Autópsia minimamente invasiva será feita para confirmar mortes por novo coronavírus em São Paulo - Saúde - Estadão

Ideia é aumentar a segurança dos profissionais de saúde pela redução do contato com os corpos

18/03/2020 05:45:00

Autópsia minimamente invasiva será feita para confirmar mortes por novo coronavírus em São Paulo

Ideia é aumentar a segurança dos profissionais de saúde pela redução do contato com os corpos

17 de março de 2020 | 20h00Saiba MaisUma série de técnicas para realização de autópsia de modo minimamente invasivo, desenvolvidas por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) nos últimos seis anos, deverá ser empregada para a confirmação de mortes pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) em São Paulo.

Lula tem 49% das intenções de voto e Bolsonaro, 23%, aponta pesquisa Ipec - Política - Estadão Chefe de vacinas da Pfizer: 'Quando chegar sua vez, tome a que estiver disponível' - BBC News Brasil Ipec: Lula tem 49% das intenções de voto; Bolsonaro soma 23% - ISTOÉ Independente

LEIA TAMBÉMBrasil registra primeira morte pelo novo coronavírus em SP; País tem 290 casos confirmadosUm dos objetivos do uso das ferramentas, baseadas em diagnóstico por imagem e intervenção percutânea – em que se faz uma punção na pele para o acesso aos órgãos internos e tecidos –, é aumentar a segurança dos profissionais de saúde pela redução do contato com os corpos.

“Como esse novo coronavírus adere à superfície de roupas e à parte externa do corpo, é preciso tomar uma série de cuidados de prevenção, principalmente para proteger os profissionais de saúde que lidam com os pacientes, inclusive aqueles que realizarão as autópsias”, disse à Agência FAPESP Paulo Saldiva, professor da FM-USP e coordenador do projeto, apoiado pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). headtopics.com

“O emprego dessas técnicas ajudará a proteger esses profissionais”, afirmou.De acordo com o pesquisador, em razão da contagiosidade do Sars-Cov-2, a confirmação da causa de morte pelo novo coronavírus não pode ser feita em uma sala de autópsia convencional.

“Não há uma sala de autópsia no país com nível de segurança necessário para esse tipo de análise e não há tempo para construir e colocá-la em operação”, afirmou.Por essa razão, a ideia é que a confirmação da causa de óbitos por COVID-19 seja feita nos próprios hospitais, disse Saldiva.

“O protocolo que será implementado no Hospital das Clínicas (HC-FM-USP), por exemplo, será realizar a confirmação da causa da morte de pacientes que vierem a óbito com suspeita de infecção pelo novo coronavírus no próprio hospital por meio de procedimentos minimamente invasivos”, afirmou.

As regras que serão seguidas no HC-FM-USP estão em consonância com uma recomendação de protocolo de atendimento de pacientes com suspeita de infecção por coronavírus em hospitais públicos e privados de São Paulo, anunciada em coletiva de imprensa nesta terça-feira (17/03), na Secretaria Estadual da Saúde. headtopics.com

Ao passear de barco, biólogo registra ‘onça bebendo água’ no Pantanal e foto viraliza: 'Olhar compenetrante' Lula tem 49% e venceria no 1º turno, diz Ipec; Bolsonaro, 23%, Ciro, 7%, Doria, 5% e Mandetta, 3% Lula ganharia no primeiro turno, diz Ipec. Como afeta a bolsa? | Radar Econômico

São Paulo confirmou nesta terça-feira o primeiro óbito causado pela doença no país e há mais quatro casos de morte sob suspeita de relação com o novo vírus, também na capital paulista.Os casos deverão ser confirmados ou descartados por teste de diagnóstico, que já são feitos no próprio hospital particular onde os pacientes vieram a óbito, explicou Paulo Rossi Menezes, professor da Faculdade de Medicina da USP e diretor da Coordenadoria de Controle de Doenças da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo.

“Já foram coletadas amostras de tecidos desses quatro pacientes e estamos aguardando os resultados dos exames. Os casos de morte confirmada por infecção por coronavírus não serão encaminhados para o Serviço de Verificação de Óbito (SVO)”, disse Rossi.

