Iniciativa no Michigan tenta evitar redesenho injusto de distritos eleitorais nos EUA - Internacional - Estadão

@EstadaoInter Iniciativa no Michigan tenta evitar redesenho injusto de distritos eleitorais nos EUA

02/05/2021 20:30:00

EstadaoInter Iniciativa no Michigan tenta evitar redesenho injusto de distritos eleitorais nos EUA

Prática de manipular mapa eleitoral nos EUA conhecida como 'gerrymandering' distorce a representatividade e aumenta a polarização

Com graduação em Negócios Sustentáveis e Liderança Comunitária, quando não está viajando pelo país, Katie ajuda associações ligadas ao Michigan Recycling Coalition a desenvolver programas de sustentabilidade. Ao mesmo tempo, ela tenta reciclar uma prática nociva à democracia americana.

Americana cruza os punhos em 1ª manifestação nos pódios das Olimpíadas Lollapalooza dos EUA tira rapper DaBaby de festival após comentários homofóbicos Bolsonaro deve ter punição por promover tratamento precoce, diz senador integrante da CPI - Saúde - Estadão

Segundo a organização que combate à supressão ao voto nos EUA Change The Rules, por causa do gerrymandering, apenas 24 dos 435 (5%) distritos eleitorais que elegem deputados federais foram considerados competitivos na eleição de 2016. Em 411 distritos, segundo a organização, o resultado já estava predeterminado, por culpa do gerrymandering. 

Alguns dias após a publicação no Facebook, Katie criou a campanha Voters Not Politicians e coletou quase meio milhão de assinaturas em apoio a uma proposição (iniciativa popular votada nas urnas) para criar uma comissão independente responsável em desenhar o mapa eleitoral de Michigan, o que é feito nos EUA a cada dez anos. headtopics.com

Nas eleições de meio de mandato, em 2018, os eleitores aprovaram nas urnas por 61% dos votos a medida pioneira que transferia, no Estado, o poder de desenhar os distritos eleitorais para uma comissão independente. Iniciativas similares foram aprovadas em quatro Estados naquele ano (

Colorado, Missouri, Ohio e Utah)."Basta é basta", diz ela, acrescentando que as pessoas estão cansadas da polarização política."Candidatos estão sendo reeleitos tentando nos dividir. Acho que tem muita gente que quer algo diferente, que está preocupada se nossos políticos estão cuidando de nossas escolas, nossa água, nossas estradas ou sobre como o país pode continuar a oferecer qualidade de vida. Essas pessoas não estão preocupadas com a polarização ou a demonização de quem acredita em algo diferente."

Katie diz não se interessar por cargos políticos. Ela espera agora reproduzir o modelo de Michigan nos outros 35 Estados americanos que ainda seguem a redistribuição distrital feita  por congressistas. Para isso, ela lançou a organização The People, destinada a ensinar e mostrar como o processo em Michigan foi construído e como os modelos foram pensados.

"Não ligamos para qual partido a pessoa vote. Nos preocupamos sim que cada eleitor seja tratado da mesma maneira, independentemente do partido que ele escolher. Apenas acreditamos que cada voto deve ter o mesmo valor."Em tempos de profunda divisão política, sua ambição é revolucionária, como escreveu o jornalista David Daley, que se tornou um dos maiores especialistas no tema e escreveu dois livros sobre gerrymandering nos EUA. Em seu último, headtopics.com

Rebeca Andrade, eternizada na história das Olimpíadas Baleia dá salto próximo a barco em SC A guerra de versões sobre o tamanho dos atos pelo voto impresso em SP | Maquiavel

Unrigged – How Americans Are Battling Back to Save Democracy(Como os americanos estão batalhando para salvar a democracia, na tradução livre), ele conta a história de iniciativas para acabar com essa prática no país e dedica um capítulo ao que chamou de a"Revolução da Redistribuição em Michigan".

Em 2018, e-mails que foram vazados à imprensa mostraram como um assessor republicano se gabava de ter colocado todo o"lixo democrata" em"quatro ou cinco distritos" selecionados que já eram controlados pelos democratas durante a reformulação do mapa eleitoral em 2011. O partido negou que tivesse usado a medida para se beneficiar.

De acordo com o jornal Boston Globe, o sucesso da empreitada de Katie em Michigan – que é contada no documentárioSlay the Dragon(Mate o Dragão, na tradução livre, veja trailer abaixo) – deixou chocado o establishment político local, que nunca tinha visto uma iniciativa não profissional gerar tanto entusiasmo e recolher tantas assinaturas sem sequer receber financiamento ou doações em dinheiro. 

Katie fala sobre a falta de confiança generalizada que existe hoje nas instituições governamentais e a descrença dos americanos nos políticos que fazem muitas promessas, mas ao chegar no poder, agem completamente diferente."O que estamos  tentando fazer agora nos EUA é perguntar às pessoas se elas acham o sistema justo, como elas gostariam que fosse nossa votação. E tem sido muito recompensador, temos recebido muitas mensagens sobre como deveriam ser as eleições ou como o país deveria gastar seu dinheiro", conta. headtopics.com

Para ela, esse engajamento é importante principalmente para conquistar a confiança dos mais jovens, que querem se filiar a algum partido político, mas são o tempo todo bombardeados com"mensagens pobres"."Isso pode alienar gerações. Corrigir coisas como o gerrymandering e a supressão ao voto podem, com esperança, ajudar as pessoas a voltar a confiar no sistema."

