İndígena, Medicina

İndígena, Medicina

Indígena é aprovada em Medicina após driblar dificuldades no estudo remoto e o preconceito

Indígena é aprovada em Medicina após driblar dificuldades no estudo remoto e o preconceito #g1 #indígena #Medicina

25/09/2021 13:00:00

Indígena é aprovada em Medicina após driblar dificuldades no estudo remoto e o preconceito g1 indígena Medicina

Nauany Pótu-Coereguá Gomes Pires, de 19 anos, mora em Peruíbe e foi aprovada no curso de Medicina na Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

A indígena Nauany Pótu-Coereguá Gomes Pires, aos 19 anos, realiza o sonho de infância de cursar Medicina depois de enfrentar dificuldades no ensino remoto. A aldeia em que ela mora fica na zona rural de Peruíbe, no litoral paulista. Por seis anos, ela enfrentou um trajeto de até 2 horas para chegar a escola na área urbana da cidade. O que a motivou foi o sonho de ingressar na universidade, o que se tornou realidade em 2021.

DJ Ivis tem liberdade concedida pela Justiça cearense após ser preso por agressão à ex-mulher Pamella Holanda YouTube tira do ar canal usado por Allan dos Santos para driblar punição ao Terça Livre Por que variante delta plus do coronavírus preocupa a Europa e os EUA

A jovem foi aprovada na Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e começou os estudos no segundo semestre deste ano. Em entrevista ao g1 nesta sexta-feira (24), ela relata que sentiu muita dificuldade no último anos, devido à pandemia de Covid-19. Em muitos dias, ela diz que precisava subir em um morro na aldeia para conseguir sinal de internet e estudar o conteúdo.

"Tudo parece um sonho, ainda não caiu a ficha de que eu realmente consegui. Quero incentivar outros jovens do meu povo que, assim como eu, querem fazer faculdade, trabalhar em várias áreas. Quero também servir como um exemplo para eles que tudo é possível, é só ter dedicação e correr atrás com foco", relatou Nauany. headtopics.com

A mãe da jovem era professora na aldeia e a incentivou desde pequena a buscar os estudos. Ela frequentou até o 6° Ano na comunidade indígena, quando passou a frequentar um colégio na área urbana do município. "Com 11 anos eu saia às 5h, andava até o ponto mais próximo da aldeia às 5h40 para chegar na escola às 7h. Como é zona rural é bem difícil o acesso. Às vezes, os ônibus quebravam, tinha enchente e eu precisava voltar andando", relembra.

Jovem cresceu com a mãe dando aulas em escola da aldeia indígena em Peruíbe, SP — Foto: Arquivo PessoalNo Ensino Médio, ela passou em uma Escola Técnica do Estado (Etec). Para se manter na unidade de ensino, ela ficava fora de casa das 5h às 19h. Entretanto, no cenário de pandemia, ela passou a estudar de casa, o que trouxe o desafio de utilizar a internet.

"A aldeia fica a uma hora do centro da cidade, é uma dificuldade muito grande para conseguir sinal de celular. Às vezes, eu tenho que vir para o morro para fazer trabalhos, provas e atividades", descreve.Para auxiliaros estudos, Nauany entrou em um cursinho pré-vestibular, o Uneafro, uma rede de articulação e formação de jovens e adultos moradores de regiões periféricas do Brasil. Ela fez o Enem e o vestibular da universidade no Rio Grande, no Rio Grande do Sul, local em que foi aprovada.

"Foi uma sensação muito incrível, deu um frio na barriga por eu ter conseguido alcançar o tão sonhado ingresso na faculdade e foi muito emocionante", relembra. A estudante começou a universidade à distância e deverá se mudar em novembro para a cidade, quando as aulas acontecem de maneira presencial. A família se prepara e pensa em fazer uma campanha online para garantir o valor que ajudará a jovem com os custos. headtopics.com

STF forma maioria para manter a prisão do bolsonarista Daniel Silveira Luxemburgo libera o cultivo e o consumo de maconha Carta ao Leitor: Fecham-se as cortinas

Nauany passou seis anos fazendo um trajeto de cerca de 2h para ir à escola — Foto: Unicef/BRZ/Fabio HirataPreconceitoAlém dos desafios pela distância, a estudante conta que sofreu preconceito ao se mudar para a escola na área urbana. Por ser indígena, ela escutou comentários ofensivos, que fizeram com que ela tivesse vergonha da origem por um período.

"Foi uma época que eu sofria um pouco de preconceito dos colegas de escola. Foi quando eu comecei, de tanto ouvir que era feio ou errado, a parar de usar brinco, colar, me afastar da cultura", relembra.O ingresso ao Ensino Médio, entretanto, ajudou a jovem a resgatar as origens. "Me aproximou da cultura de novo, comecei a ter mais orgulho, mostrar quem eu era, porque lá valorizam a diversidade. Foi quando eu puxei de volta tudo que estava guardado, passei a ter orgulho da minha cultura e ver como ela é resistência. Ter passado o que eu passei só me fez entender o valor da minha cultura, raízes e ancestralidade", reitera Naunay.

Estudante precisa subir em um morro em aldeia indígena para conseguir sinal de internet — Foto: Arquivo PessoalHá cerca de um ano, Nauany entrou na iniciativa Crescer com Proteção realizada pelo Unicef, em parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT), a Agenda Pública e o Instituto Camará Calunga. O objetivo é prevenir e enfrentar formas de violência contra crianças e adolescentes por meio do incentivo à educação e inclusão no mercado de trabalho. A estudante atua para auxiliar jovens com uma história parecida com a dela.

