Cartacapital, Carta Capital, Manuela Carta, Mino Carta, Lula, Política, Economia, Sociedade, Brasil, Progressista, Jornalismo Crítico, Transparente, Ana Luiza Basilio, Moro, Veja, İstoé, Editora Confiança, Assine Carta, Assine Carta Capital, Esquerda, Luiz Inácio Lula Da Silva, Delfim Neto, Afonsinho, Belluzzo, Revista Época, Bndes, Correios, Funai, Cidadania, Lava Jato

Cartacapital, Carta Capital

De Bacurau aos extremistas: 'Por que vocês estão fazendo isso?' - CartaCapital

Filme flagra um vilarejo sob ataque dos americanos, num Nordeste de faroeste que foi separado do 'Brasil do Sul'

25/08/2019 20:37:00

Bacurau flagra um vilarejo sob ataque dos americanos, num Nordeste de faroeste que foi separado do ‘ Brasil do Sul’. Veja entrevista com diretores.

Filme flagra um vilarejo sob ataque dos americanos, num Nordeste de faroeste que foi separado do ' Brasil do Sul'

Foto: DivulgaçãoFilme flagra um vilarejo sob ataque dos americanos, num Nordeste de faroeste que foi separado do ‘Brasil do Sul’A certa altura da ficção futuristaBacuraufica-se sabendo que o sertão nordestino foi separado do chamado Brasil do Sul, que conservou para si apenas as praias paradisíacas da região. O povoado de Bacurau situa-se na terra desprezada (e não nomeada, talvez Brasil do Norte), “daqui a alguns anos”, numa sinfonia perturbadora mesclada de elementos de distopia emergente e de utopia resistente. Bacurau está sob ataque de um grupo formado majoritariamente por americanos, que caçam e matam seres humanos do Nordeste brasileiro pelo simples prazer de caçá-los e matá-los. “Por que vocês estão fazendo isso?”, perguntam repetidas vezes os bacurauenses, sem obter respostas.

Lançada por Trump e propagandeada por Bolsonaro, hidroxicloroquina está vetada em hospitais nos EUA Brasil tem 70 mil mortes por coronavírus e mais de 1,8 milhão de infectados, mostra consórcio de veículos de imprensa Redes sociais contribuíram para aumento de fake news, diz Barroso - Política - Estadão

Rodado no Sertão do Seridó, na divisa entre o Rio Grande do Norte e a Paraíba, o filme, que estreia nos cinemas na quinta-feira 29, tem sido acolhido calorosamente em festivais internacionais como o de Cannes (recebeu o prêmio do júri na competição principal) e o de Lima (melhor filme, melhor direção e prêmio da crítica internacional), à parte a provocação endereçada aos irmãos do Norte.

“A gente estava fazendo um western, que é um gênero genuinamente americano, e os westerns clássicos das décadas de 1940 e 1950 colocam os índios como os invasores. Nossa ideia era corrigir isso, porque a história real é completamente outra”, afirma um dos diretores pernambucanos, Juliano Dornelles, que assina o filme ao lado de Kleber Mendonça Filho, depois de ter cuidado da direção de arte dos dois longas ficcionais anteriores do cineasta, O Som ao Redor (2013) e Aquarius (2016). “O filme americano tem um registro muito dele, e a representação dos personagens estrangeiros no cinema americano tende a ser problemática”, explica Mendonça, que exemplifica com Um Dia a Casa Cai, uma produção assistida na adolescência, nos anos 1980. “Um Dia a Casa Cai começa estranhamente na Praia de Copacabana, num ritual de candomblé, e a mãe de santo está falando espanhol”, espanta-se.

Desta vez, a casa cai para os americanos, que são representados de forma propositalmente caricatural, como vilões chapados, hiperviolentos e sedentos de vingança contra não se sabe o quê. O ator alemão Udo Kier, que trabalhou com Wim Wenders, Gus Van Sant, Lars von Trier e Quentin Tarantino, interpreta o líder alemão dos estrangeiros, que se considera mais americano que os americanos do grupo. O contraponto a ele é a paranaense (e internacional) Sônia Braga, como a líder comunitária dos quilombolas, indígenas e demais desvalidos de Bacurau.

Os diretores contam que a ideia surgiu em 2009, quando, participando de um festival com Recife Frio, assistiram criticamente ao tratamento etnográfico dado por documentaristas a personagens brasileiros tidos como “simples”. “Alguns escalam esse tipo de preconceito e condescendência. Vimos os cineastas repetindo esse modelo”, descreve Dornelles. “Essa foi a chave, porque não era a televisão comercial fazendo isso, que é básico. Eram pessoas legais, fazendo filmes”, completa Mendonça.

O western subvertido. Brasil e Alemanha/Estados Unidos enfrentam-se nas figuras de Sônia Braga e Udo Kier, líderes de comunidades em guerraDe 2009 para cá, a abordagem dos preconceitos contra os ditos “simples” evoluiu para a compreensão geral rasa que o Brasil devota aos nordestinos e ao Nordeste. Eis aí outra das provocações centrais de Bacurau, povoado por personagens brasileiros negros, indígenas, mestiços, trans etc., versus estrangeiros brancos, altos e musculosos. A guerra se dá entre esses dois grupos simbólicos, e a reação dos nordestinos ao massacre, talvez utópica, não é da natureza da apatia tão habitual a nós brasileiros diante de todo tipo de abuso e arbitrariedade.

