Coronavírus: cientistas brasileiros preparam teste de medicamento que reduz carga viral em 94%

15/04/2020 18:30:00

Pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) descobriram em testes laboratoriais que um medicamento reduz em até 94% a carga viral do novo coronavírus.

Pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) descobriram em testes laboratoriais que um medicamento reduz em até 94% a carga viral do novo coronavírus.

Pesquisadores não vão revelar o nome do medicamento até que os testes clínicos em pacientes com covid-19 comprovem a eficácia, mas disseram que medicamento tem baixo custo, ampla distribuição em farmácias brasileiras e não tem efeitos colaterais graves.

Laboratórios no mundo todo correm para tentar desenvolver vacina e medicamentos contra o coronavírus Cloroquina O próximo passo dos cientistas é buscar outros medicamentos para compor um coquetel que possa aumentar ainda mais a eficácia do tratamento.Esses fármacos foram submetidos a testes com células infectadas por coronavírus em testes de laboratório.Esses fármacos foram submetidos a testes com células infectadas por coronavírus em testes de laboratório.Aeroporto Internacional de Viracopos , em Campinas, a 97 quilômetros da capital.

De acordo com os pesquisadores do CNPEM, a cloroquina, recomendada como tratamento já na fase inicial da covid-19 pelo presidente Jair Bolsonaro, foi usada como referência, mas não está entre as drogas testadas.A cloroquina, ou hidroxicloroquina, é um dos fármacos já aprovados no Brasil e utilizados para outras doenças que são vistos como alternativas imediatas na luta contra o coronavírus.Os pesquisadores não vão revelar o nome do medicamento até que testes clínicos em pacientes com covid-19 comprovem a eficácia.Isso ocorre porque eles já passaram as inúmeras etapas de avaliação necessárias para lançar um remédio no mercado, como testes em animais, por exemplo.Segundo os cientistas, porém, esse medicamento tem baixo custo, ampla distribuição em farmácias brasileiras e não tem efeitos colaterais graves.Mas não há evidências conclusivas sobre a eficácia destas drogas contra o vírus, nem sobre a segurança de seu uso em pacientes da nova doença.O remédio é inclusive indicado para uso pediátrico.Grande parte desses estudos clínicos é feita diretamente com pacientes infectados.Com a chegada dessa carga, até o dia 24 de abril, serão processados 5 mil teste por dia.

Alguns são realizados in vitro.Laboratórios no mundo todo correm para tentar desenvolver vacina e medicamentos contra o coronavírus Foto: GETTY IMAGES Cloroquina O próximo passo dos cientistas é buscar outros medicamentos para compor um coquetel que possa aumentar ainda mais a eficácia do tratamento.Laboratórios no mundo todo correm para tentar desenvolver vacina e medicamentos contra o coronavírus Foto: GETTY IMAGES Cloroquina O próximo passo dos cientistas é buscar outros medicamentos para compor um coquetel que possa aumentar ainda mais a eficácia do tratamento.O combate contra o novo coronavírus inclui ainda testes com plasma sanguíneo, células do cordão umbilical e até mesmo sangue de vermes marinhos.Luz síncrotron A expectativa dos cientistas do CNPEM é que as pesquisas deem um salto após o início das atividades do acelerador de partículas Sirius, que promete ser a mais avançada fonte de luz síncrotron do mundo.PUBLICIDADE A cloroquina, ou hidroxicloroquina, é um dos fármacos já aprovados no Brasil e utilizados para outras doenças que são vistos como alternativas imediatas na luta contra o coronavírus.Por esse motivo, a estação de pesquisa projetada para experimentos com moléculas de fármacos deve ser priorizada para entrar o quanto antes em operação.Isso ocorre porque eles já passaram as inúmeras etapas de avaliação necessárias para lançar um remédio no mercado, como testes em animais, por exemplo.O Sirius poderá analisar de maneira inédita a estrutura e o funcionamento de estruturas micro e nanoscópicas, como nanopartículas, átomos, moléculas e vírus.Mas não há evidências conclusivas sobre a eficácia destas drogas contra o vírus, nem sobre a segurança de seu uso em pacientes da nova doença.600 nesta segunda-feira.

É como se os pesquisadores pudessem tirar um raio-x em três dimensões, e em movimento, de materiais e partículas extremamente pequenas e densas, como pedaços de aço e rocha, e até de neurônios.O equipamento será o segundo acelerador de partículas de 4ª geração do mundo, mas será o mais moderno por diversos fatores, principalmente por emitir luz com o brilho mais intenso e ter uma capacidade superior de análise.Alguns são realizados in vitro.Alguns são realizados in vitro.COMO SE PROTEGER:.

Consulte Mais informação:
BBC News Brasil »
Loading news...
Failed to load news.

se o tal medicamento terem 94% de eficácia porque procurar fazer coquetel com outros? é hora de testes em humanos e rápido Meu amigo não adianta opiniao de nenhum PHD da OMS, o que interessa é que o povo esta sendo curado e é o unico protocolo que temos, quando desenvolver um melhor e que funciona e seja economicamente viável usaremos.

