Cartacapital, Carta Capital, Manuela Carta, Mino Carta, Lula, Política, Economia, Sociedade, Brasil, Progressista, Jornalismo Crítico, Transparente, Ana Luiza Basilio, Moro, Veja, İstoé, Editora Confiança, Assine Carta, Assine Carta Capital, Esquerda, Luiz Inácio Lula Da Silva, Delfim Neto, Afonsinho, Belluzzo, Revista Época, Bndes, Correios, Funai, Cidadania, Lava Jato

Cartacapital, Carta Capital

Coronavírus escancara realidade escravista de diaristas e domésticas - CartaCapital

Filhos de empregadas criam campanha para patrões darem dispensa remunerada às suas mães: 'Vai além do vínculo empregatício, é o bom senso'

10/04/2020 14:15:00

Change.org | Filhos de empregadas criam campanha para patrões darem dispensa remunerada às suas mães: ‘Vai além do vínculo empregatício, é o bom senso’.

Filhos de empregadas criam campanha para patrões darem dispensa remunerada às suas mães: 'Vai além do vínculo empregatício, é o bom senso'

“Minha mãe trabalha como empregada doméstica, babá, diarista desde os 14 anos. Nesse surto de coronavírus aqui no país, nenhum empregado disse que pagaria para ela”, conta Bruna Fabrícia da Silva em relato postado na rede social do coletivo. “Ela é diarista hoje em dia, trabalha em quatro casas pela semana. A diária da minha mãe é 80 reais, mas mesmo assim eles não pagam para ela se resguardar”, completa a moradora de João Pessoa (PB).

Provas apontam para 'real possibilidade' de associação criminosa, diz Moraes sobre gabinete do ódio Eduardo e Carlos Bolsonaro dizem que operação contra 'gabinete do ódio' é inconstitucional - Política - Estadão Moraes determina quebra de sigilo de investigados e bloqueio de perfis na internet

Essa realidade e de outras trabalhadoras que foram simplesmente dispensadas sem qualquer amparo, levou o coletivo a iniciar um mapeamento das mulheres que estão enfrentando situações do tipo e precisam de apoio financeiro para pagar as contas de casa, bem como de colaboradores que desejam ajudá-las. O movimento #ApadrinheUmaDoméstica já recebeu formulários de pelo menos 53 empregadas e cerca de 15 “padrinhos”.

“A quarentena, o isolamento social, que é recomendado pela OMS [Organização Mundial da Saúde], não é um privilégio, é um direito de se manter seguro e assegurar os seus coletivos familiares. E para que isso aconteça, os empregadores e empregadoras precisam entender que a quarentena remunerada vai além do vínculo empregatício, é o bom senso”, fala a atriz Jessica Meireles em vídeo publicado no Instagram do “Pela Vida de Nossas Mães”.

Em seu relato, Jessica afirma que a quarentena remunerada é a “medida mínima” a ser oferecida a essas mulheres “que passam a vida inteira trabalhando e cuidando de outras famílias, para que neste momento elas possam se assegurar e assegurar o seu coletivo”. Ao final, a jovem pede: “Se você tem uma empregada doméstica, faça a dispensa remunerada”.

Racismo estrutural, contexto escravocrataA pandemia do novo coronavírus ainda não chegou ao pico no país, mas já trouxe uma crise para a saúde e a economia. Outro efeito que a Covid-19 está provocando no Brasil é a exposição das muitas mazelas que assolam seu povo, especialmente os cidadãos mais vulneráveis. Moradores de rua, entregadores de delivery, caminhoneiros, trabalhadores autônomos e informais sentem-se encurralados entre morrer de fome ou de coronavírus.

No caso das empregadas domésticas e diaristas, a pandemia jogou ainda mais luz sobre um assunto que muitos fingem não ver: o racismo estrutural e o contexto escravocrata da sociedade brasileira. Juliana França, nascida e criada em Japeri, município da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, é uma das integrantes do “Pela Vida de Nossas Mães” e, em depoimentos para o coletivo, contou sobre sua realidade como filha de empregada doméstica.

