'Erro da Itália foi subestimar a doença', diz bióloga brasileira que vive em Milão - Saúde - Estadão

18/03/2020 18:35:00

'Erro da Itália foi subestimar a doença', diz bióloga brasileira que vive em Milão

'Erro da Itália foi subestimar a doença', diz bióloga brasileira que vive em Milão

Rafaela da Rosa Ribeiro vê risco de o Brasil virar uma nova Itália se as pessoas não tomarem consciência de que o problema é grave

, concedida por telefone.Qual é a pesquisa sobre o novo coronavírus da qual a sra. participa?Estamos trabalhando em condições terríveis para fazer a pesquisa. Alunos não podem ir para a universidade. Tenho que ir para o laboratório para fazer os ensaios. Mas, para eu poder sair de casa, preciso carregar um documento que diga que eu estou envolvida em projeto do corona. Isso porque, se me pararem,  tenho como justificar por que estou andando na rua. Moro em Milão e tenho que pegar um metrô até a Universidade Hospedale San Rafaele. Só vou para o hospital nos dias em que eu tenho experimento no laboratório, que são poucos. O resto da semana estou praticamente em casa. Esta semana fiquei cinco dias em casa direto, só saindo na minha varanda. Só saio para ir ao mercado e para fazer a pesquisa, quando preciso.

Consulte Mais informação:
Estadão 🗞️ »

O Assunto #848: As crianças com fome no Brasil

Entre 2020 e 2022 dobrou o percentual de casas que não conseguem garantir alimentação básica para menores de até 10 anos. Hoje, 3 em cada 10 famílias brasileiras sofrem com a subalimentação infantil. E os recursos federais para a merenda escolar perdem valor de compra ano a ano: o repasse por aluno, atualmente, varia entre R$ 0,36 e R$ 1,07. Consulte Mais informação >>

Tipo quem até domingo aplaudia o gad... errr... quero dizer... a manifestação e dizia que era histeria? Ou tipo a maior rede de notícias que fez um eventão na mesma data? Ou tipo as mul... errr... os figurões que compareceram a este evento? Aqui no Brasil tem uns fazendo a mesma coisa !!!! Igual os brasileiros estão fazendo pq não aprendem com os erros dos outros, só vão aprender quando a merda estourar aqui

Aprender com quem já passou pelo problema é agir rápido e firmemente jairbolsonaro Imagina se o presidente entrasse em histeria? A mídia iria criticar do mesmo jeito... vida que segue... ⏩ Eita Brasil véi de guerra Na mesma época que o Brasil tem 300 infectados a Itália tinha 3 infectados........ Imagina o governo brasileiro então.

Aqui a gente tem um abestado falando em 'histeria' e alimentando teorias da conspiração, e o fiel gado doutrinado prefere acreditar que o mundo todo está errado e em um gigante complô do que simplesmente admitir que votou em um imbecil, parece até o pessoal da terra plana A mesma coisa que a presidência do BR e seus imbecis querem fazer no país.

As pessoas acham que se protegem através somente de muros, grades e portões, mas que o que está por vim pode levar tudo o que “te protege”. Tão fazendo o mesmo aqui no Brasil. Principalmente em Santos.

Vítimas de coronavírus na Itália enfrentam a morte sem direito a funerais - Saúde - EstadãoDecreto da quarentena no País proibiu cerimônias civis e religiosas, incluindo funerais, para impedir a propagação do vírus, o que vem causando sofrimento extra às famílias; necrotérios de hospitais estão lotados Desbloqueia o conteúdo seus mané 🥺 A china conseguindo foder com o mundo inteiro......

Mesmo erro do Jair (sobre isso)? Acho q não! Pelo visto, o presidente aqui segue cometendo o mesmo erro Engraçado, no Brasil também! Spoiler do Brasil daqui alguns dias 'País subestimando a doença' Parece até o país q eu tô vivendo k É o que está acontecendo no Brasil?

Itália já aplicou mais de 27 mil multas para quem descumpriu quarentena - Saúde - EstadãoPessoas só podem sair às ruas para ir ao trabalho, fazer compras, passear com o cachorro ou praticar esportes, mas individualmente No Brasil pode ser aplicável ao Bozo ? Por aqui SF_Moro fez o mesmo. Só falta agora a imprensa marron folha exame VEJA RevistaISTOE começarem a meter o pau e falar que é facismo. Aguardemos Aqui no Brasil, paga-se pra quem pegar o vírus e virar cobaia... Ê Brasil véi lasqueira...

