Ex-reitor entra com ação judicial para reverter indicação de Bolsonaro para gestão da UFRGS

Presidente nomeou professor Carlos Bulhões, último colocado na consulta à comunidade acadêmica #G1

14/04/2021 00:11:00

Presidente nomeou professor Carlos Bulhões, último colocado na consulta à comunidade acadêmica G1

Presidente nomeou professor Carlos Bulhões, último colocado na consulta à comunidade acadêmica, como reitor da instituição no lugar de Rui Oppermann, que tentava reeleição.

O ex-reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Rui Oppermann ingressou com uma ação judicial buscando reverter a indicação do professor Carlos Bulhões para o comando da instituição. O processo tramita na 10ª Vara Federal de Porto Alegre desde o dia 7 de abril.

Bolsonaro tira máscara de criança para posar para fotos em visita ao RN; VÍDEO Senador José Serra é internado com Covid-19 em SP Força-tarefa que procura Lázaro Barbosa tem dois presos por facilitar fuga e encontra esconderijo, diz secretário

A chapa de Oppermann, que concorria à reeleição, foi a primeira colocada na consulta feita à comunidade acadêmica (entre alunos, professores e funcionários) e na votação do Conselho Universitário (Consun) em julho de 2020. Entretanto, a nominata liderada por Bulhões, que ficou em último lugar em ambos os pleitos, acabou nomeada por Bolsonaro, em setembro, para um mandato de quatro anos.

Por ser uma universidade federal, a Constituição prevê que o Presidente da República escolha o nome de quem vai ocupar o cargo.A União é a ré do processo. O G1 solicitou, à Advocacia-Geral da União (AGU), um posicionamento sobre o assunto, mas ainda não obteve retorno. A UFRGS disse, em nota, não ter recebido nenhuma demanda judicial sobre o tema (leia abaixo). headtopics.com

A ex-vice-reitora Jane Tutikian, companheira de chapa de Rui Oppermann, também é representada na ação. Para o professor, a decisão do presidente Jair Bolsonaro feriu a autonomia universitária."As universidades não são do presidente da República. As universidades são um patrimônio da sociedade e, como tal, elas se alimentam da autonomia e a autonomia se alimenta da democracia", disse Oppermann.

ArgumentaçãoUma lei de 1995 e um decreto de 1996 preveem que a escolha de reitores de universidades federais cabe ao presidente da República, que pode escolher qualquer nome entre os apresentados pelas instituições em uma lista tríplice.

Até o final de 2020, Bolsonaro não havia nomeado o mais votado em 16 instituições federais de ensino superior. Em fevereiro deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o presidente não precisa nomear primeiro da lista tríplice.

Todavia, para o advogado do ex-reitor, Francis Bordas, a medida não está prevista na Constituição e as normas vigentes sobre o tema são infraconstitucionais."Se o presidente tem essa prerrogativa de não obedecer o resultado de uma consulta, qual a razão de ser da consulta?", questionou. headtopics.com

Menino de 12 anos se forma na escola e na faculdade na mesma semana Nova pesquisa é devastadora para Bolsonaro | Matheus Leitão Gilmar Mendes declara suspeição de Moro em mais dois processos de Lula

O advogado ainda ressalta que a nomeação de um reitor não pode ser comparada com outras decisões do presidente, para cargos políticos."É preciso que a gente enxergue a Universidade, não só como um posto de trabalho para que o reitor seja escolhido, como se fosse um gerente de um banco ou alguém da confiança do presidente da República. Uma universidade é muito mais do que isso. É preciso conciliar a autonomia enquanto um local de liberdade de ensino, de manifestação, de escolha de seus gestores", sustentou.

Na visão de Oppermann, a decisão de Bolsonaro ignorou os avanços conquistados pela UFRGS nas áreas de ensino, pesquisa e extensão, além do reconhecimento de eficiência da gestão."Nós entendemos que, ao longo dos quatro anos em que fomos reitor e vice-reitora, nós fizemos um trabalho exemplar com a universidade e isso foi reconhecido pela comunidade. Portanto, a minha não nomeação é inexplicável", comentou.

O ex-reitor ainda denunciou riscos envolvendo a perda de espaços e de recursos, como no corte de 18% das verbas para as instituições de ensino superior, e negou críticas de doutrinação ideológica na UFRGS, usada por aliados do presidente como argumento em favor da nomeação de Bulhões.

Rui Oppermann é professor de Odontologia, foi reitor entre 2016 e 2020 e, vice-reitor entre 2008 e 2016. Sua vice, Jane Tutikian, é professora de Letras. Já o atual reitor, Carlos Bulhões, é docente da área de Engenharia Hidráulica. headtopics.com

Carlos Bulhões assumiu como reitor da UFRGS em setembro de 2020 — Foto: UFRGS/DivulgaçãoOutros casosA escolha de Bolsonaro por um candidato menos votado pelo Conselho Universirtário também ocorreu na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), em janeiro.

