Guedes comete ato falho e admite sondagens para tirá-lo do governo - Economia - Estadão

Guedes comete ato falho e admite sondagens para tirá-lo do governo (via @EstadaoEconomia)

23/10/2021 00:50:00

Guedes comete ato falho e admite sondagens para tirá-lo do governo (via EstadaoEconomia)

Ao lado de Bolsonaro, o ministro da Economia mostrou desconforto com as informações de que parte da ala política do governo teria ido ao BTG atrás de um substituto para si

, com o pedido de demissão coletiva dos seus principais secretários.No comando da gestão das contas do governo, o secretário Especial de Tesouro e Orçamento,Bruno Funchal, já estava decidido a deixar o governo após reunião na segunda-feira com o presidente

, quando ficou clara a ruptura da política fiscal com a finalidade eleitoral. Leia TambémGoverno acerta mudança no teto de gastos e Bolsonaro terá mais R$ 83,6 bi em ano eleitoralA gota d'água foi o silêncio de Guedes diante do anúncio, feito por Bolsonaro, de um auxílio para os caminhoneiros e do atropelo das lideranças do Centrão no acordo final para mudar a emenda do teto de gastos. A mudança abriu espaço para R$ 83,6 bilhões em despesas que incluem o Auxílio Brasil, emendas parlamentares e outras medidas do programa eleitoral do presidente e do Centrão.

Sem controle do processo, Guedes não fez uma defesa contundente e pública pela manutenção do teto de gastos, criado há cinco anos e que impõe um limite anual para as despesas do governo. Pelo contrário, na noite anterior, durante uma live, o ministro falou em “licença para gastar” ou na própria revisão do teto. headtopics.com

Os ministros da ala política do governo aproveitaram a fala do ministro para acelerar a guinada da política fiscal e ruptura do teto de gastos ao longo do dia, sem consulta à equipe econômica. O secretário do Tesouro, Jeferson Bittencourt, e mais dois secretários-adjuntos, Gildenora Dantas e Rafael Araújo, acompanharam Funchal nesse terceiro movimento de debandada desde que Guedes montou o que foi chamado, no início do governo, de “dream team” do seu superministério da Economia.

Pouco antes do anúncio da demissão, Funchal reuniu sua equipe e avisou que não havia mais condições de continuar no cargo. “Foi uma questão de princípio”, disse Funchal à equipe. Ao longo das últimas semanas, ele vinha repetindo essa frase para quem perguntesse se ficaria no cargo caso o Auxílio Brasil fosse feito com recursos fora do teto de gastos.

Poucos minutos depois, o deputado Ricardo Barros (PP-PR), um dos principais líderes do Centrão, foi ao Twitter afiançar que os cargos teriam reposição com “técnicos igualmente qualificados”, embora a decisão geralmente caiba ao próprio chefe da equipe econômica.

No diálogo com auxiliares, Funchal disse que foi até o possível na defesa da política fiscal e do teto de gastos, mas que foi ultrapassado com as mudanças negociadas para bancar o Auxílio Brasil de R$ 400.Em reação às mudanças do teto e ao anúncio dos pedidos de demissão na Economia, a Bolsa caiu 2,75%. No câmbio, o dólar avançou 1,92%, cotado a R$ 5,6676 – maior cotação desde 14 de abril. headtopics.com

ReaçõesO clima na ala fiscalista do Ministério da Economia é de desolação com os últimos acontecimentos, e temor com o efeito dominó da queda do teto de gastos para o futuro das contas públicas com a perspectiva de mais anos de rombos. A promessa de entregar as contas no azul em 2022, depois de quase uma década de déficit, será difícil de ser cumprida, resumiu um técnico.

Já a ala política do governo, controlada pelo Centrão, procurou minimizar a saída dos quatro secretários. Dois ministros disseram ao Estadão que Guedes não deixará o cargo e que a saída de funcionários do “terceiro e quarto escalões” da Economia não ocorreria se o presidente Bolsonaro estivesse eleitoralmente forte.