Fiorella Mattheis mostra relatos do irmão, em isolamento na Itália - Emais - EstadãoA atriz compartilhou uma troca de mensagens por WhatsApp com Alexandre Gelli Mattheis, que segundo ela está há três semanas 'trancado' em casa Emais_Estadao Pela foto, se não for atual, ela não está seguindo o exemplo do irmão. Emais_Estadao eu comia

Coronavírus: Itália supera marca de 2.000 mortos - CartaCapitalO país apresentou 349 falecimentos nas últimas 24 horas, informaram os órgãos de saúde Por lá os governantes também tiravam sarro da doença e 'patriotas' se achavam autorizados a ignorar os avisos de isolamento? O Brasil está se esforçando pra superar a Itália. Parece copa do mundo de COVID E as greves da policias? A gripe mata quase 1 milhão ano. Acidentes de trânsito. Feminicídio. Somos uma sociedade narcísica, egocêntrica. Leiam e vejam vídeo de Vladimir Safatle. Livro, Só mais um esforço. Um alerta para o mundo, quantos mais precisarão morrer!!

França, Itália e Espanha restringem negociações no mercado acionário para conter liquidação - Economia - EstadãoEstadaoEconomia França, Itália e Espanha restringem negociações no mercado acionário para conter liquidação Economia Simples assim. Economia Certas coisas, como essa, não adiantam ser ditas para os imbecis, pois vão continuar fazendo.

França e Itália podem estatizar empresas para evitar falências devido a perdas por coronavírusFrança e Itália podem estatizar empresas para evitar falências devido a perdas por coronavírus G1 Ue? Pensei que o Neo Liberalismo resistia a tudo de ruim, na hora que aperta eles correm pra pedir ajuda do Estado E o Brasil privatizando tudo , até as pessoas. O liberalismo acaba no primeiro toque da realidade.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus Quando saiu há quase um ano do Brasil, como bolsista da Fapesp, rumo à Itália, a bióloga não imaginava que teria essa oportunidade profissional.Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia Os necrotérios do hospital estão superlotados.Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia Apenas lojas de alimentos e supermercados, farmácias e tabacarias podem abrir.novo coronavírus .

Mas, do ponto de vista pessoal, Rafaela está assustada com o que enfrenta na rotina do país. Fica praticamente em casa, sai apenas para ir ao mercado, à farmácia e para fazer experimentos no laboratório das pesquisas que desenvolve. Muitos deles foram enviados para a Igreja de Todos os Santos em Bergamo, localizada no cemitério fechado, onde dezenas de caixões de madeira encerados formam uma linha macabra para cremações. Apesar dos problemas por conta do isolamento imposto pela epidemia, Rafaela acredita que essa é a saída, neste momento, para conter o contágio do vírus. O documento deve explicar os motivos pelos quais a pessoa está fora de casa. “O erro da Itália foi subestimar a doença”, diz a pesquisadora. Ele disse que, com centenas morrendo a cada dia, e com cada corpo levando mais de uma hora para ser cremado, havia um atraso terrível. Ele vê risco de o Brasil virar uma nova Itália se as pessoas não tomarem consciência de que o problema é grave. Só ontem morreram mais de 350 pessoas.

 A seguir, principais trechos da entrevista ao Estado , concedida por telefone." Uma lei nacional de emergência publicada na semana passada proibiu cerimônias civis e religiosas, incluindo funerais, para impedir a propagação do vírus. / EFE. Como a sra. foi parar na Itália? Vim para cá em junho de 2019 para tocar o projeto de pesquisa que desenvolvo no Albert Einstein sobre vírus zica. Em suas breves orações aos familiares, que usavam máscaras, Bergamelli disse que tentou dar consolo e esperança e pediu que as pessoas se tornassem mais próximas, se estivessem autorizadas, daqueles que estavam sozinhos. Fiz uma colaboração com a doutora Elisa Vicenzi, que é especialista em coronavírus, influenza e zica. Ocorre que acabei dentro de um laboratório que é especializado em coronavírus na Itália. O aviso de morte de Testa apareceu na sexta-feira em um jornal local, L'Eco di Bergamo.

Não tive como deixar essa oportunidade passar. Entrei para esse grupo de pesquisa e para mim foi maravilhoso. Na sexta-feira, havia 10 páginas e o restante foi dedicado ao vírus devastador em Bergamo. Qual é a pesquisa sobre o novo coronavírus da qual a sra. participa? Estou trabalhando junto com os pesquisadores italianos em dois projetos. “São pessoas que morrem sozinhas e que são enterradas sozinhas. Um deles é estudar como esse vírus infecta algumas células de morcego.

Os morcegos são a principal fonte da família de coronavírus da natureza. Muitos dos parentes próximos estão em quarentena. Eles são um reservatório. Esses animais têm o vírus e não ficam doentes. Ele tinha 70 anos. Tentamos entender o que eles têm para que o vírus não os infecte. Isso poderá levar a uma possibilidade de tratamento. O vírus “está massacrando este vale; todas as famílias estão perdendo alguém querido”, disse ele.

O outro projeto estuda as células do sistema imunológico dos pacientes, como essas células são infectadas. Estamos ainda no começo das pesquisas. Em Fiobbio, um povoado nos arredores de Bergamo, uma ambulância veio buscar o pai de Luca Carrara, 86 anos, no sábado. Como é o seu dia a dia? Estamos trabalhando em condições terríveis para fazer a pesquisa. Alunos não podem ir para a universidade. Carrara, de 52 anos, não pôde visitá-los no hospital e ficou em casa em quarentena, onde começou a mostrar sintomas do vírus. Tenho que ir para o laboratório para fazer os ensaios.

Mas, para eu poder sair de casa, preciso carregar um documento que diga que eu estou envolvida em projeto do corona. Seus corpos são mantidos no necrotério do hospital e aguardam a cremação. Isso porque, se me pararem,  tenho como justificar por que estou andando na rua. Moro em Milão e tenho que pegar um metrô até a Universidade Hospedale San Rafaele."Ainda mais sozinhos. Só vou para o hospital nos dias em que eu tenho experimento no laboratório, que são poucos. O resto da semana estou praticamente em casa. Em vez disso, os trabalhadores entregaram em sua casa um caixão, algumas velas, uma cruz e uma geladeira mortuária para que ele pudesse deixar o pai na sala de estar.

Esta semana fiquei cinco dias em casa direto, só saindo na minha varanda. Só saio para ir ao mercado e para fazer a pesquisa, quando preciso. No sábado, di Palma seguiu um carro fúnebre carregando o corpo do pai até um cemitério em Bergamo, onde um zelador os deixou entrar e trancou os portões. Como está Milão? Do comércio, só funciona farmácia, mercado e uma ou outra padaria. Não tem restaurante aberto. Di Palma disse que seu pai queria ser cremado, mas a espera foi longa. No mercado estamos entrando em cinco pessoas por vez e fazemos fila mantendo distância uns dos outros.

A situação da Itália é realmente muito triste. Em um país onde muitos aprendem na escola sobre o temido Monatti, que, precedido pelo toque de um pequeno sino, buscava cadáveres em carroças durante a praga de Milão do século 17, a acumulação de cadáveres parece uma cena de outra época. O índice de letalidade do coronavírus está em 7,3%, bem acima da média da China e também da média global. Qual é a lição que fica da Itália? Como cientista,  digo que as pessoas que possam fazer home office, que parem. Enquanto as autoridades de saúde dizem que não acreditam que o vírus possa ser transmitido postumamente, Bosi disse que os pulmões de um cadáver frequentemente liberam ar ao serem movidos. Reduzir o convívio social para diminuir o risco de contaminação deve ser uma atitude coletiva. Não ir a shopping, a academia. "Se não formos nós que recolhermos os mortos", acrescentou,"eles terão que chamar o exército".

Sabemos de todo o impacto econômico e social disso. Onde a Itália errou? A Itália foi fazendo os bloqueios gradativamente. Fechou umas cidades, mas deixou outras pessoas circularem, recomendando lavar as mãos, manter a distância. Isso foi muito gradativo. A Itália não abraçou o problema no começo, foi deixando as coisas acontecerem até que a situação se agravou.

Diferentemente da Coreia do Sul, que fez o bloqueio antecipadamente. Assim que tinha um caso diagnosticado, era bloqueada a entrada e saída de pessoas e a circulação na região. Lá as pessoas entenderam a mensagem, permaneceram em casa e a quantidade de casos na Coreia do Sul hoje é baixíssima comparada à da Itália e à da Espanha. O erro da Itália foi não ter a idéia da dimensão que isso poderia tomar, ela subestimou a doença Qual é a lição que a Itália deixa? As pessoas reduzam as atividades e a circulação em lugares públicos, que façam já e não esperem que isso ocorra por meio de um decreto, para que o Brasil não chegue na situação da Itália, que teve de parar tudo. A lição da Itália é que as atitudes nossas individualmente são muito mais importantes do que esperar alguma ação do governo.

Outro erro da Itália é que ela demorou para reconhecer que estava existindo uma transmissão comunitária, quando o vírus não vem já do país onde começou o surto, mas está se espalhando dentro do próprio país. Por todo histórico de pandemia do coronavírus, na minha opinião, o governo deveria restringir a circulação de pessoas, as instituições principalmente. São Paulo já deveria estar bloqueada. O Brasil corre o risco de virar uma Itália? Eu acho que sim. Além do mais, temos outros problemas seríssimos, como a dengue, e agora a gripe também.

É muito importante se vacinar para que as epidemias não se misturem, porque isso vai sobrecarregar o sistema de saúde. A quantidade de UTIs (Unidades de Terapia Intensiva), o grande número de pessoas que dependem do SUS (Sistema Único de Saúde). Acho que, com tudo isso, tem risco de o Brasil virar uma Itália. Mesmo com uma população mais jovem? A mortalidade entre os mais jovens é menor, mas existe. Entre 40 e 49 anos, a mortalidade é 0,4%.

Acima de 60 anos, 3,6%, e entre 70 e 79 anos, é de 8%. Se houver outras doenças associadas, o risco aumenta. A faixa de risco é bastante grande. Qual é a situação dos hospitais na Itália? Não está fácil. Talvez no Brasil a gente esteja mais acostumado a enfrentar catástrofes: enchente, dengue.

Mas aqui, não. Os médicos estão trabalhando à exaustão. Num primeiro momento, a Itália dispensou os residentes por causa do risco de contaminação. Mas agora já recrutaram todos os residentes. Existem muito médicos infectados que não podem trabalhar.

Não há leitos nos hospitais, e o que os médicos declaram em vídeos é que estão tendo de fazer escolhas: quem tem mais chance de sobreviver vai para a UTI, e quem tem menos fica no oxigênio e recebe cuidados paliativos. Qual é o protocolo adotado? Como paciente, a recomendação é não ir ao hospital, a não ser que você esteja com sintomas mais severos, como falta de ar e febre alta. Se você tiver sintomas brandos, a recomendação é ficar em casa e não fazer teste. Só fazem teste para quem dá entrada no hospital. Aqui existem os médicos da família.

Você pode acessá-los e eles podem dar instruções ou ir até o paciente para avaliar. Até em casos graves eles pedem para esperar o médico em casa antes de ir para o hospital, porque há risco potencial de se tornar uma agente infectante andando pela ruas. Existe uma expectativa de quanto tempo vai durar esse isolamento? Enquanto eles não constatarem uma baixa de casos severos, que dependem de hospital e que levam à morte, acho que o governo vai manter um pouco mais o bloqueio da circulação de pessoas no País. Como a sra.  se sente hoje? Estou isolada, não posso sair do país.

Parece que estou aqui há meses. Estava super acostumada a passear, ir para a praça, tomar um sorvete, pegar o trem no final de semana, ir para uma cidade perto e passar algumas horas. Moro sozinha, não tenho família aqui e os meus únicos contatos são praticamente os do trabalho. Psicologicamente é um desafio terrível. Estou estudando bastante o corona e isso ocupa bastante a minha cabeça.

E, por ser cientista, entendo melhor a necessidade de fazer isso. Está longe de se descobrir uma vacina contra o coronavírus ? A previsão é de um ano. Sendo muito otimista, com tudo funcionando, em oito meses algum laboratório poderia lançar. Tem algumas empresas que estão trabalhando 24 horas por dia, e estão prometendo uma vacina por um tempo recorde de um ano. Para essa epidemia, essa vacina não será útil.

Mas, se o vírus se instalar na população e se tornar uma coisa sazonal, então a vacina será útil para a próxima vez que a epidemia surgir. Qual é o recado que a sra. daria aos brasileiros? A mensagem principal é que, no começo, a gente não acredita que possa chegar onde chegamos. Depois, quando vemos que a nossa vida parando, percebemos a gravidade. O simples fato de eu abrir o jornal e ter antes uma página de anúncios fúnebres e, depois do vírus , dez páginas, mostra a dimensão do problema.

Na hora que olhamos as fotos das pessoas que morreram e a quantidade de páginas de anúncios fúnebres dos jornais, vamos caindo na real de que não se trata de uma simples gripe. Todo mundo tem que fazer a sua parte individualmente, evitar sair de casa, se cuidar. Não subestimar a doença. O fato de as pessoas se manterem em casa é para que o vírus não se espalhe em um curto período de tempo para todo mundo e não sobrecarregue o sistema de saúde, que não vai aguentar. Notícias relacionadas .