Economistas criticam posicionamento do governo Bolsonaro frente à pandemia do coronavírus

Coronavírus

Presidente defendeu 'volta à normalidade' para evitar crise econômica.

Coronavírus

26.3.2020

Economistas criticam posicionamento do governo Bolsonaro frente à pandemia do coronavírus G1

Presidente defendeu 'volta à normalidade' para evitar crise econômica.

Medidas econômicas para aliviar impacto da pandemia ainda estão no papel Economistas, ex-presidentes e diretores do Banco Central e ex-ministros condenaram o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro sobre a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Economistas falam sobre o desafio do coronavírus na economia Em pronunciamento em rede nacional na noite de terça-feira (24), Bolsonaro fez um apelo pela "volta à normalidade", a reabertura do comércio e a reabertura das escolas. Na fala, ele chamou a doença de "resfriadinho", contrariou especialistas e pediu o fim do "confinamento em massa" e culpou a imprensa por "espalhar pavor". Economistas afirmam, no entanto, que se a epidemia sair de controle, as consequências econômicas podem ser até mais graves, e que salvar vidas deve ter prioridade sobre metas fiscais anuais. Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda Pedro Malan critica postura do governo Bolsonaro em combate a coronavírus "Hoje nós (precisamos) mais do que nunca de um poder Executivo com capacidade de coordenação, que não estejam em reiterados conflitos com o Congresso, com a comunidade científica, com a mídia profissional, com os fatos e com uma parcela expressiva da opinião pública. O Brasil precisa hoje mais do que nunca de uma serena combinação de humildade e confiança por parte de suas lideranças. Humildade para entender a natureza das incertezas do risco que corremos. Confiança na nossa capacidade de nos erguermos à altura dos desafios atuais que acho que não são poucos. O que os brasileiros não precisam e não merecem nessa hora grave são desvarios e destemperos verbais por parte do Poder Executivo". Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central (BC) Gustavo Loyola defende renda mínima básica para combater impactos do coronavírus "Nesse momento, eu acho que o governo federal tem que agir e agir como se tivesse em uma guerra. Nós temos inúmeros cadastros no Brasil, a nível federal, a nível estadual, a nível municipal, de pessoas carentes que recebem algum tipo de transferência do Estado. Isso poderia ser mobilizado para assegurar uma renda mínima durante o período de três, quatro meses para esses trabalhadores" Henrique Meirelles, ex-Ministro da Fazenda "A causa da crise não é uma questão econômica, financeira. A causa da crise é uma pandemia, é um problema de saúde. a crise econômica vem como consequência. Então nós temos que preservar as empresas, fazer com que as empresas possam se manter em funcionamento, etc. Passar por esse período de crise, ajudar as pessoas. Mas a prioridade agora tem que ser conter a razão da crise - que é a pandemia. A razão da crise, que é a doença, preservar a vida das pessoas e depois também preservar a economia". Maílson da Nóbrega, ex-ministro da Fazenda "Em primeiro lugar, está o objetivo de salvar vidas; em segundo lugar, de pôr dinheiro nas mãos das pessoas, particularmente as de renda mais baixa, as menos favorecidas. Em terceiro lugar, salvar as empresas de uma quebra. Esse é o objetivo terceiro. O primeiro é salvar vidas. O presidente parece dar a impressão de que ele prefere contar os mortos do que contar os desempregados. Acho que não é hora de pensar em ajuste fiscal, até porque a medida aprovada pelo Congresso, a proposta do poder executivo de decretar calamidade já geram autorização para o governo não cumprir a meta de resultado primário. O resultado primário para este ano é estimado em R$ 124 bilhões e, provavelmente, vai ser muito mais que isso. Já se calcula que pode chegar a R$ 300 bilhões. O que é preciso é que sejam medidas temporárias, evitar que as medidas fiscais se incorporem aos usos, aos costumes, às expectativas dos governadores, dos prefeitos, é preciso que ela seja temporária. Passada a crise, aí sim voltamos à tarefa que é inarredável de colocar novamente as finanças públicas em ordem no Brasil". Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central Questão essencial agora é de saúde pública, diz ex-BC "Me parece que a questão essencial agora é de saúde pública, que tem predominância inclusive sobre a economia. O fundamental nesse momento é fazer com que epidemia consiga ser reduzida de maneira de não sobrepujar a capacidade dos hospitais de atender os doentes e daqueles que vão precisar de cuidado intensivo. Se a gente permitir que a epidemia saia de controle, as consequências econômicas podem ser, inclusive, piores. Então, nesse momento, temos que deixar as pessoas em casa e pensar em alguma maneira de ajudar do ponto de vista de renda. Vai ter que passar pelo Estado, vai nos custar muito caro. O país vai sair dessa crise com a situação fiscal ainda pior do que entrou. O que significa o seguinte: passada a crise, vai ter que fazer uma força enorme, do ponto de vista de ajuste fiscal; depois, vamos precisar de mais reformas do que a gente precisava, e vamos precisar delas mais rápido do que se imaginava que seria necessário fazer. Tudo isso em um contexto de um presidente que vive em conflito permanente, com a sociedade agora, e com o Congresso, o que torna mais difícil qualquer perspectiva de sucesso nessa frente". José Roberto Mendonça de Barros, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda "A chanceler alemã Angela Merkel disse que, do ponto de vista da Europa, é o maior desafio desde a Segunda Guerra Mundial, o que dá uma ideia dessa dimensão. Porque essa combinação da pandemia com a guerra comercial que já vinha de tempos, e a guerra do petróleo provocou a pior coisa para uma economia, que é a parada súbita. De repente, cria-se uma situação onde o isolamento