Arrecadação federal soma R$ 1,87 trilhão e bate recorde em 2021

Arrecadação federal soma R$ 1,87 trilhão e bate recorde em 2021

26/01/2022 04:24:00

Arrecadação federal soma R$ 1,87 trilhão e bate recorde em 2021

Número representa um crescimento de 17,36% em relação ao registrado em 2020, descontada a inflação oficial pelo IPCA

PublicidadeA recuperação da economia e os impostos sobre lucros e rendimentos garantiram arrecadação recorde em 2021. Segundo números divulgados nesta terça-feira, 25, pela Receita Federal, o governo federal arrecadou R$ 1,879 trilhão no ano passado, crescimento de 17,36% em relação ao registrado em 2020, descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O resultado veio levemente acima da previsão dos especialistas. Segundo o Prisma Fiscal, pesquisa mensal com analistas de mercado divulgada pelo Ministério da Economia, as instituições financeiras estimavam arrecadação de R$ 1,864 trilhão em 2021.

Consulte Mais informação: VEJA »

Paulo Dantas é eleito governador para ‘mandato tampão’ em Alagoas

Na tarde deste domingo (15), deputados de Alagoas elegeram Paulo Dantas (MDB) como governador-tampão do estado, para um mandato até o fim do ano. Ele já tomou posse. O cargo de vice já estava vago desde 2020, anos de eleições municipais. Consulte Mais informação >>

Por isso em 2022 é 22 Com a alta da inflação que ganha e o governo e os ricos. Aos demais apenas resta paga altos impostos que vendo o orçamento vão para o ralo e corrupção!!! Com os preços que estamos praticando em combustíveis, energia e alimentos somados a 6 anos sem correção da Tabela do imposto de renda o povo trabalhador está pagando com sei sangue a festa de poucos, hoje uma pessoa que ganha um pouco acima de 2 salários mínimos tem que recolhe

Parabéns presidente Bolsonaro 🇧🇷 Só arrecadam, cadê a correção? E ninguém fala da correção da tabela do IR defasada em mais de 100%! A inflação, irmã gêmea, também! Parabéns Bolsonaro!

Arrecadação federal soma R$ 1,87 trilhão em 2021 e bate recorde histórico - Economia - EstadãoO montante representa um crescimento de 17,36% na comparação com 2020, ano que ficou marcado pelo começo da pandemia de covid-19 e seus efeitos recessivos na economia Mas os cortes na educação... Olha o CENTRÃO rindo à toa. tb, com os produtos caros desse jeito, os impostos vão no rastro

Arrecadação federal soma R$ 1,87 trilhão em 2021 e bate recorde históricoResultado foi divulgado nesta terça (25) pela Receita Federal. Na comparação com 2020, houve aumento real de 17,3% no valor arrecadado. Ainda bem que o governo vai bem, porque lá em casa... Cadê esse dinheirinho? Avisa a miriamleitao . Tadinha.

Arrecadação federal soma R$ 1,87 trilhão e bate recorde em 2021 | Economia | O DiaRecuperação da economia e impostos sobre lucros garantem crescimento. ODia

Arrecadação de impostos federais bate recorde em 2021É o maior valor desde o início da série histórica da Receita, há 27 anos. O governo federal arrecadou no ano passado quase R$ 1,9 trilhão em impostos. O estado enchendo o cu de dinheiro e devolvendo só bosta pro povo. Dinheiro para suprir regalias de políticos, o povo continua miseráveis. DEUS É MAIS.. AS FORÇAS DO DEMO JAMAIS VENCERAM..

Casimiro bate recorde de acessos em live com série documental de NeymarStreamer fez 'react' na Twitch de 'O caos perfeito', da Netflix, que teve a participação do jogador

O que Bolsonaro vetou para manter o fundão eleitoral no OrçamentoPresidente vetou R$ 1,3 bi de emendas de comissão e outros R$ 1,8 em despesas discricionárias; LOA mantém R$ 1,7 bi de reajuste para servidores Aos pobres, nada. Aos ricos, tudo. Lula amou. Milhões de brasileiros estão deixando de pagar a conta de luz pra comer. Esse é o tamanho do nosso retrocesso social. Não esqueçam de um detalhe: esse governo que tá aí, é um governo que se norteia pelos valores do evangelho de Silas Malafaia, que tira do pobre pra dar ao rico.

Publicidade Publicidade A recuperação da economia e os impostos sobre lucros e rendimentos garantiram arrecadação recorde em 2021. Segundo números divulgados nesta terça-feira, 25, pela Receita Federal, o governo federal arrecadou R$ 1,879 trilhão no ano passado, crescimento de 17,36% em relação ao registrado em 2020, descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O resultado veio levemente acima da previsão dos especialistas. Segundo o Prisma Fiscal, pesquisa mensal com analistas de mercado divulgada pelo Ministério da Economia, as instituições financeiras estimavam arrecadação de R$ 1,864 trilhão em 2021. Depois de desacelerar em novembro, a arrecadação cresceu em dezembro, somou R$ 193,902 bilhões no mês. Isso representa alta de 10,76% em relação ao registrado em dezembro de 2020, também descontada a inflação. O montante também é recorde para o mês e foi influenciado pelo crescimento econômico e pelo aumento da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), em vigor desde outubro. Impulsionou a arrecadação no ano passado o recolhimento extraordinário de R$ 40 bilhões em Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e na Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) em 2021. Isso ocorreu porque as empresas tiveram lucros maiores que o previsto no ano passado e tiveram de pagar impostos extras nas declarações de ajuste. Segundo o novo secretário especial da Receita Federal, Julio Cesar Vieira Gomes, o resultado de 2021 deve ser comemorado, porque a economia ainda está sob efeito da pandemia de Covid-19. Ele afirmou que os dados preliminares de janeiro indicam a continuidade da retomada em 2022. Continua após a publicidade “O aumento da arrecadação em 2021 foi muito expressivo. Há muito o que comemorar, considerando que ainda estamos em meio a uma pandemia. Tivemos aumento expressivo em tributos sobre lucros e rendimentos das empresas e também no Imposto de Renda de pessoas físicas”, declarou Gomes. Outro fator que explicou a alta da arrecadação em 2021 foi a diminuição dos diferimentos (adiamentos de pagamentos de tributos) que vigorou em 2020. Isso reforçou o caixa do governo em R$ 19,7 bilhões em 2021. O aumento das alíquotas do IOF, que financiou o Auxílio Brasil no fim do ano passado, contribuiu com R$ 2,13 bilhões. Desonerações e renúncias Apesar do crescimento das receitas, as compensações tributárias (descontos em impostos pagos a mais anteriormente) cresceram em 2021. O fisco deixou de arrecadar R$ 216,31 bilhões em 2021, contra R$ 189,06 bilhões em 2020. A alta chegou a 14,41% em relação ao ano anterior, também descontando a inflação acumulada. A redução da alíquota do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre os combustíveis reduziu a arrecadação em R$ 2,13 bilhões no ano passado. As desonerações concedidas pelo governo resultaram em renúncia fiscal de R$ 93,75 bilhões em 2021. O montante foi menor que os R$ 101,741 bilhões registrados em 2020. Apesar da queda da arrecadação de PIS/Cofins sobre os combustíveis, a receita total desses tributos aumentou 16,47% acima da inflação no ano passado. Isso ocorreu porque o PIS/Cofins incide sobre o faturamento das empresas e refletiu o crescimento de 5,09% no consumo de bens e de 9,53% na venda de serviços em 2021. Com Agência Brasil