Cartacapital, Carta Capital, Manuela Carta, Mino Carta, Lula, Política, Economia, Sociedade, Brasil, Progressista, Jornalismo Crítico, Transparente, Ana Luiza Basilio, Moro, Veja, İstoé, Editora Confiança, Assine Carta, Assine Carta Capital, Esquerda, Luiz Inácio Lula Da Silva, Delfim Neto, Afonsinho, Belluzzo, Revista Época, Bndes, Correios, Funai, Cidadania, Lava Jato

Cartacapital, Carta Capital

Inquérito das fake news: Facebook recorre contra responsabilização de funcionários - CartaCapital

Empresa apresentou petição ao ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal

24/11/2020 20:02:00

Inquérito das fake news: Facebook recorre contra responsabilização de funcionários

Empresa apresentou petição ao ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal

 O pedido foi apresentado na esteira de decisões do ministro Alexandre de Moraes nos inquéritos que miram esquema de disseminação de ‘fake news’ e o financiamento de atos antidemocráticos. Um eventual entendimento de Gilmar sobre o caso pode limitar as ações do colega na condução das investigações.

Estudante de Sorocaba é aprovado em 2º lugar em universidade pública de Portugal: 'Não caiu a ficha' Justiça decide que 'privilegiados' que furaram fila de vacina contra Covid no AM não terão direito à 2ª dose antes do prazo “Vou vencer a doença”, afirma Claudia Rodrigues

Em um dos casos citados na petição, o Facebook Brasil afirmou que foi intimado pela Polícia Federal no último dia 13 sobre decisão proferida por Moraes no dia 10.O ministro, segundo a empresa brasileira, autorizou o fornecimento de ‘conteúdo de contas e perfis’ de investigados por ‘fake news’ e relembrou que, em julho, advertiu o diretor da afiliada brasileira sobre a pena de responsabilização caso fosse descumprida a ordem que liberou acesso da PF à investigação da rede social que derrubou redes de perfis falsos ligados aos gabinetes da família Bolsonaro.

Em agosto, Moraes já havia intimado o presidente do Facebook Brasil, Conrado Leister, a cumprir um bloqueio global das contas de investigados em outro inquérito, que mira financiamento de atos antidemocráticos. A medida foi adotada após as redes sociais determinarem um bloqueio ‘regional’, no qual usuários brasileiros não conseguiam acessar os perfil do Brasil, mas eles continuavam ativos em outros países. À época, Moraes mandou as plataformas corrigirem a brecha, ampliando a multa imposta ao Facebook Brasil em caso de descumprimento e intimou Leister a cumprir a ordem sob pena de ‘responsabilização penal pessoal’. headtopics.com

Nos autos, o Facebook Brasil alega que não tem competência para cumprir as ordens decretadas pelo ministro e por outros juízes brasileiros que cobram o fornecimento de comunicações entre usuários, visto que o controle técnico e jurídico deste tipo de conteúdo fica por conta do Facebook Inc, sediado nos Estados Unidos. A empresa brasileira explica que cuida apenas da prestação de serviços voltados à comercialização de espaços publicitários e suporte de vendas.

“Diante do atual cenário e da recente decisão do dia 10.11.2020, o Facebook Brasil se encontra diante de novas ameaças concretas em razão de tema objeto da presente ADC (Ação Direta de Constitucionalidade)”, apontou a empresa brasileira.

O pedido foi apresentado em uma ação sob relatoria de Gilmar Mendes que discute o Acordo de Assistência Jurídica Mútua (MLAT, na sigla em inglês) em relação à requisição de dados de usuários armazenados por empresas de tecnologia no exterior. Hoje, o acordo prevê que a solicitações devem ser enviadas pelo Ministério da Justiça ao Departament of Justice (DoJ) americano, que então fica por conta de fazer a requisição dos dados à empresa, que os envia ao DoJ e, por fim, são repassados às autoridades brasileiras.

Para o Facebook Brasil, ao fixar multas e intimar funcionários sob risco de responsabilização penal, as decisões judiciais pressionam a afiliada brasileira a cumprir ordens à margem do processo previsto pelo MLAT. Uma das teses em discussão é que as afiliadas brasileiras não podem ser responsabilizadas por descumprimento judicial caso não tenham o controle das informações solicitadas nas decisões judiciais – para o Facebook Brasil, o entendimento deve ser estendido também aos funcionários brasileiros. headtopics.com

53% da população apoia impeachment de Bolsonaro, mostra pesquisa Atlas Grupos do 'Fora Dilma' fazem carreatas 'Fora Bolsonaro' - CartaCapital Doentes sufocados e democracia ameaçada: o país de Bolsonaro - Opinião - Estadão

“Afinal, caso vencedora a tese exposta na presente ADC, será também reconhecido que funcionários de empresas brasileiras afiliadas a controladoras de dados sujeitas à jurisdição dos EUA não podem ser responsabilizados pessoalmente por eventual impossibilidade de cumprimento de ordem judicial de fornecimento desses dados sem observância do devido processo legal previsto no MLAT”, afirmou o Facebook Brasil.

 Muito obrigado por ter chegado até aqui. Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho deCartaCapital. Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores.

AssineCartaCapital Consulte Mais informação: CartaCapital »

Cadelinha é adotada por posto de combustíveis no ES, vira 'frentista' e ganha crachá

Pandora chegou ao local há três anos com fome e sede e foi acolhida pelos funcionários do posto.

Ah tá e nos fingiremos que não estamos vendo nada seus urubus carniceiros🤦🦇☠️💉