De acordo com Saldiva, a coleta de amostra de tecidos de pacientes com morte causada por COVID-19 em São Paulo por meio dessas técnicas de autópsia de modo minimamente invasiva possibilitará aumentar o conhecimento sobre a biologia da doença.

“A ideia é criar também um biorepositório de tecidos que possa ser usado para pesquisas voltadas a entender os mecanismos da infecção e a aprimorar o diagnóstico", completou.As mesmas técnicas foram usadas na realização de autópsia de casos de morte por febre amarela em São Paulo, em 2018. headtopics.com

Os pesquisadores realizaram mais de 60 autópsias de casos suspeitos de morte por febre amarela em São Paulo naquele ano.“Temos a maior série de casos de autópsias de pacientes mortos por febre amarela em uma região urbana no mundo”, afirmou Saldiva.

Durante o surto de febre amarela, em 2018, os pesquisadores também validaram o uso das técnicas para fazer vigilância epidemiológica.Com um equipamento portátil de ultrassom adquirido com recursos da FAPESP, do tamanho de um tablet e utilizado pelo Exército dos Estados Unidos em campo de batalha, os pesquisadores foram até o local de registro de mortes atribuídas à febre amarela para obter imagens de órgãos do cadáver e coletar pequenas amostras de tecidos para confirmar o diagnóstico em laboratório antes mesmo da remoção do corpo.

Derretimento de Bolsonaro coloca Lula e Ciro Gomes no 2º turno, diz PDT Britney Spears pede desculpas a fãs por 'fingir que estava bem': 'Fiz isso por causa do meu orgulho' Futuro presidente do TSE, Moraes detona o voto impresso | Radar

“A utilização dessas técnicas em casos de doenças de alta contagiosidade, como a COVID-19, permite obter material de pesquisa sem colocar em risco os profissionais de saúde. Além disso, não requer investimento em uma estrutura de sala de autópsia com alto nível de segurança”, disse Saldiva.

Consulte Mais informação: Estadão »

Patrick de Paula, volante do Palmeiras, é flagrado por torcedores em festa clandestina - Esportes - Estadão

É o segundo incidente com jogadores do clube em menos de quatro dias; o primeiro foi Lucas Lima, pego por seguidores da Mancha, a maior organizada do time

Na próxima semana nenhum meio de comunicação falará mais do famoso coronavirus. Vão atrás de outra novidade para atormentar a vida do presidente Bolsonaro. Raça de vagabundos Necrópsia que se fala, né?

Em São Paulo, população se adapta a nova rotina por temer contágio - São Paulo - EstadãoCapital paulista muda fluxo de trânsito, reduz o comércio e lojistas já são vistos usando máscaras como precaução

Brasil registra primeira morte pelo novo coronavírus em São Paulo - Saúde - EstadãoSegundo último balanço divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde, São Paulo tem 152 casos confirmados da doença; vítima tinha 62 anos Quero ver agora a tal 'esteria: Continuem indo para as ruas porra E os 4 casos do título, vocês puseram onde 😳

Pessoas não diagnosticadas com novo coronavírus são as maiores responsáveis por disseminar epidemia - Saúde - EstadãoPessoas não diagnosticadas com novo coronavírus são as maiores responsáveis por disseminar epidemia Agora pronto!!! O mundo tá muito doido! secretário da economia acaba de dar positivo para coronavírus Óbvio, quem foi está em isolamento...

Bruno Covas proíbe eventos privados em São Paulo para conter coronavírus - CartaCapitalPrefeito suspende rodízios de carros, anuncia lavagem de ônibus com água sanitária e deixa servidores com mais de 60 anos em casa

Coronavírus: Sesc São Paulo anuncia que vai fechar as portas até 31 de marçoMedida foi anunciada por Danilo Santos Miranda, diretor regional do sistema. Atividades do Fundo Social de São Paulo também estão suspensas. alencar_maira to vendo nossa viagem indo pra saco

Presídios de São Paulo têm fugas e rebeliõesFugas aconteceram no fim da tarde desta segunda-feira (16). Funcionários ainda são feitos reféns em algumas unidades prisionais. Dória: “tudo sob controle...” Tem alguém no volante do país? Eita, São Paulo! Tenso