Na instituição do Sul do RS, a professora Isabela Fernandes Andrade foi nomeada reitora. Em uma manobra da chapa vencedora, da qual a docente também fazia parte, o professor Paulo Ferreira Jr, que foi mais votado, passou a dividir a gestão com Isabela.

Covaxin é alvo de desconfiança na própria Índia por uso sem concluir testes - BBC News Brasil Brasil se aproxima de 510 mil mortes por Covid, com 2.042 registradas nas últimas 24 horas Camilla de Lucas expõe ataques por usar cabelo liso: 'Me deixem em paz' - Emais - Estadão

Na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), o presidente nomeou a mais votada pela comunidade acadêmica, reconduzindo a reitora Lúcia Pellanda ao cargo, em março de 2021.Nota da UFRGS:"A Secretaria de Comunicação da UFRGS informa que a Instituição não tem como manifestar-se sobre o assunto de uma ação judicial que estaria questionando a nomeação da atual Gestão uma vez que, verificadas as instâncias competentes, não foi realizado o recebimento de nenhuma demanda judicial sobre o tema na Universidade. Assina a nota André Luis Prytoluk, Secretário de Comunicação."

VÍDEOS: Tudo sobre o RS Consulte Mais informação: G1 »

G1 Ouviu #145 - Zé Vaqueiro desbrava o sertão com CDs caseiros de forró e ganha o Brasil

Ouça podcast e conheça a história do cantor que começou viajando o sertão de pernambuco fazendo shows de graça e divulgando sua música e despontou com sua pisadinha romântica.

O Bolsonaro está cagando na boca de seus eleitores Faz de sacanagem, tem que imperar a desarmonia e a quebra dos conceitos e valores...isso é o Bolsolavianismo, destruição, o caos, a bagunça,...

Suspeitos de serem 'fantasmas', ex-assessores de Bolsonaro receberam R$ 165 mil em auxílios - ISTOÉ IndependenteInvestigados pelo Ministério Público do Rio sob a suspeita de serem “fantasmas”, cinco ex-assessores do presidente Jair Bolsonaro quando ele era deputado federal receberam R$ 165 mil só em auxílios enquanto estiveram nomeados na Câmara dos Deputados. Esses funcionários tiveram sigilo quebrado na investigação contra o senador e ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho mais […] Tal filho tal pai. ? Ou é o contrário? ohhh.... q surpresaaa... filho de peixe não nasce tartaruga Só o gado fanático não enxergou ainda

CPI da Covid define roteiro para ouvir ex-ministros de BolsonaroO cronograma foi discutido em uma reunião na residência do presidente da Comissão, Omar Aziz E a culpa ė do GF Os grandes jornais do mundo, políticos democratas, organismos internacionais, cientistas renomados e o parlamento europeu reconhecem que Bolsonaro representa um risco para o mundo e que ele precisa ser punido pelos crimes que cometeu. A CPI do GENOCÍDIO não pode acabar em pizza.

Ex-ministros da educação afirmam que Inep 'está em perigo' sob o governo BolsonaroEm carta, ex-gestores alertam para enfraquecimento do órgão ligado ao MEC e do impacto iminente nas políticas educacionais do País A DESTRUIÇÃO É COMPLETA NO PAÍS. O que,no país, não está em perigo com o miliciano GENOCIDA COVARDE no poder? Se fosse só o Inep tava fácil de resolver.

CPI da Covid convoca Queiroga, ex-ministros da Saúde de Bolsonaro e chefe da AnvisaCPI da Covid aprova convocação de Queiroga, ex-ministros de Bolsonaro e chefe da Anvisa; pelo calendário definido, Mandetta, Teich e Pazuello serão ouvidos entre terça e quarta da próxima semana G1 Mandetta deveria sair preso de lá O circo dos absurdos está montado. Agora só resta atirar fogo na lona.

Bolsonaro agradece a Rússia pela liberação de ex-motorista de jogadorO volante Fernando jogava no Spartak Moscou quando o profissional foi detido pelas autoridades russas, em fevereiro de 2018 O problema de termos um Verme na presidência, não existem prioridades e uma ação legítima se encerra sem credibilidade alguma. Olha o puxa saco cuidado para o saco não cair já caiu muito isso é marketing Bolsonaro não gosta de negro nem de favelado tem vídeo ele falando que não quer filhos casado com uma negra Isso é malandro 😈 por isso é rico