacos e nós aqui fazemos uma seleção dividida em primeira, segunda e terceira categoria." "A primeira é das melhores peças, sem defeitos, sem manchas, impecáveis. A segunda pode ter peças sujas ou descosturadas. Na terceira há produtos mais deteriorados", explica. A empresária diz que as peças de terceira categoria são, sim, vendidas (e que ela só descarta 1% de tudo o que é importado). Mas autoridades locais ouvidas pela BBC Mundo afirmam que grande parte acaba em lixões clandestinos. "Sabe-se que ao menos 60% [do que se importa] é resíduo ou descartável e é isso que forma os montes de lixo", afirma Edgard Ortega, responsável pela área de meio ambiente na municipalidade de Alto Hospicio. Crédito, Legenda da foto, A feira de La Quebradilla, onde as peças são revendidas No Chile é proibido descartar têxteis até em depósitos legais porque causa instabilidade do solo. Assim, não há, em teoria local, para jogar fora o que não se comercializa. Laiseca reconhece que existem pessoas que recebem dinheiro para descartar a roupa que não é vendida. De acordo com Patricio Ferreira, prefeito de Alto Hospicio, os importadores da zona franca "contratam carreteiros ou um caminhão coletor e pagam para que deixem em qualquer lugar". Carmen García, que veio da pequena cidade de Colchane, compra roupa dos importadores para revender na imensa feira de La Quebradilla, em Alto Hospicio. É possível encontrar marcas como H&M, Pepe Jeans, Wrangler e Nike. Os preços são incrivelmente baixos: por menos de US$ 1 é possível comprar uma camiseta ou calças. Crédito, Legenda da foto, Grande parte da roupa abandonada no deserto está cheia de poliéster "Tudo o que você vê aqui vem da Zofri", diz ela, mostrando sua barraca com araras cheias de roupa. García diz que compra tudo por saco, sem garantia do que vem dentro. "Com sorte você se dá bem. Mas tem vezes que tudo acaba no lixo", diz. Quando questionada onde essa roupa vai parar, ela diz, sem dar muitos detalhes, que as peças são doadas para pessoas necessitadas. Contaminação A indústria da moda está entre as mais poluentes do mundo, depois da indústria do petróleo. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), ela é responsável por 8% dos gases do efeito estufa e por 20% do desperdício de água no mundo. Para produzir uma peça de jeans são gastos algo como 7.500 litros de água. Crédito,