O coletivo se mobiliza por meio de uma carta-manifesto (Foto: Rede social Pela Vida de Nossas Mães)“A gente tem um histórico de quatro séculos de escravidão neste país, quase quatro séculos. Isso quer dizer que ainda hoje, 2020, a gente vive numa sociedade estruturalmente racista. Aí você vai me dizer: ‘Ah, mas eu não escravizei ninguém’. Mas você se beneficia dos privilégios herdados desse contexto escravocrata. Assim como os nossos corpos, pretos e periféricos, são acometidos diariamente por essa sociedade racista”, relata a jovem.

França e Itália proíbem uso da hidroxicloroquina para tratar a Covid-19; Bélgica faz alerta contra a droga Ministro do TCU suspende anúncios do BB em sites acusados de espalhar fake news - Política - Estadão Caso George Floyd: morte de homem negro filmado com policial branco com joelhos em seu pescoço causa indignação nos EUA

Ainda sobre o contexto, Juliana observa que essa realidade também reflete um número maciço de mulheres pretas e periféricas que ocupam o cargo de empregadas domésticas no país. “A gente precisa entender qual é a nossa função nesse atual momento de pandemia da Covid-19. A gente só vai passar por isso coletivamente”, afirma a jovem no depoimento.

De patrões que sugeriram a empregadas ficarem de quarentena no trabalho a outros que dizem não poder perdê-las na pandemia porque elas “são da família”, os inúmeros relatos de filhas e filhos de diaristas parecem tirados de cenas do filme “Que horas ela volta”, protagonizado por Regina Casé. A trama, assim com a vida real, mostra como a naturalização dos dos privilégios e desigualdades alimentam também uma cruel relação de subserviência.

➤Preço dos alimentos sobe com a crise do coronavírus, revela IBGE“Minha mãe tem 63 anos e ainda é diarista, mesmo aposentada, para ter uma graninha a mais. E por mais que eu converse com ela, ainda existe uma relação de subserviência de quem não teve outra oportunidade na vida”, narra Sueli Alves, que mora na capital paulista.

E assim como o de Sueli, multiplicam-se os relatos de filhos e filhas dessas trabalhadoras lembrando como suas mães migraram de outros estados para trabalhar de domésticas nas grandes capitais, “desde os 12 anos limpando, cozinhando, criando filhos dos patrões, fugindo de homens que tentavam abusar dela”, ou indo “trabalhar doente para manter seus compromissos”, mesmo com o risco do coronavírus, para não ser demitida.

Renda emergencialabaixo-assinado criado pelo movimento “Pela Vida de Nossas Mães”destaca que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a nação possui 6,3 milhões de profissionais que prestam serviços domésticos, como diaristas, jardineiros e caseiros. Do total, conforme apontado pelo coletivo, 2,3 milhões trabalham sem carteira assinada e 2,5 milhões são diaristas que estão desamparadas por leis trabalhistas e não possuem contratos legais.

➤Bolsonaro é"mercador da dúvida" no coronavírus, diz americanaDepois de muita demora, o governo finalmente começou a pagar o auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores autônomos, informais e microempreendedores individuais (MEI). O Senador também aprovou a inclusão de outras categorias de beneficiários, incluindo diaristas, taxistas, manicures, pescadores, entre outras. A medida pode trazer algum alívio a esses trabalhadores, mas não isenta empregadores do bom senso de suas responsabilidades.

'Liberdade de imprensa não é construída por robôs', diz Alexandre de Moraes - CartaCapital Cinco alunos suspeitos de racismo em colégio da Zona Sul do Rio são afastados pela direção Vendedor de 27 anos reclamou de tosse alérgica horas antes de morrer com Covid-19: 'Não consigo falar'

Na campanha, o coletivo apresenta algumas medidas que podem ser adotadas por patrões de empregadas domésticas, como a dispensa remunerada e o adiantamento das férias em sua totalidade ou de forma parcial. A petição foi incluída em um movimento de enfrentamento ao coronavírus, lançado pela Change.org, para dar mais visibilidade às campanhas relacionadas à pandemia.