Diluir e empacotar para conquistar Redistritamento é o processo pelo qual os novos limites do distrito legislativo estadual e federal são traçados. Cada um dos deputados federais e dos congressistas estaduais são eleitos em divisões políticas chamadas distritos. Os senadores federais dos EUA não são eleitos pelos distritos, cada Estado tem dois.

Simone Biles confirma presença na final da trave em Tóquio ‘General de Doria’ afirma que Exército não apoia aventuras - Política - Estadão Ciro diz que esquerda e direita têm medo do seu projeto

As linhas distritais são redesenhadas a cada 10 anos após a conclusão do Censo dos EUA. O governo federal estipula que os distritos devem ter populações quase iguais e não devem discriminar com base na raça ou etnia.

Encarregados de fazer as novas linhas distritais, e com um volume de informações sobre os perfis dos eleitores cada vez maior disponível em bancos de dados digitais, os legisladores passaram a fazer isso com precisão sem precedentes na última década.

Como explica aoEstadãoo especialista John Rennie Short, da Escola de Políticas Públicas da Universidade de Maryland, em muitos Estados, o partido que tem a maioria passou a usar esse poder para manipular as fronteiras a seu favor, no que ficou conhecido como gerrymandering partidário.

O nome vem do ex-vice-presidente e ex-governador de Massachusetts Elbridge Gerry, que em 1812 assinou uma lei que  autorizou seu Partido Democrata-Republicano a redesenhar o mapa dos distritos de maneira incomum com o objetivo de enfraquecer o adversário Partido Federalista. Desde então, o termo passou a ser considerado uma corrupção do processo democrático.  

Em um artigo publicado pelo siteThe Conversation, Short explica que o gerrymandering envolve duas práticas: 'diluir' e 'empacotar'. Na primeira, os políticos espalham os eleitores opositores pelo máximo de distritos possíveis para diluir seu poder. Na segunda, eles concentram esses eleitores da oposição ao mínimo de distritos possíveis para reduzir o número de cadeiras que podem ganhar.

Apesar de ser uma prática dos dois grandes partidos americanos, os republicanos passaram a executá-la com muito mais empenho na última década, por meio do Redmap (mapa vermelho), segundo explica o jornalista David Daley. Deu certo e em 2016 o Partido Republicano conquistou 32 Assembleias Legislativas e 33 governos estaduais.

Consulte Mais informação: Estadão »

Novo episódio do programa ‘Lado D’ discute sociedade e corrupção; assista - Política - Estadão

Participam do programa a conselheira da OAB e produtora da Boogie Naipe Eliane Dias e o músico Tico Santa Cruz

Inter XeuleBot xeule

Campanha pública com Vila Sésamo tenta combater ceticismo a vacinas contra covid nos EUA - Internacional - EstadãoAo longo da pandemia, Vila Sésamo produziu peças de campanha de saúde pública para crianças sobre a importância de se lavar as mãos, do distanciamento social, uso de máscara e a volta à escola Inter XeuleBot

‘Peixes monstruosos’: veja casos de animais enormes ou de formas assustadoras encontradosEspécime de mais de 100 kg foi fisgada em abril nos EUA e devolvida à natureza. Pacú de 35 metros

Estímulo à vacinação nos EUA oferece ingressos, cerveja, maconha e dinheiro - Internacional - EstadãoCom a queda constante na média semanal de doses aplicadas, governos locais e empresas adotaram medidas alternativas para incentivar os americanos a buscarem a imunização; meta é vacinar pelo menos 70% da população até o Dia da Independência Inter Foi só um militante de extrema esquerda virar presidente que liberaram a maconha. Triste fim dos EUA. qmtepergnt Inter Aqui no Brasil oferecem a morte Inter Cadê o boulos Ele vai adorar no quisito maconha.

Avanço do vírus na América do Sul ameaça ganhos na Europa e nos EUA - Internacional - EstadãoPandemia fora de controle em razão de imunização lenta, sistemas de saúde precários e economias frágeis podem tornar a região uma incubadora de novas variantes do coronavírus, colocando em risco os progressos que já foram obtidos em outras partes do mundo Inter Me ajudem por Deus não tenho o que comer 🙏estou a 4 meses sem trabalhar,na pandemia ta difícil arrumar trabalho,estou passando p muitas dificuldades com minha família e meus cachorros,sem comida e sem ter como pagar meu aluguel Pix 00c3a44f-f649-4696-b10f-af8e09652390 Inter XeuleBot

As milhares de vagas de emprego sem candidatos nos EUAEconomia americana continua a se recuperar após a chegada da pandemia, mas cada vez mais empresas reclamam que não conseguem encontrar pessoal; especialistas ainda tentam entender as razões Seguro desemprego é melhor do que trabalhar XeuleBot Tem empresa oferecendo dinheiro para quem for em entrevista de emprego. Uau! Isso que é desespero para tentar arrumar empregado.