Como aconteceu com Aquarius, Bacurau apresenta um notável senso de timing em relação aos acontecimentos da chamada vida real. A trama de Aquarius, com cupins que corroem um edifício histórico do Recife, coincidiu com a deposição de Dilma Rousseff, que meses antes da estreia do filme descrevera o processo de impeachment como um fenômeno no qual a democracia era uma árvore corroída de dentro para fora por parasitas (cupins?). Em Bacurau, o Brasil levemente futurista é em tudo (e tragicamente) semelhante ao Brasil presente estraçalhado por Jair Bolsonaro. “Quando a gente filmou, Bolsonaro tinha 15% das intenções de voto, 15% de doidinhos que estavam soterrados em ódio”, descreve Dornelles.

Polícia divulga cartaz e pede informações que levem MC Poze e outros 2 foragidos à prisão Sudão criminaliza mutilação genital feminina - Internacional - Estadão Como casamento 'sem noivo' e princesa incomum mudaram os rumos do Brasil

A gravação acompanhou o abandono gradual da democracia no PaísMendonça revela a sequência dos fatos e da ficção: “Quando retomamos Bacurau, depois de Aquarius, nós estávamos nesse abandono gradual da rota democrática. E algo muito estranho começou a acontecer nos Estados Unidos. Donald Trump começou a parecer uma possibilidade. O filme antes do Trump era muito mais absurdo do que o filme pós-Trump”.

Quanto a Bolsonaro, Bacurau foi rodado entre março e maio de 2018, antes da facada, quando o candidato ainda parecia uma alternativa irreal. Os diretores comparam o modo jocoso como o hoje presidente se refere ao Nordeste com os episódios de preconceito “suave” que dizem sempre ter sofrido por serem nordestinos. O ponto de virada, aí, é a reeleição de Dilma em 2014. “Durante muitos anos, eu realmente sentia uma redução nesse tipo de incidente. Na reeleição, comecei a perceber algo estranho, como se fosse uma volta ao passado”, lembra Mendonça. “Aí houve uma onda muito forte de ódio contra os nordestinos nas redes sociais. Foi quando achei que tinha um primeiro sinal de que alguma coisa estava errada. Com o golpe e com os desenvolvimentos seguintes, a gente tem percebido isso cada vez mais.”

Os diretores Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho filmam em Barra, no sertão do Rio Grande do Norte /Foto: Victor JucáDornelles faz o contraponto: “Na linha do tempo, a gente viu o resultado das eleições de 2018, e cai por terra aquele argumento de que ‘é porque eles são ignorantes, viciados em esmola’. A gente viu que o Nordeste não elegeu Bolsonaro”.

Os cineastas afirmam não haver resquícios de Luiz Inácio Lula da Silva no herói relutante representado no líder facínora Lunga (o cearense Silvero Pereira). “Lunga foi escrito como personagem trans, aí a gente achou essa pessoa incrível que é Silvero”, conta Mendonça. “Seria interessante ser um personagem trans por representatividade, por quebra de expectativa. Seria colocar o poder na mão de um personagem que poderia, por ser o que é, ser alguém fragilizado. Não, fragilizado nada, ele é o rei, a rainha disso tudo”, completa Dornelles.

Consulte Mais informação: CartaCapital »

STF nega pedido da defesa de Lula contra decisão de Moro na Lava Jato - CartaCapitalDefesa contestou autorização para a realização de perícia em documentos sigilosos da Odebrecht. Saiba mais:

'Mostras de imaturidade': livro relata vida de Bolsonaro nos quartéis - CartaCapital‘O Cadete e o Capitão – A vida de Jair Bolsonaro no quartel’ apresenta outra versão para a sua absolvição por terrorismo. jairbolsonaro Ele chantageou exército pra ter votação favorável se fosse condenado entregaria o exército nas suas barbáries no período da ditadura, com isso ganhou sua aposentadoria! BolsonaroEnvergonhaOBrasil e o exército Brasileiro Ora!

Com incerteza sobre recursos, CNPq pode cortar 84 mil bolsas de pesquisa - CartaCapitalCampanha reúne 879 mil apoiadores para pressionar governo a liberar crédito suplementar destinado ao pagamento das 84 mil bolsas vigentes

Carlos Bolsonaro critica Macron e o chama de 'Doria francês' - CartaCapitalO filho 02 de Bolsonaro saiu em defesa do pai, criticado por líderes mundiais pelas políticas referentes às queimadas na Amazônia.

Fogo na Amazônia: Embaixadas brasileiras são alvo de protestos pelo mundo - CartaCapitalHouve manifestações em Berlim, Munique, Londres, Paris, Dublin, Madrid, Barcelona, Amsterdã, Nápoles, Berna, Genebra, Mumbai, Quito e Cali. Leia mais: