Editora suspende distribuição de livro em que CEO do Carrefour falava sobre combate ao racismo - Brasil - Estadão

Editora suspende distribuição de livro em que CEO do Carrefour falava sobre combate ao racismo

24/11/2020 14:20:00

Editora suspende distribuição de livro em que CEO do Carrefour falava sobre combate ao racismo

Ediouro Publicações disse que medida ocorre após o assassinato de João Alberto Freitas em uma unidade do supermercado em Porto Alegre. A editora se solidarizou com a família da vítima

Leia TambémApós assassinato de João Alberto, Carrefour anuncia fundo de R$ 25 milhões de combate ao racismoA medida ocorre após o assassinato de João Alberto Silveira Freitas na quinta-feira, 19, em uma das unidades do Carrefour na cidade de Porto Alegre. “A decisão do grupo editorial foi tomada em conjunto com o autor do livro depois dos graves acontecimentos ocorridos em 19 de novembro, dia em que

Mulher, negra e enfermeira é a primeira a receber dose da Coronavac contra covid-19 - Saúde - Estadão Mulher, negra e enfermeira será a primeira a receber dose da Coronavac - Saúde - Estadão Anvisa aprova, por unanimidade, uso emergencial das vacinas Coronavac e Oxford - Saúde - Estadão

João Alberto Silveira Freitas, um homem negro, foi morto por seguranças de uma loja do Carrefour em Porto Alegre”, divulgou a Ediouro em nota. “Com esta ação, a Ediouro presta sua solidariedade à família da vítima neste momento de enorme tristeza”, acrescentou a editora. A publicação havia sido lançada em meados de novembro e reunia uma série de entrevistas. A morte de João Alberto levou a protestos e reações de crítica ao racismo em diversas cidades do País. O Carrefour disse lamentar a morte e ter tomado providências, como a demissão dos envolvidos. A empresa anunciou também um

Consulte Mais informação: Estadão »

200.000 mortos | Coronavírus | G1

Uma aula para pequenas midias 😉👇🏻 somos todos iguais perante a lei e não vai ser a midia que vai muda a lei 😉 E vocês apoiam o comunismo? Rconstantino A morte do cara não tem nada a ver com racismo, agora a esquerda vai usar o defunto como fez com Mariele até sair a ultima gota de sangue. Vergonha alheia.

O ato criminoso do Carrefour não foi racismo. Foi um caso de violência extrema q a justiça julgar. Se o crime tivesse ocorrido em outra data, não política, as lideranças lacradoras minoritárias comunistas, teriam ficado caladas, junto com a imprensa vermelha. Só querem o caos. Pq ele deu um SOCO no segurança Heim

Não foi racismo!!!! Parem de atacar o carrefourbrasil , eles ja apoiaram muito esses movimentos que separam pessoas entre brancos, pretis, gays e heteros. Hoje eles provaram do veneno de vocês, um valentão, raptor consensual, agressor de mulheres morreu em briga com seguranças dentro da loja. NÃO FOI RACISMO, FOI HOMICIDIO.... QUERO SABER O QUE O RAPAZ FALOU PARA MOÇA ANTES DE DAR UM SOCO NOS SEGURANÇAS.

palhaçada isso o sujeito entra lá, agride os segurança etc Tinha uma porrada de maria da penha nas costas e agora é usado como mártir de um racismo imaginário. VÃO TRABALHAR! Essa militância racialista é fascismo puro