Sem comentar diretamente os pedidos de demissão de Funchal e Bittencourt, Bolsonaro afirmou na noite de quinta em sua live que “tem secretário, como acontece às vezes com um ministro, que quer fazer a sua vontade”.A articulação política do governo é comandada pelo Centrão, grupo político que nunca foi antimercado. A avaliação, contudo, é que é preciso ganhar a eleição de 2022, ainda que a retomada da política liberal seja urgente. E, para isso, como tem definido Paulo Guedes, seria preciso colocar “dinheiro na veia do povo”. O governo quer pagar R$ 400 de Auxílio Brasil até o ano final do eleitoral. 

Para o Palácio do Planalto, o mercado ataca Bolsonaro para tentar acabar com a polarização entre o presidente e o petista Luiz Inácio Lula da Silva. A ausência da dualidade abriria espaço para um nome da terceira via se viabilizar e vencer a disputa. headtopics.com

O que de fato preocupa o governo é a ameaça de greve dos caminhoneiros. Ministros disseram reservadamente ao Estadão que Bolsonaro provocou tumulto ao anunciar, na quinta, uma bolsa aos caminhoneiros para compensar o aumento do diesel, que será de R$ 400 por mês, sem apontar a fonte de recursos. 

Consulte Mais informação: Estadão »

O Assunto #583: Amazônia – a marcha batida da destruição

Balanço anual do Inpe revela o maior desmatamento em 15 anos na região, com mais de 13 mil km² devastados. É o terceiro ano seguido que a floresta perde mais de 10 mil km² – período que coincide com o protagonismo dos militares no comando estratégico – e orçamentário – do combate ao desmate.

Economia CORJA de CORRUPTO$ Destruíram o país! Economia Fora milicada de bo$ta! Corja de CORRUPTO$ Economia Vcs não desistem 🤣 Economia Tristeza ter que conviver com jumentos que ainda apoiam este desgiverno bandido.

Após saída de secretários de Guedes, dólar chega a R$ 5,70 - Economia - EstadãoMoeda americana sobe no Brasil, na contramão da queda predominante no exterior Economia Mask is not going away soon. Use BostApp to easily and safely communicate with people around. Download for free at Apple and Google, simply search by one word 'BostApp'. Economia guedes + rico Economia O Paulo Guedes com sua conta em um paraíso fiscal tá feliz ou triste com a alta do dólar?

‘Não faremos aventura na economia’, diz Bolsonaro ao lado de Guedes | RadarPresidente foi ao Ministério da Economia para fazer um gesto de proximidade com o ministro radaronline Já tá fazendo caralho radaronline Ha ha ha so loko mesmo. ...fu...... o Brasil radaronline Pois é... Até pq já passou desse nível... Agora é só viagem psicodélica...

Bolsonaro diz que tem confiança absoluta em Guedes e não fará 'aventura' na economiaPresidente visitou Ministério da Economia nesta sexta, após debandada de secretários e proposta de furar o teto para injetar mais recursos no Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família. Olha só, essa confiança nos levou à pior crise de todos os tempos, parabéns pela burrice milico Tradução: 'Não achei ninguém que aceite ser meu capacho e esteja menos queimado que o Guedes, então fica ele mesmo.' Descolado da realidade

Análise: Debandada em equipe de Guedes repete roteiro de derrotas políticas do ministro da Economia - Economia - EstadãoAssim como em outras ocasiões, o fracasso do ministro da Economia em projetos importantes para a política econômica levou à saída de secretários do ministério derrotas? este cara nunca foi liberal. é uma fraude 3 anos que vcs tentam demitir PG e 3 anos se fodendo!!! Qdo Salim Matar saiu foi a mesma ladaínha .... Uma Boa Notícia. Hoje noite Choro no banheiro. Está liberado para mídia, mercado financeiro.

‘O presidente tomou a decisão correta’, diz Guedes ao lado de Bolsonaro | RadarMinistro da Economia faz nesse momento pronunciamento sobre o Auxílio Brasil, que provocou quatro baixas na sua equipe radaronline radaronline decisão certa = decisão errada radaronline Mimimimi

Por auxílio de R$ 400, Guedes fala em 'licença para gastar' ou antecipar revisão do teto de gastos - Economia - EstadãoMinistro da Economia disse que mantém 'duplo compromisso', com os mais vulneráveis e com o equilíbrio fiscal: para Guedes, governo quer ser 'reformista e popular' sdds impeachment Ninguém consegue acabar com a birra do Bozo. O Brasil que se lasque. Hoje dólar a R$ 5,70.