G7 está disposto a 'ajudar o mais rápido possível' países atingidos por incêndios na Amazônia - ISTOÉ Independente

As imagens da floresta amazônica em chamas provocaram uma comoção global e impulsionaram o assunto na agenda das discussões do G7

25/08/2019 16:30:00

As imagens da floresta amazônica em chamas provocaram uma comoção global e impulsionaram o assunto na agenda das discussões do G7

Os países do G7, reunidos em uma cúpula no sul da França, concordaram em ajudar os países afetados pelos incêndios que assolam a Amazônia “o mais rápido possível”, anunciou neste domingo (25) o presidente francês, Emmanuel Macron. “Há uma convergência real para dizer que todos concordamos em ajudar os países afetados por esses incêndios o …

Vista aérea de zona afetada por incêndio em Porto Velho, Rondônia - AFPAFP25/08/19 - 08h29 - Atualizado em 25/08/19 - 10h27Os países do G7, reunidos em uma cúpula no sul da França, concordaram em ajudar os países afetados pelos incêndios que assolam a Amazônia “o mais rápido possível”, anunciou neste domingo (25) o presidente francês, Emmanuel Macron.

Doria afirma que testou positivo para a Covid-19 Moradores compram 3 mil picolés para ajudar dono de sorveteria que teve energia cortada Idosos baleados em São Gonçalo tinham ido ver a família e se perderam

“Há uma convergência real para dizer que todos concordamos em ajudar os países afetados por esses incêndios o mais rápido possível”, disse Macron, anfitrião da cúpula de países industrializados na cidade de Biarritz.

Diante dos pedidos de ajuda, lançados em particular pela Colômbia, “nós devemos estar presentes”, disse Macron, que criticou duramente na sexta-feira a “inação” do presidente brasileiro Jair Bolsonaro no combate a este desastre ambiental.

As imagens da floresta amazônica em chamas provocaram uma comoção global e impulsionaram o assunto na agenda das discussões do G7, apesar da relutância inicial do Brasil por não estar presente na cúpula de Biarritz.Emmanuel Macron informou neste domingo contatos em andamento “com todos os países da Amazônia (…) para que possamos finalizar compromissos muito concretos de recursos técnicos e financeiros”.

“Estamos trabalhando em um mecanismo de mobilização internacional para ajudar esses países com mais eficiência”, disse o chefe de Estado.Quanto à questão de longo prazo do reflorestamento na Amazônia, “várias sensibilidades foram expressas em torno da mesa”, acrescentou Macron, enfatizando o compromisso dos países com a soberania nacional.

“Mas o desafio da Amazônia para estes países e para a comunidade internacional é tal – em termos de biodiversidade, oxigênio, luta contra as mudanças climáticas – que nós precisamos fazer esse reflorestamento”, suplicou o presidente francês.

Esta crise ambiental ganhou tamanha proporção que ameaça o acordo comercial entra a União Europeia (UE) e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) assinado no final de junho, após 20 anos de negociações. Consulte Mais informação: Revista ISTOÉ »

Os seis principais tópicos do G7 - ISTOÉ IndependenteVeja os seis principais tópicos a serem observados durante a cúpula do G7 em Biarritz, que começa neste sábado (24). – Guerra comercial “As tensões comerciais são ruins para todos”: o presidente francês Emmanuel Macron lançou o alerta, enquanto Donald Trump ameaçou, depois da China, a França e a Europa, com sanções comerciais. O americano …

Cúpula do G7 é aberta com tensões e Amazônia na pauta - CartaCapitalMundo | A questão climática acabou elevada a primeiro plano depois de o presidente francês, Emmanuel Macron, declarar que as queimadas se tornaram uma “crise internacional”.

‘A Amazônia é nosso bem comum’, diz Macron antes da cúpula do G7Presidente francês, que trocou farpas com Bolsonaro nos últimos dias, afirmou que vai mobilizar as potências do grupo na luta contra as queimadas Bem comum dos Brasileiros, e não desses aproveitadores chamado Macron. A França é nosso bem comum.

Governo Bolsonaro espera que EUA barrem conversa sobre Amazônia no G7Para presidente brasileiro, discutir o tema sem a presença do país seria uma violação à soberania nacional

Premiê do Reino Unido é o quarto membro do G7 a falar sobre Amazônia - CartaCapitalO conservador Boris Johnson diz-se ‘profundamente preocupado’ com as queimadas da floresta.