Muito obrigado por ter chegado até aqui...... Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho deCartaCapital.O jornalismo vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Está a serviço da democracia e da diversidade de opinião, contra a escuridão do autoritarismo do pensamento único, da ignorância e da brutalidade. Há 25 anos

CartaCapitalexercita o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta ao compromisso de fiscalizar o poder onde quer que ele se manifeste.Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja

Sócio CartaCapital Consulte Mais informação: CartaCapital »

Patrões de empregadas domésticas são maioria de esquerda. Esqueça. Não passam de pessoas com discursos lindos mas só não peça pra colocarem em prática. Seria o certo mesmo, mas... É por isso que a classe média escravagista quer o fim do isolamento, não querem ficar com os filhos e não tem mais dinheiro pra pagar delivery,e também não sabem cozinhar... almas sebosas

A revolta da classe média que apoia bolsonaro começou quando foi aprovada lei que obrigava patrões assinar carteira de trabalho das domésticas. Era o fim de uma exploração centenária. Houve ameaças e demissões sem pagamento de direitos. Transformadas em diaristas os abusos seguem 🙏🙏🙏👏👏👏 A matéria é boa... mas em determinado momento vcs colocam domésticas no mesmo balaio de caminhoneiros e motoboys, não estão Estes últimos fazem parte dos trabalhadores essenciais, bem diferente da situação das domésticas

Filhos de empregadas, assim como todos os outros, deveriam procurar serviço para faturar algum dinheiro e levar para casa Não vão falar nada sobre os 256mi na conta da Marisa Letícia? Porque as negras são a maior parte da categoria? Por que uma negra para representar uma empregada doméstica? MarceloFreixo MarceloBackes_ ajudem a dar visibilidade para este assunto... Essas muitas mães precisam ser vistas pela sociedade que precisa delas e nesse momento lavaram as mãos, no pior sentido que lavar as mãos poderia ter agora.

Meu medo! e quem vai lavar minha roupa? Aqui já fizemos isto . Ultra merecido , quero para todos aquilo que desejo !! Concordo! Nesse momento o ideal e devido é ficar em casa e pagando seus devidos salários! É questão de fraternidade, humanidade! 🙏🏼 Isso é o básico. É o mínimo que se pode fazer.

Coronavírus atinge marca de 1,5 milhão de infectados em todo o mundoCoronavírus atinge marca de 1,5 milhão de infectados em todo o mundo G1 coronavírus Quem q tá jogando plague inc com a gente ? mrcatra renasceu como coronavirus Pq tão saindo de casa ?

Teste em mãe de recém-nascido que morreu com coronavírus em Natal dá negativo; secretaria amplia investigaçãoSegundo Secretaria Municipal de Natal, investigação parte para procura de anticorpos no sangue da paciente. Equipe ainda não sabe como bebê adquiriu a doença. Ué, então n morreu de corona? Coitadinho. Ele foi infectado na maternidade. 😢 Mas quem morreu?

Coronavírus: tire suas dúvidas sobre a pesquisa de medicamentos no combate à Covid-19Série de reportagens do G1 mostra o que se sabe a respeito do combate ao vírus, desde a reação natural do corpo até o status dos testes in vitro. Ja sabedomos g1 lixo vai la APOIAR GOGOBOY DO DORIA....CLOROQUINA DO BOZO FUCIONA MUITO BEM BolsonaroEstavaCerto o tempo todo, eus imbecis... Quem vai tirar dúvidas num portal fraudulento que prega a mentira, desinformação e fakes?!

País soma 700 mortes e mais de 14 mil casos de coronavírus, segundo secretarias - CartaCapitalO estado do Tocantins segue sendo o único do País a não registrar mortes em decorrência da covid-19. no caso agora são quase 80 mil mortes Cadê os dados escritos

Fome e falta de dinheiro: coronavírus aumenta dificuldades na Cidade de Deus - CartaCapitalComo 40% da força de trabalho do Brasil , os moradores dessas comunidades tendem a trabalhar no setor informal. Confira:

Uip explica a razão de não revelar uso de cloroquina | VEJA GentePressionado para divulgar tratamento, David Uip explica a razão de não revelar se usou cloroquina - Gostei da auto receita preventiva tomou sim se não tivesse tomado ele falava logo que não e não ficava com esse circo todo Esse cara é médico?