Brasil registra 662 mortes por Covid em 24 h, pior marca desde outubro; média móvel de casos conhecidos é recorde pelo 10º dia

País tem 625.169 óbitos e 24.782.922 casos registrados do novo coronavírus, segundo dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa.

Númerosdapandemia

28/01/2022 02:06:00

Brasil registra 662 mortes por Covid em 24 h, pior marca desde outubro; média móvel de casos conhecidos é recorde pelo 10º dia g1 númerosdapandemia

País tem 625.169 óbitos e 24.782.922 casos registrados do novo coronavírus, segundo dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa.

É a pior marca de vítimas registradas em um só dia desde 5 de outubro do ano passado (quando tivemos 686).Brasil, 27 de janeiroO país também registrou 228.972 novos casos conhecidos de Covid-19 em 24 horas, chegando ao total de 24.782.922 diagnósticos confirmados desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de casos nos últimos 7 dias foi a 170.572 - a maior marca registrada até aqui e marcando o décimo recorde seguido. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +150%, indicando tendência de alta nos casos da doença.

Consulte Mais informação: g1 »

O Programa de Todos os Programas – Saiba tudo sobre TV

Saiba tudo sobre TV no Programa de Todos os Programas. Acompanhe o que acontece no mundo da televisão no Portal R7. Consulte Mais informação >>

Brasil x Coronavirus Infelizmente, ta querendo voltar com tudo. Essa semana vai passar de 1 milhão de casos descobertos O ano passado o máximo que chegou foi 539 mil casos em uma semana Vamos é pra guerra de vez VacinaSim Brasil x Covid-19 Veja a infor do país E da Bahia com 80% O terror de vocês acabou,G1Lixo

E isso que nem começaram as aulas. Kkkkk Funciona sim Vamos para a 4, 5 ou sexta dose. 🤡🤡🤡🤡🤡 Imagina no carnaval?🤡 A maioria dessas 662 mortes são de pessoas não vacinas, só lamento! 😶 Daqui a pouco aparece alguém pra culpar o presidente Bolsonaro pelo SARS-CoV-2 e sua variante ômicron. As vacinas estão aí...a culpa é de quem?

E isso pq nem começou o carnaval!!!😿😿😿

Com 228.954 casos de Covid-19 registrados em 24 horas, Brasil bate novo recorde | CNN BrasilO Brasil registrou 228.954 casos de Covid-19 em 24 horas, um recorde. O maior número alcançado desde o início da pandemia, até então, era de 224.567 registrados na última quarta-feira (26). Os números são do Conass Enquanto isso, o governo federal revoga decretos de luto oficial Sem novidade!Covid não assusta mais! Toma a 3 dose é pega Covid! Covid virou gripe! E lá vem a 5 dose , quem não tomou não está completo 🐉

Covid: em novo recorde, Brasil registra 224 mil casos em 24 horas, diz Conass | O AntagonistaHouve 570 mortes, o que elevou para 624.413 o número de óbitos desde o início da pandemia no país; total de infecções subiu para 24.535.884. 📢 COMEÇARAM A INFLAR OS NÚMEROS PARA CAUSAR O TERROR! 📢 INFELIZMENTE ESTÁ TUDO APARELHADO E NINGUÉM INVESTIGA NADA!

Brasil registra 224 mil novos casos de covid-19 em 24 h, segundo ministérioO Brasil registrou 224.567 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, como informou o Ministério da Saúde em boletim divulgado hoje. Até o momento, o total de infectados pelo novo

Covid: Com 219 mil, Brasil tem recorde de casos conhecidos em 24 horasO Brasil teve 219.878 novos casos conhecidos de covid-19 nas últimas 24 horas. O número é o maior já registrado em um só dia desde o começo da pandemia. Os dados são do consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte.

