Genoma esclarece mistérios dos etruscos - Planeta

Análise do DNA de habitantes antigos do centro-sul da Itália mostra que os etruscos tinham grande afinidade genética com seus vizinhos, mas a origem de sua língua ainda é um enigma

28/09/2021 03:30:00

A civilização etrusca floresceu durante a Idade do Ferro na Itália central e intriga estudiosos por milênios. Com habilidades metalúrgicas notáveis ​​e uma língua agora extinta e não indo-europeia, os etruscos se destacaram de seus vizinhos contemporâneos.

Análise do DNA de habitantes antigos do centro-sul da Itália mostra que os etruscos tinham grande afinidade genética com seus vizinhos, mas a origem de sua língua ainda é um enigma

Fenômeno intriganteComo os etruscos falavam uma língua extinta que é apenas parcialmente compreendida, muito do que se sabia inicialmente sobre sua civilização vem de comentários de escritores gregos e romanos posteriores. Uma hipótese sobre suas origens, aquela defendida por Heródoto, usa a influência de elementos culturais da Grécia Antiga para argumentar que os etruscos descendiam de grupos migrantes da Anatólia ou do Egeu. Outro, defendido por Dionísio de Halicarnasso, propõe que os etruscos se originaram e se desenvolveram localmente a partir da cultura Villanovana da Idade do Bronze e, portanto, eram uma população autóctone.

DJ Ivis tem liberdade concedida pela Justiça cearense após ser preso por agressão à ex-mulher Pamella Holanda Carta ao Leitor: Fecham-se as cortinas Como manobra do teto de gastos para viabilizar Auxílio Brasil pode deixar brasileiros mais pobres - BBC News Brasil

Embora o consenso atual entre os arqueólogos apoie uma origem local para os etruscos, a falta de DNA antigo da região tornou as investigações genéticas inconsistentes. O estudo atual, com um transecto de tempo de informações genômicas antigas abrangendo quase 2 mil anos coletadas de 12 sítios arqueológicos, resolve questões persistentes sobre as origens etruscas, não mostrando nenhuma evidência de um movimento populacional saído da Anatólia naqueles tempos. Na verdade, os etruscos compartilhavam o perfil genético dos latinos que viviam nas proximidades de Roma, com uma grande proporção de seus perfis genéticos provenientes de ancestrais relacionados às estepes que chegaram à região durante a Idade do Bronze.

Considerando que os grupos relacionados às estepes foram provavelmente responsáveis ​​pela disseminação de línguas indo-europeias, agora faladas em todo o mundo por bilhões de pessoas, a persistência de uma língua etrusca não indo-europeia é um fenômeno intrigante e ainda inexplicado que exigirá mais investigação arqueológica, histórica, linguística e genética. headtopics.com

Mapa geográfico da península italiana (à direita) incluindo uma aproximação (à esquerda) que indica a extensão máxima dos territórios etruscos e a localização e número de indivíduos para cada sítio arqueológico recentemente analisado no estudo. Crédito: Michelle O’Reilly, MPI SHH

Períodos de mudança“Essa persistência linguística, combinada com uma mudança genética, desafia suposições simples de que os genes são iguais às línguas e sugere um cenário mais complexo que pode ter envolvido a assimilação dos primeiros falantes do itálico pela comunidade de fala etrusca, possivelmente durante um período prolongado de mistura durante o segundo milênio a.C.”, disse David Caramelli, professor da Universidade de Florença (Itália).

Apesar de alguns indivíduos originários do Mediterrâneo oriental, do norte da África e da Europa central, o conjunto genético relacionado aos etruscos permaneceu estável por pelo menos 800 anos, abrangendo a Idade do Ferro e o período da República Romana. O estudo constata, no entanto, que durante o período imperial romano subsequente, a Itália central experimentou uma mudança genética em grande escala, resultante da mistura com as populações do Mediterrâneo oriental, que provavelmente incluíam escravos e soldados realocados em todo o Império Romano.