social é a medida a ser tomada, e isso significa que tudo para. Quando isso acontece, os fluxos financeiros param, as vendas param, e isso que pode provocar o colapso de companhias, de setores, e já irá provocar em qualquer circunstância uma recessão global na qual nós estaremos dentro. A única reação admissível dos governos, fora seguir as orientações médicas da OMS, de realmente fazer um isolamento inicial para tentar quebrar essa dinâmica do crescimento da transmissão é colocar a política fiscal de uma forma agressiva, para poder auxiliar as pessoas e as empresas a atravessarem esse papel. É lógico que ao fazer isso, qualquer ideia de meta, de déficit, tem que ser deixada para depois. Não é bom, mas é o que aconteceu. E nós vamos ter o governo se endividando mais para poder fazer isso. E do lado do banco Central, baixar juros tem um efeito psicológico, mas a potência da política monetária é menor". Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga fala em dispor 3 a 4% do PIB para aquecer economia brasileira durante crise "Essa é uma crise diferente das que tivemos no passado, porque afeta diretamente a capacidade de produção das economias, as pessoas ficam afastadas do seu trabalho, isso significa que é preciso ter algum tipo de amortecedor, choque social. Nós temos um conjunto enorme de pessoas no país que vivem com rendas muito baixas, vivem na informalidade e é preciso tratar delas nesse momento. Eu venho, junto com outros (economistas), defendendo que se acionem os mecanismos que já existem para manter a economia funcionando. Isso seria possível através do canal do Bolsa Família, do Cadastro Único. Eventualmente até de uma mobilização para cadastrar mais gente. Já existe ideias circulando por aí e elas estão sendo aprimoradas. Eu tenho expectativas de que o governo tem condições de agir rápido e é preciso que aja." Monica de Bolle, economista Economista ressalta importância do suporte para população carente "A fala do presidente é absolutamente irresponsável. É difícil até descrever o grau de irresponsabilidade dessa fala, porque ela revela um total desconhecimento da ciência e do que os infectologistas estão dizendo a respeito da ciência. Ao invés de fazer um discurso sem qualquer embasamento, era bom que ele estivesse trabalhando para fazer as medidas necessárias para atender a população mais vulnerável sobre as quais eu e outros economistas temos falado. Essas medidas têm que atender não só as pessoas que recebem Bolsa Família, mas, sobretudo, os cerca 36 milhões dos desassistidos de qualquer programa social, além de dar muitos recursos ao SUS. O que o governo deveria fazer é articular o pacote a ser dado de assistência à população e à economia de forma geral como o que vários países estão fazendo. (...) Há toda uma rede de proteção social que precisa ser reforçada e o Brasil está perdendo um tempo precioso neste momento". José Alexandre Scheinkman, professor da Universidade de Columbia José Alexandre Scheinkman fala sobre impacto do coronavírus na economia "Nós, como economistas, precisamos pensar o que temos de fazer para diminuir o impacto econômico desse isolamento social. Então, por exemplo, neste fim de semana, o Arminio Fraga (ex-presidente do Banco Central), o Vinícius Carrasco (economista) e eu fizemos um artigo para um jornal. E, no artigo, a gente fala da necessidade de se preservar a estrutura de pequenas e médias empresas no Brasil, principalmente nas áreas urbanas. Tem de ter um sistema de crédito para isso. É isso o que está se fazendo nos Estados Unidos e nos países da Europa. O estado está ajudando o setor privado a atravessar esse período, que a gente espera que seja relativamente curto, de semanas. Por esse período curto, o estado vai ter de ajudar a manter a estrutura econômica. Eu acho que não existe outra maneira. É uma atitude muito irresponsável você pensar que serão aceitas as mortes de 2 milhões de pessoas ou que, por alguma razão, a população vai ficar imune (do coronavírus)". Márcio Holland de Brito, professor da FGV-SP e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda Professor da FGV Márcio Holland de Brito fala sobre impacto do coronavírus na economia "As medidas anunciadas pelo governo têm se mostrado tímidas e estão sendo anunciadas de forma um tanto quanto desorganizada. Acho que é hora de organizar um pouco mais o pacote de medidas, alinhar mais o Banco Central (BC) com o Ministério da Economia, alinhar mais as medidas tributárias com as medidas de crédito para irrigar a atividade econômica. A decisão de juros do Comitê de Política Monetário (Copom) na última reunião foi bastante tímida e desalinhada com a realidade dos fatos. O BC tem que reduzir de forma mais tempestiva a sua taxa de juros, o que vai diminuir os encargos financeiros da dívida pública e sinalizar para os bancos reduzirem as suas taxas de empréstimos bancários. Do lado do governo federal, está faltando medidas mais articuladas para sustentar a renda das famílias brasileiras, especialmente dos mais vulneráveis e dos informais. Tem mais 12 milhões de famílias no Cadastro Único que poderiam ser incorporadas ao Bolsa Família. O Bolsa Família tem hoje um benefício médio de R$ 200 que poderia ser facilmente dobrado para R$ 400. Suspensão de alguns tributos federais para as empresas manterem a sua folha de pagamento e evitar demissões também é muito importante". Marcelo Neri, diretor da FGV Social "O Brasil dispõe de uma rede de proteção social, com o Bolsa Família e o Cadastro Único, que nos permite atuar numa velocidade bastante alta, dando recursos para os mais pobres e atingindo, de alguma forma, o setor informal. É importante atuar com velocidade nos dois sentidos, no sentido da entrada dos recursos, de não economizar, não poupar, já que estamos falando de vidas, situações muito criticas, mas ao mesmo tempo a gente não cair no problema de criar despesas permanentes que vão dificultar muito a saída da crise." Consulte Mais informação: G1

