FDA autoriza tratamento com anticorpos para crianças com Covid-19

Agência reguladora dos EUA autoriza tratamento com anticorpos para crianças com Covid-19

05/12/2021 22:12:00

Agência reguladora dos EUA autoriza tratamento com anticorpos para crianças com Covid-19

Doses do coquetel de anticorpos da Lilly ajustadas ao peso corporal de menores de 12 anos foram estudadas em teste clínico com 125 pacientes pediátricos

Atualizado em 5 dez 2021, 15h50 - Publicado em 5 dez 2021, 15h38Criança usa máscara para se proteger contra a Covid-19 - divulgação/DivulgaçãoPublicidadePublicidadeO Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, autorizou na sexta-feira, 3, o tratamento de bebês e crianças menores de 12 anos com

Covid-19, que possuem alto risco de desenvolver doença grave, com anticorpos monoclonais – produzidos em laboratório – da farmacêutica Eli Lilly.Anteriormente, esses pacientes eram elegíveis apenas para receber os medicamentos normalmente administrados por via intravenosa em uma clínica ou hospital. “Até agora, não tínhamos algo para crianças, que pudesse mantê-las fora do hospital”, disse Walid Gellad, diretor do Centro de Política Farmacêutica e Prescrição da Escola de Medicina da Universidade Pittsburgh.

Consulte Mais informação: VEJA »

Paulo Dantas é eleito governador para ‘mandato tampão’ em Alagoas

Na tarde deste domingo (15), deputados de Alagoas elegeram Paulo Dantas (MDB) como governador-tampão do estado, para um mandato até o fim do ano. Ele já tomou posse. O cargo de vice já estava vago desde 2020, anos de eleições municipais. Consulte Mais informação >>

Imunizar quem já é imune por natureza. Eis a lógica da 'siençia' dos vacinalovers CARAMBA!!! A ciência tentando salvar crianças! Onde esse mundo vai parar!? Por isso sou Bolsonaro22 foda-se comunas

8 bilhões de doses da vacina contra a Covid-19 foram aplicadas no mundoUm ano após o começo da vacinação, iniciada no Reino Unido, mais da metade da população mundial recebeu ao menos a primeira dose

Covid-19: Número de mortes diárias é inferior a 500 há 20 diasMédia móvel desta sexta-feira continua em queda e é o menor valor desde 23 de novembro; confira levantamento feito por VEJA Ainda é muito. Tadinha da CEGA 14 like. Eu vou dá mais um só porque estou com dó.

Ômicron: Estudo preliminar aponta que variante causa mais reinfecções de covid-19 - BBC News BrasilCientistas na África do Sul identificaram um aumento no número de pessoas que voltaram a pegar doença causada pelo novo coronavírus. Que conveniente! Está reportagem é exemplo clássico de terrorismo e desinformação. Teria, poderia , seria.... ! O mais relevante, que os efeitos são leves e inócuos e citado assim , de escanteio. Essa variante é muito cheia de frescura

Risco de contrair Covid-19 com máscara PFF2 é mínimo, aponta estudoSe usada corretamente, proteção facial oferece quase 100% de proteção contra infecção pelo coronavírus, concluem pesquisadores da Alemanha. Sem máscara, probabilidade de se infectar é de 90%, mesmo com distanciamento. Difícil é explicar isso para mentes imbecis que até abandonaram o uso de máscara. Mais que a vacina. Agora vão escolher até as máscaras

Não vacinados são 80% dos mortos e internados por covid-19 no Brasil - ISTOÉ IndependenteUm levantamento da Info Tracker aponta que oito em cada dez pessoas que morreram de covid-19 no Brasil entre março e novembro deste ano não receberam nenhuma dose da vacina. Os dados são da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp). As informações são do Uol. De acordo com o levantamento, […] BOLSONARO ESTÁ MATANDO ÍNDIOS E QUEIMANDO AS FLORESTAS DO BRASIL. SALVEM OS ANIMAIS,MUITOS ANIMAIS ESTÃO MORRENDO. A AMAZÔNIA E AS FLORESTAS DO BRASIL ESTÃO SENDO DESTRUÍDAS! ISSO VAI CAUSAR CRISES CLIMÁTICAS,SECAS,INUNDAÇÕES, FALTA DE ÁGUA,POLUIÇÃO E MORTES NO BRASIL. 'OXOSSI ' Quem não se lembra daquela pesquisa em Manaus em q deram doses letais de cloroquina para pacientes com comorbidades e depois culparam o medicamento pelas mortes. Pois é, todos do clubinho!!

Covid-19: Brasil volta a registrar média móvel de mortes abaixo de 200Em estabilidade, índice computado neste sábado é de 197,7; desde abril de 2020 números só ficaram abaixo de 200 durante curto período há duas semanas Obrigado mas eu não tomo vacina de COVID, não sou cobaia Mesmo com o empenho do presidente em mistificar a vacina e todos os cuidados pra conter a pandemia, nós estamos vencendo!

Por Atualizado em 5 dez 2021, 15h50 - Publicado em 5 dez 2021, 15h38 Criança usa máscara para se proteger contra a Covid-19 - divulgação/Divulgação Publicidade Publicidade O Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, autorizou na sexta-feira, 3, o tratamento de bebês e crianças menores de 12 anos com Covid-19 , que possuem alto risco de desenvolver doença grave, com anticorpos monoclonais – produzidos em laboratório – da farmacêutica Eli Lilly. Anteriormente, esses pacientes eram elegíveis apenas para receber os medicamentos normalmente administrados por via intravenosa em uma clínica ou hospital. “Até agora, não tínhamos algo para crianças, que pudesse mantê-las fora do hospital”, disse Walid Gellad, diretor do Centro de Política Farmacêutica e Prescrição da Escola de Medicina da Universidade Pittsburgh. A autorização vem no momento em que aumentam os temores sobre uma onda de inverno no país, alimentada pela nova variante ômicron, que além de se espalhar mais rapidamente, pode escapar da imunidade das vacinas. Também ainda não se sabe como a nova cepa pode afetar crianças pequenas em comparação às outras versões do vírus e se o tratamento com anticorpos pode ser eficaz contra ela. O caso é que nos Estados Unidos, as hospitalizações de crianças dispararam durante o verão pela disseminação da variante delta. Segundo a Academia Americana de Pediatria, 0,1% e 1,9% dos casos confirmados em crianças resultaram em internação. De acordo com o FDA, as doses do tratamento da Lilly, um coquetel de duas drogas de anticorpos, ajustadas ao peso corporal foram estudadas em um teste clínico que envolveu 125 pacientes pediátricos. “Os pais de crianças pequenas, especialmente as de alto risco, têm dificuldade porque, embora seus filhos corram um risco menor, o foco da vacinação não tem sido para essa faixa etária”, disse Gellad. “É sempre bom ter outra opção, mas vale a pena reiterar que não substitui a vacinação”, acrescenta. Continua após a publicidade