Daqui a 10 anos estará disponível. Que Deus abra os caminhos de todos os que batalham por buscas de cura!!! anita? tchoore In vitro Se não há nome do medicamento e nem conclusão do estudo, pra que ficar divulgando? Por isso não acredito em 'briga' entre BolsonaroGenocida e VelhaImprensa. Cuidado para o Bozo não barrar. Afinal ele e a maldita cloroquina são as únicas soluções para a “gripezinha”.

Esse medicamento é a Ivermectina, já testada in vitro por pesquisadores na Australia. De baixo custo e amplamente usado. Uma grandíssima irresponsabilidade veicular a notícia com uma manchete dessas.

Coronavírus: cientistas brasileiros preparam teste de medicamento que reduz carga viral em 94%Os pesquisadores analisaram mais de 2 mil medicamentos e selecionaram seis que tiveram potencial de reduzir a reprodução do vírus. Parabéns aos cientistas brasileiros. Desejo muito que o próximo governo invista em bolsas científicas, pois esse praticamente acabou a pesquisa no país. Annita Primeiro a testar: carluxo, Eduardo bananinha, e Flávio chocolate. Depois Bolsonaro, general Heleno, onyx babão 😁

Bola dentro Isso é o mesmo que anunciar o doce mais gostoso do mundo e logo em seguida dizer que pode matar... Tá Ok? Isso é uma notícia que deveria estar no TTs, porém, como brasileiro gosta de merda, tipo radicalismo político, mortes e etc. Vamos ter que continuar pesquisando para achar notícias animadoras como essa. Que Deus nos ajude e ilumine esses pesquidores.

Tomara Em nome de Jesus já deu certo ! Vamos curar nossos irmãos e levantar essa nação. chegar de sermos conhecidos mundialmente, como preguiçosos, ignorante vamos fazer um Brasil melhor. Daqui a 10 anos estará disponível e produzida na china para distribuição mundial. Seria, dióxido de cloro, aspirina ou hidroxicloraquina?

Pelo menos uma boa noticia Se Bolsonaro falar desse remédio,logo irá aparecer um monte de gente desqualificando britadeiraa

Coronavírus: cientistas brasileiros preparam teste de medicamento que reduz carga viral em 94%Os pesquisadores analisaram mais de 2 mil medicamentos e selecionaram seis que tiveram potencial de reduzir a reprodução do vírus. Parabéns aos cientistas brasileiros. Desejo muito que o próximo governo invista em bolsas científicas, pois esse praticamente acabou a pesquisa no país. Annita Primeiro a testar: carluxo, Eduardo bananinha, e Flávio chocolate. Depois Bolsonaro, general Heleno, onyx babão 😁

in vitro. ainda bem que se recusaram a dizer qual é, senão a palhaçada já ia começar de novo Maior contribuição da ciência de Campinas para a humanidade desde a publicação d'O Capitalismo Tardio Tem que ser a Cloroquinaaaaa. Cloroquina. Fala Cloroquina Buaaaaaaa Faaaalaaaa 🐄 vania89844880 Olha que boa notícia SoniaAbrao

Carga com 726 mil testes para coronavírus chega a São Paulo - Saúde - EstadãoEncomenda é do Instituto Butantan, que ainda aguarda outros 500 mil testes para reduzir demanda reprimida de confirmações de casos de covid-19 E aí? Em tempo, testes são sempre bem-vindos.

Coronavírus: o que é a carga viral dos pacientes e por que ela coloca os profissionais de saúde em riscoQuanto maior a exposição ao vírus, maior a gravidade da doença e as possibilidades de contágio

Coronavírus: o que é a carga viral dos pacientes e por que ela coloca os profissionais de saúde em riscoTendência ao redor do mundo é de que, apesar de usar roupas e máscaras protetoras, profissionais de saúde são os que mais ficam infectados e com mais chances de ficarem gravemente doentes. URGENTE: O Presidente americano realDonaldTrump instruiu sua administração a SUSPENDER o financiamento da OMS (WHO) enquanto os EUA investigam a organização por grave improbidade e acobertamento da disseminação do coronavírus! Atitude corretíssima! 🇧🇷🤝🇺🇸

A prisão do homem que promove ‘laço de amizade’ entre o Brasil e a ChinaConheça Marcos Zheng, detido no sábado, 11, sob suspeita de liderar quadrilha que furtou 15 mil testes de coronavírus e 2 milhões fausto_macedo Certamente mais um cidadão de bem... 🐂🐂🐂 fausto_macedo Alô Estadão, vocês deixaram cair aqui o resto da imagem.... fausto_macedo Vcs vão exigir desculpas do governo q espalhou o vírus ou só o governo brasileiro q tem q pedir desculpas ?