É o que parece Talvez vocês vão querer contar as pessoas morrendo de fome por falta de emprego ou pessoas que vão morar na rua pelo mesmo motivo. Para o presid. é uma questão matemática! O kra q mais defendeu a reforma trabalhista, vê q se não é possível aumentar o número de emprego para q aumente a arrecadação, a solução é diminuir os debitos. Ou seja diminuir o número de idosos!!!!

Tá na época de Lula gripe H1N1 matou gente pra caramba ele não estava nem ai né vcs ficaram em silêncio 🤫 a grana construiu estádio em vez de hospital onde vcs estava hum 🤫 grana desviada vcs em 🤫 outros países não aceitamos críticas Rede esgoto de televisão. Vocês são péssimos, jogam contra nosso país o tempo todo. Bonner fétido. GloboLixo

CNPJ se recupera, CPF não ressuscita. Acho milhares de pessoas estão nas ruas para atender as pessoas que estão em casa. A comida não aparece do nada, não há mágica e temos que perceber isso. Taí uma opinião imparcial 😉👍 Começou a quebradeira em São Paulo. Iniciaram as demissões em massa. Só de restaurantes, 12 mil demissões. O Dória está vendo isto?

Bienal de São Paulo, que começaria em setembro, muda de data - Cultura - EstadãoDecisão foi tomanda com o objetivo de garantir a segurança dos visitantes, artistas e colaboradores em meio à pandemia do coronavírus Cultura NESTE MOMENTO EM QUE INFORMAÇÃO É ESSENCIAL, O ESTADÃO, O GLOBO E A FOLHA DEVERIAM PARAR DE LIMITAR O ACESSO A SUAS NOTÍCIAS, NÃO?!

Se a economia é destruída, pessoas morrem tbm. kkkkkk! A Globo vai buscar até a opinião de ascensoristas, desde que contrários ao presidente. Depois desse posicionamento que o chefe da nação tomou, ja começo a ver pessoas saindo para as ruas e até mesmo marcando encontros familiares. Perigosso isso não acham ?

Ele praticamente disse q os jovens vão sobreviver e os velhos vão morrer de qualquer jeito, então para q se preocupar Até citou a mãe... é um insano! ķķk Na realidade, ao meu ver, a intenção dele é enxugar os gastos do governo e da previdência social com o pagamento de aposentadoria dos idosos causando um genocídio velado.

A onda da cooperação humanitária ainda não chegou aqui - CartaCapitalOpinião | Nenhuma pessoa ou nação é uma ilha. O que fizermos hoje terá reflexos no futuro para o nosso país e nossas comunidades. Por Milton Rondó Leia mais:

Alcolumbre diz que fala de Bolsonaro na TV é 'grave' e que país precisa de 'liderança séria'Em pronunciamento, Bolsonaro pediu 'volta à normalidade' em meio à pandemia do coronavírus , fim do 'confinamento em massa' e disse que meios de comunicação espalharam 'pavor'. Já temos uma liderança jairbolsonaro 😎👉 Inhago Quem tem boca fala o que quer, aqui não é a China, ainda temos liberdade de expressão, aliás, chinês aqui só o vírus. E pensar que o temer não vai ser o pior presidente da história....👀👀👀👀👀

Messi faz doação de 1 milhão de euros a hospital de Barcelona - Esportes - EstadãoEspanha vem se tornando um dos países mais atingidos pela pandemia do novo coronavírus nos últimos dias Esporte Aprende neymarjr Esporte Cadê os bilionários brasileiros para fazerem uma doaçãozinha! Liviamorenita Esporte Agora chama o parça Neymar Jr pra fazer a mesma coisa

Neto detona clubes brasileiros: 'Estão aproveitando para não pagar salário'NA BRONCA COM OS CLUBES🤬🚫💰 Neto detona clubes brasileiros: 'Estão aproveitando para não pagar salário' lancenet Neto e Bolsonaro direto pra fossa. Kkkkkkk Quem entrevista isso ainda E ta errado? Dxa os governos e as federacoes pagar os atletas...

Por coronavírus, venda online no Brasil cresce e sobrecarrega sistema das empresas - Brasil - EstadãoPandemia do novo coronavírus faz crescer comercialização pela internet; empresas podem contratar funcionários para o período Isso ai pessoal! Vamos manter a economia rodando, quando ficar doente descanse! Sem remuneração táokei?!



Em relatório a ministério, Ceasa desmente Bolsonaro, que apaga vídeo | Radar

Com coronavírus, empresário faz festa com cerca de 15 pessoas no RN; 'Errei feio, fui irresponsável'

Mortos em casa e cadáveres nas ruas: o colapso funerário causado pelo coronavírus no Equador

Carlos Bolsonaro atuará na campanha de reeleição de prefeito do Rio

Médica que associou 'soro da imunidade' à Covid-19 nega intenção de enganar, mas aceita acordo com MP

Padre faz transmissão de benção on-line e vira meme com filtros divertidos: 'Acionei sem querer'

Internações por problemas respiratórios cresceram na última semana, mas em ritmo menor, diz Fiocruz

Escrever Comentário

Thank you for your comment.
Please try again later.

Últimas Notícias

Notícia

25 março 2020, quarta-feira Notícia

Notícias anteriores

Câmara aprova projeto que prevê envio de merenda escolar diretamente para pais dos alunos

Próxima notícia

‘Agressões e brigas não salvarão o País’, dizem governadores do NE em resposta a Bolsonaro - Política - Estadão
Isolada em casa, jovem ganha festa surpresa com bolo 'inspirado' na pandemia de coronavírus Coreia do Norte insiste que não tem nenhum caso de coronavírus Facebook exclui perfil de Sikêra Jr, apresentador da RedeTV! - ISTOÉ Independente Casos de coronavírus no Brasil em 2 de abril 'Caiam na real: governadores e prefeitos oferecem esmolas com dinheiro alheio', diz presidente do BB - Economia - Estadão Regina Duarte encarna a nova radical de Bolsonaro contra isolamento social | Maquiavel Coronavírus: Filipinas ordena a policiais matar quem violar quarentena O Rio em silêncio: vídeo mostra a cidade em tempos de isolamento 'Você fala por milhões', diz Bolsonaro a mulher que pediu comércio aberto e criticou governadores - Política - Estadão Covid-19 já mata mais por dia que a tuberculose, doença infecciosa mais letal do mundo Que países e territórios ainda não têm casos confirmados de coronavírus? Como fazer máscaras contra o coronavírus: veja vídeo e dicas
Em relatório a ministério, Ceasa desmente Bolsonaro, que apaga vídeo | Radar Com coronavírus, empresário faz festa com cerca de 15 pessoas no RN; 'Errei feio, fui irresponsável' Mortos em casa e cadáveres nas ruas: o colapso funerário causado pelo coronavírus no Equador Carlos Bolsonaro atuará na campanha de reeleição de prefeito do Rio Médica que associou 'soro da imunidade' à Covid-19 nega intenção de enganar, mas aceita acordo com MP Padre faz transmissão de benção on-line e vira meme com filtros divertidos: 'Acionei sem querer' Internações por problemas respiratórios cresceram na última semana, mas em ritmo menor, diz Fiocruz Brasil tem 201 mortes e 5.717 casos confirmados de coronavírus, diz ministério Falas de Bolsonaro sobre coronavírus viram piada em Portugal – Vídeo | Radar Da Vera: Ao se associar a Lula, Doria comete seu maior erro na crise Felipe Prior é eliminado do 'BBB20' com 56,73% dos votos Bolsonaro fala em união e pacto pela vida — Será uma mudança de postura? | Radar