“Essa mudança genética descreve claramente o papel do Império Romano no deslocamento em grande escala de pessoas em uma época de maior mobilidade socioeconômica e geográfica para cima ou para baixo”, disse Johannes Krause, diretor do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária (Alemanha). headtopics.com

STF forma maioria para manter a prisão do bolsonarista Daniel Silveira YouTube tira do ar canal usado por Allan dos Santos para driblar punição ao Terça Livre Luxemburgo libera o cultivo e o consumo de maconha

Olhando para a Idade Média mais recente, os pesquisadores identificaram ancestrais do norte da Europa se espalhando pela península italiana após o colapso do Império Romano Ocidental. Esses resultados sugerem que os migrantes germânicos, incluindo indivíduos associados ao recém-estabelecido reino longobardo, podem ter deixado um impacto rastreável na paisagem genética da Itália central.

Ancestralidade contínuaNas regiões da Toscana, Lácio e Basilicata, a ancestralidade da população permaneceu em grande parte contínua entre os primeiros tempos medievais e hoje. Isso sugere que o principal conjunto genético das pessoas atuais do centro e do sul da Itália foi formado em grande parte pelo menos mil anos atrás.

Embora seja necessário DNA mais antigo de toda a Itália para apoiar as conclusões acima, as mudanças de ancestralidade na Toscana e no norte do Lácio semelhantes às relatadas para a cidade de Roma e seus arredores sugerem que os eventos históricos durante o primeiro milênio da era cristã tiveram um grande impacto na transformações genéticas em grande parte da península italiana.

“O Império Romano parece ter deixado uma contribuição duradoura para o perfil genético dos europeus do sul, preenchendo a lacuna entre as populações europeias e do Mediterrâneo oriental no mapa genético da Eurásia ocidental”, disse Cosimo Posth, professor da Universidade de Tübingen e do Centro Senckenberg para Evolução Humana e Paleoambiente (Alemanha). headtopics.com

Consulte Mais informação: Revista ISTOÉ »

O Assunto #564: A implosão do teto e da equipe econômica

O governo rasgou o que restava de sua fantasia de responsabilidade fiscal ao executar manobra que abrirá espaço de R$ 83 bilhões no Orçamento de 2022. Na prática, isso rompe o limite de gastos introduzido na Constituição em 2016. Parte desse dinheiro será usada para bancar o Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família que Jair Bolsonaro pretende usar como ativo na campanha do ano que vem. E parte é cobiçada pelo Congresso na forma de mais emendas.

Visionário americano quer construir a cidade mais sustentável do planetaO sonho, que seria colocado em prática em pleno deserto americano, tem preço: 400 bilhões de dólares

Brasil tem 40,64% da população totalmente vacinada contra o coronavírus - Saúde - EstadãoBrasil tem 40,64% da população totalmente vacinada contra o coronavírus Ainda bem que faço parte dos outros 60%. Tá muito lento 🐢

Chicago Fire 10x2: grande acidente choca bombeiros (promo)Próximo episódio da 10ª temporada de Chicago Fire promete aumentar ainda mais a tensão dos personagens! tecmundo

Invencibilidade recente faz Inter olhar com otimismo para o G4Sem perder há oito partidas, Colorado conquistou 18 dos últimos 24 pontos possíveis no Campeonato Brasileiro

Maioria dos bolsonaristas arrependidos votaria em Lula no 2º turno, diz DatafolhaPerfil dos eleitores do ex-capitão em 2018 traçado pelo levantamento mostra grande mistura ideológica Que votem, mas permaneçam calados e escondidos, a ignorância deles ajudou a levar o país a esse caos social que vivemos. ForaBolsonaro Nem ladrão nem quadrúpede, fora casta de vagabundos. Kkkkkkkkkkkkkkkkkrindo até 2026. “FOIA”, assim vc vai falir. O Brasil acordou, a nação se educou, com exceção de alguns acéfalos.

Doria recebe empreendedoras para debate sobre ‘liderança feminina’ | RadarDoria recebe empreendedoras para debate sobre liderança feminina na retomada (via radaronline) radaronline Ganha nem para síndico de prédio. radaronline 😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴😴 radaronline O que ele sabe?