Aceitar a ancestralidade, segundo ela, foi um passo importante para conseguir se manter focada nos estudos. Ela relata que o avô, que era cacique e pajé, foi o maior exemplo que teve, já que ele cuidava da saúde das pessoas na aldeia. headtopics.com

"Fiquei muito inspirada e queria ajudar as pessoas também. Quando eu me formar, quero trabalhar em prol de comunidades indígenas, do meu povo", finaliza Nauany. VÍDEOS: as notícias mais vistas do G1 Consulte Mais informação: G1 »

O país que virou 'lixão' de roupas de má qualidade dos países ricos - BBC News Brasil

Todas as semanas, mais de 15 milhões de peças de roupas usadas chegam a Gana, mas apenas parte disso consegue ser reaproveitada.

Que bb linda Avante! LuizCarlPassos E que índia em pqp Parabéns 🎉🎉🎉👏👏👏 Preconceito? Quem estuda não tem tempo de pensar em preconceito, além disso nas provas não tem a fotografia do vestibulando. Menos! Parabéns pra ela. Mas quanto não conseguem driblar essas dificuldades? Quantos indígenas e pessoas negras não conseguem se quer uma oportunidade em sua realidade para conseguir ao menos entrar numa faculdade? Estou falando de equidade nas suas variáveis realidades.

sageandhide faria? Que linda!!!! Que orgulho! Parabéns guria! Muito sucesso pra ti! 😉 Preconceito de que rapaz? Um princesa dessas! 👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼

Em procedimento inédito, mulher recebe coração totalmente artificialCirurgia faz parte de um estudo realizado nos EUA; o dispositivo é uma potencial virada de jogo para milhares de pacientes na fila de transplantes XeuleBot É incrível o que a humanidade é capaz de criar!

👏👏👏👏👏👏👏 Não entendi o 'preconceito'! Ou seja, não ficou em casa assistindo a globo e fritando “lula livre” nem criticando o governo ou esperando cair do céu com o mimimi que vcs pregam “ain só pq sou preto “ “ ain sonpq sou Índia “ “ ain moro longe não tenho condições “ . ESTUPRO NA RECORD ESTUPRO NA FAZENDA ESTUPRO NA RECORD ESTUPRO NA FAZENDA ESTUPRO NA RECORD ESTUPRO NA FAZENDA ESTUPRO NA RECORD ESTUPRO NA FAZENDA ESTUPRO NA RECORD ESTUPRO NA FAZENDA ESTUPRO NA RECORD ESTUPRO NA FAZENDA ESTUPRO NA RECORD ESTUPRO NA FAZENDA ESTUPRO NA RECORD

MULHER BRASILEIRA EM 1o LUGAR, BONITAS POR NATUREZA Como chamaria isso? Jornalismo Drama? Mas parabéns a Nauany. Medicina é difícil de aprovação pra qualquer pessoa. Mó de boa tem cota pra isso alivia muito coisa linda ela sorrindo UMA GOSTOSA DESSA?

Carles Puigdemont é libertado após protestos de separatistas em BarcelonaO ex-presidente da Catalunha continua sendo processado por Madri por seu papel na tentativa de secessão de 2017

Noivo é criticado após usar bermuda e camiseta em seu casamento - ISTOÉ IndependenteUm noivo viralizou nas redes sociais após aparecer de bermuda e camiseta em seu casamento. Uma imagem divulgada mostra o homem ao lado da noiva, que veste o tradicional vestido branco. A celebração parece acontecer em um casa e tem comidas temáticas do Pikachu sobre a mesa. O noivo, por sua vez, exibe uma bermuda […] nilmoretto procede? É um desrespeito à noiva, que, certamente, vai levar o pior dos maridos.

Trio é procurado após ser flagrado fazendo 'atos sexuais' em ponto turístico na Indonésia - ISTOÉ IndependenteUm homem e duas mulheres estão sendo procurados após serem fotografados nus em um ponto turístico da Indonésia. Nas imagens, é possível ver o trio realizando “atos sexuais” no país conservador. Nas fotografias, as mulheres e o homem aparecem nu, mas usando máscara de proteção contra a Covid-19, enquanto se exibem para a sessão de fotos […] É protesto

Mais uma criança Yanomami com malária morre sem atendimento em comunidade, diz Conselho de Saúde'A gente não tem atendimento aqui. Tem muita gente com malária, com pneumonia', diz o presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena. Vítima tinha dois anos g1 malária yanomami Morar no meio do mato dá nisso. Por que não vão para as cidades? Por onde anda a nossa 'cristã' Damares, né? Sumiu. Mas melhor gastar a grana com os políticos que ficam lá em Brasília com seus cargos altos e salários pornograficos metidos em discussões inócuas

Com investigação contra Flávio travada, MP fecha cerco sobre Carlos Bolsonaro: entenda - BBC News BrasilEm decisão que determinou quebra de sigilo, vereador é citado como chefe de organização criminosa Carlos Bolsonaro vai mofar na cadeia. ❤️ Entra ano e sai ano e essas narrativas para prejudicar os caras. Quem paga pelo prejuízo da imagem?