Veja

Veja

Carta ao Leitor: Uma reflexão necessária

Carta ao Leitor: Debate econômico e científico sobre a maconha medicinal deve trazer seriedade e afastar olhar simplista #VEJA

15/05/2021 01:55:00

Carta ao Leitor: Debate econômico e científico sobre a maconha medicinal deve trazer seriedade e afastar olhar simplista VEJA

Debate econômico e científico sobre a maconha merece ser encarado com seriedade e não contempla argumentos simplistas e enviesados

Da RedaçãoAtualizado em 13 Maio 2021, 19h40 - Publicado em 14 Maio 2021, 06h00A CURTIÇÃO E O DINHEIRO - Festival de Woodstock e venda de mudas de maconha no exterior: mercado pujante - Fotos Bill Eppridge/The LIFE Picture/Getty Images e Gilberto Tadday/.

Ministério da Saúde diz que vai receber 15 milhões de doses da vacina da Pfizer em julho Casal vai responder por calúnia após falsa acusação a professor de surfe negro no Leblon | Rio de Janeiro | G1 Hospital do Rio promove encontro de casal internado com Covid e que está junto há 66 anos

PublicidadePublicidadeNão faz muito tempo, falar sobre maconha significava, inevitavelmente, discutir os seus efeitos entorpecentes e viciantes sobre os usuários e todo o aspecto policialesco que envolve drogas ilícitas no país. Na outra ponta do debate, os defensores procuravam minimizar os riscos e invocar a defesa dos direitos individuais para sua utilização, como vem acontecendo desde os tempos do movimento hippie, celebrado em festivais como o de Wood­stock. Esse embate, carregado de conotações ideológicas, começa a perder espaço para outro tipo de discussão, agora pautada por princípios científicos e econômicos.

Diversos países, entre eles México, Uruguai, Canadá, Holanda e Estados Unidos, descriminalizaram o uso recreativo da maconha. Um brasileiro que desembarque em Los Angeles não tem como deixar de se surpreender com a quantidade de outdoors de empresas que oferecem a venda on-line da substância. Em paralelo, é crescente o número de nações que permitem a venda, fabricação e importação de produtos que usem derivados da planta da maconha (a headtopics.com

Cannabis sativa) na elaboração de medicamentos para o tratamento de doenças como epilepsia, esclerose múltipla, artrite e outras que provocam dores crônicas. França, Reino Unido e Alemanha, para citar apenas alguns exemplos, se enquadram nessa categoria.

O processamento dos derivados da cannabis, livres dos componentes que provocam efeitos alucinógenos e dependência, se transformou em um pujante ramo da indústria farmacêutica, com potencial para movimentar 62 bilhões de dólares nos próximos três anos. Empresas conceituadas como os gigantes alemães Bayer e Merck realizam pesquisas na área e fundos de investimentos aportam recursos em startups que exploram esse novo mercado.

No Brasil, em que pese a resistência do governo de Jair Bolsonaro e seus seguidores, existe um promissor segmento de pesquisa farmacêutica e de negócios. Atualmente, já se produz em território nacional e se comercializa nas farmácias um derivado da

cannabispara tratamento de um tipo raro de epilepsia. Uma série de empresas dos mais variados portes se dedica a importar e oferecer versões feitas no exterior de medicamentos que beneficiam cerca de 30 000 pessoas devidamente autorizadas pela Anvisa para compra e consumo, com acompanhamento médico. Com leis menos restritivas, esse contingente pode passar de 1 milhão de beneficiados e criar um mercado de 4,7 bilhões de reais. É um cenário que merece ser encarado com seriedade e não contempla discussões simplistas e enviesadas, baseadas em visões anacrônicas. Confira a reportagem que se inicia na página 44. headtopics.com

Fotos mostram que casa de Lázaro Barbosa, suspeito de chacina em Ceilândia, tem itens que indicam bruxaria e rituais, diz polícia Ciro afasta eleitores de esquerda, mas não parece capaz de conquistar a direita, diz cientista político Pedágio registra 6,6 mil veículos em motociata de Bolsonaro Consulte Mais informação: VEJA »

G1 Ouviu #145 - Zé Vaqueiro desbrava o sertão com CDs caseiros de forró e ganha o Brasil

Ouça podcast e conheça a história do cantor que começou viajando o sertão de pernambuco fazendo shows de graça e divulgando sua música e despontou com sua pisadinha romântica.

Mourão sobre carta da Pfizer: 'Essa carta não foi repassada para mim'Em depoimento à CPI da Covid, ex-secretário de Comunicação Fabio Wajngarten disse que carta com oferta de vacina para o Brasil foi enviada a várias autoridades do governo. NatuzaNery governo criminoso... 22 é logo ali seus vermes NatuzaNery Ninguém nunca viu essa carta não? Pqp NatuzaNery E o fato de ser uma “potencial” vacina? Foda-se né

Manuel Jabois: “Não acredito no leitor que não discute nem critica as notícias”Jornalista do EL PAÍS compartilha sua visão sobre o jornalismo e sobre como contar a pandemia. Para ele, um dos poucos efeitos positivos que o vírus trouxe foi “o sentimento de comunidade, de pertencimento” ediiaa Pelo que Pazuello disse o governo da Venezuela ficou sabendo da gravidade da crise do oxigênio em Manaus antes do governo brasileiro, e imediatamente se dispôs a ajudar, coisa que fez sem contar com nenhum apoio de Brasília. Foi incompetência, má fé ou negligência do Planalto.

Carta de Einstein com famosa equação vai a leilão por 2,1 milhões reais - ISTOÉ IndependenteA equação E=mc², a equação da relatividade, é (quase) tão famosa quanto seu criador, o cientista Albert Einstein. Para não restar dúvidas, é só olhar o valor que uma carta de Einstein com essa equação vai a leilão: o valor inicial estimado em 400 mil de dólares, aproximadamente 2,1 milhões reais. As informações […]

Casal homoafetivo recebe carta com ofensas de vizinho, em Curitiba: 'Lugar de vocês não é aqui'Texto foi deixado na caixa postal do apartamento. Casal registrou boletim de ocorrência, e a Polícia Civil vai investigar. Paraná, né, gente? Mesmo estado onde o vizinho reclama da roupa da vizinha. Nível 0 de surpresa. usar Deus pra ser homofobico é tao ridiculo a bíblia pra esse povo é igual self service pego o que eu quero o resto eu finjo que nao existe Em quem será que o vizinho homofóbico votou pra presidente em 2018?

Leia a carta que Bruno Covas escreveu dois dias antes de morrerPrefeito de São Paulo morreu de câncer aos 41 anos. Na carta, ele fala das consequências catastróficas da pandemia e critica o governo federal no enfrentamento da Covid. NatuzaNery Espero que tenha pedido perdão a Deus, pois com certeza foi pro colinho do capeta. NatuzaNery Não tenho coração pra isso hoje :( NatuzaNery O cara no leito de morte faz recomendação e propaganda de partido, era melhor nem ter escrito.