Brasil registra 228 mil novos casos de covid-19 em 24 h, segundo ministérioEm boletim divulgado hoje (27), o Ministério da Saúde informou que foram notificados 228.954 casos de covid-19 em todo o Brasil nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, o total de infectados chegou a 24.764.838.Pelos dados divulgados pe

Covid-19: Brasil bate novo recorde de casos registrados em 24 horas - CartaCapitalO número de pessoas que perderam a vida em consequência da Covid-19 alcançou 624.413

O Brasil registrou nesta quinta-feira (27) 662 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 625.169 óbitos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias é de 417 -- a maior registrada desde 11 de outubro do ano passado (quando estava em 440). Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +201%, indicando tendência de alta nos óbitos decorrentes da doença. É a pior marca de vítimas registradas em um só dia desde 5 de outubro do ano passado (quando tivemos 686). Brasil, 27 de janeiro O país também registrou 228.972 novos casos conhecidos de Covid-19 em 24 horas, chegando ao total de 24.782.922 diagnósticos confirmados desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de casos nos últimos 7 dias foi a 170.572 - a maior marca registrada até aqui e marcando o décimo recorde seguido. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +150%, indicando tendência de alta nos casos da doença. Ceará não divulgou novos dados de casos ou mortes nas últimas 24 horas. Dessa forma, a média móvel de vítimas atinge agora um patamar já bem acima do que estava às vésperas do ataque hacker que gerou problemas nos registros em todo o Brasil, ocorrido na madrugada entre 9 e 10 de dezembro (leia mais abaixo). Na época, essa média indicava 183 mortos pela doença a cada dia. Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde. Instabilidade nos sistemas Após o apagão de dados do Ministério da Saúde, os estados começaram a normalizar a divulgação de números de Covid-19 no Brasil no dia 4 de janeiro. Em 12 de dezembro, o ministério informou que o processo para recuperação dos registros dos brasileiros vacinados contra a Covid-19 após ataque hacker foi finalizado, sem perda de informações. Mas, no dia seguinte, o ministro Marcelo Queiroga disse que houve um novo ataque hacker. A previsão inicial de estabilização dos sistemas, de 14 de dezembro, não foi cumprida. No início de janeiro, o ministério informou que quatro de suas plataformas foram reestabelecidas ainda em dezembro; afirmou que, no dia 7 de janeiro, normalizou a integração entre os sistemas locais e a rede nacional de dados, e que o retorno do acesso às informações estava sido gradual. Apagão de dados do Ministério da Saúde completa um mês Segundo a pasta, a instabilidade no sistema não interferiu na vigilância de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave, como a Covid. É o oposto do que dizem pesquisadores. "A gente não consegue planejar a abertura de novos serviços hospitalares, de centros de testagem, abertura de novos leitos e entender as regiões onde o impacto da nova variante é maior", diz Julio Croda, infectologista e pesquisador da Fiocruz. "A gente não viu a evolução e a chegada da ômicron. Ela não apareceu de repente no Ano Novo. Ela entrou ao longo do mês de dezembro, e a gente estava completamente em voo cego ali, porque não tinha dado nenhum; a gente não viu os dados crescerem", afirma o professor Marcelo Medeiros, fundador do Covid-19 Analytics. Ele interrompeu o serviço que auxilia autoridades a tomarem decisões em meio à pandemia. Curva de mortes nos estados Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo g1 para analisar as tendências da pandemia). Vale ressaltar que há estados em que o baixo número médio de óbitos pode levar a grandes variações percentuais. Os números de médias móveis são, em geral, em números decimais e arredondados para facilitar a apresentação dos dados. Já a variação percentual para calcular a tendência (alta, estabilidade ou queda) leva em conta os números não arredondados. Consórcio de veículos de imprensa Os dados sobre casos e mortes de coronavírus no Brasil foram obtidos após uma parceria inédita entre g1, O Globo, Extra, O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo e UOL, que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho de 2020, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal (saiba mais). Números da pandemia — Foto: Editoria de Arte/G1