Cartacapital, Carta Capital, Manuela Carta, Mino Carta, Lula, Política, Economia, Sociedade, Brasil, Progressista, Jornalismo Crítico, Transparente, Ana Luiza Basilio, Moro, Veja, İstoé, Editora Confiança, Assine Carta, Assine Carta Capital, Esquerda, Luiz Inácio Lula Da Silva, Delfim Neto, Afonsinho, Belluzzo, Revista Época, Bndes, Correios, Funai, Cidadania, Lava Jato

Cartacapital, Carta Capital

Agrotóxicos recorde - CartaCapital

'Trata-se de, em parte menor, necessidade real, e de outra, costume entranhado por acomodação na agricultura brasileira', escreve Rui Daher

22/01/2021 07:00:00

'Trata-se de, em parte menor, necessidade real, e de outra, costume entranhado por acomodação na agricultura brasileira', escreve Rui Daher

'Trata-se de, em parte menor, necessidade real, e de outra, costume entranhado por acomodação na agricultura brasileira', escreve Rui Daher

OpiniãoNão é de hoje que o Brasil é a alegria das multinacionais fabricantes de agrotóxicos. São herbicidas e defensivos inseticidas, fungicidas, bactericidas, acaricidas.Trata-se de, em parte menor, necessidade real, e de outra, costume entranhado por acomodação na agricultura brasileira. Pior, são moléculas e produtos químicos dolarizados e de altos custos, que só permitem boa rentabilidade quando as

Polícia avança na investigação do assassinato de Marielle | Radar Lula recorre ao STF até para ganhar briga com a prefeitura de São Bernardo | Radar Sindicalistas, artistas e religiosos dizem que Brasil virou 'câmara de gás a céu aberto'

commoditiesagrícolas estão em patamares elevados e o câmbio favorável às exportações. Em muitas culturas voltadas ao mercado interno, acabam inviabilizando os produtores rurais, sobretudo os que pertencem à agricultura familiar.

Leia também:2020 foi mais um ano sombrio para o meio ambiente na América LatinaSomos campeões mundiais de compras e consumo de pesticidas. Mais de US$ 10 bilhões. Disto, muitos aqui se orgulham. Apesar de fortes em vários itens de exportação, com altas produções e produtividades, ainda não temos a hegemonia da produção agrícola mundial, o que torna desproporcional o consumo de agrotóxicos diante de nossa produção. headtopics.com

No início de dezembro de 2020, a Anvisa, subordinada ao ministério da Saúde, e barreira interposta pelo governo federal na tarefa de retardar o uso de vacinas imunizantes para Covid-19, publicou no Diário Oficial decisão que mantém o uso do glifosato na agricultura. Desde 2008, os técnicos do órgão reavaliavam seu uso. Em março de 2019, com toda a certeza que Deus lhes deu, mas a ciência não, publicaram parecer assim: “a substância não apresenta características mutagênicas e carcinogênicas”.

Torçamos, mas não é exatamente o que constata a Organização Mundial de Saúde e os numerosos processos que sofreu a norte-americana Monsanto, hoje herdados pela alemã Bayer, quanto ao desenvolvimento de câncer.Leia também:

Sem fiscalização, agrotóxico vira arma para violência domésticaAo aprovar o uso do glifosato, a Anvisa se escuda no fato de estar impondo certas restrições. Quais? Para reduzir em 50% a deriva (invasões em outras lavouras), doses acima de 1,8 mil gramas por hectare, assim como recomenda margem de segurança de cinco metros em plantações perto de distritos, casas e escolas.

Uma pergunta: como será feita a fiscalização se essas restrições serão cumpridas?Fato é que no ano passado foram liberados registros para 493 pesticidas. Número mais alto da série histórica, e que vem crescendo desde 2016, por não estranho que possa parecer. Por óbvio, o ministério da Agricultura coonesta as decisões da Anvisa para o glifosato, o agrotóxico mais vendido no planeta. headtopics.com

Mortes de idosos acima de 90 anos por Covid-19 caem 70% na cidade de SP em fevereiro; especialistas falam em 'reflexo da vacinação' Eduardo ‘bananinha’ Bolsonaro vai passear; adivinhe quem está pagando - ISTOÉ Independente Depressão não é tudo igual: conheça os tipos menos comuns e que impactam na qualidade de vida

Como esta não é a primeira vez que trato do tema, conheço a reação mais frequente: “Sem o uso de agrotóxicos seria impossível obter produtividade e atender a necessidade de alimentar a população mundial”.Primeiro que não atendem, por distribuição precária e desigual. Basta pesquisar dados da FAO, Organização das Nações Unidas para a Alimentação e para a Agricultura.

Depois, a diminuição das aplicações de agroquímicos, quando combinadas com tecnologias naturais e orgânicas, aumenta a produtividade das lavouras.De forma nenhuma defendo aqui a completa extinção dos agroquímicos das lavouras brasileiras, mas sim a redução de suas doses, perfeitamente doadoras de produtividade e saúde ambiental e humana, quando combinadas com tecnologias menos agressivas. Para quem toma como decisão pessoal se alimentar de forma mais saudável, completamente isenta de agroquímicos, há grande crescimento da agricultura orgânica.

Na próxima semana, volto ao assunto, com tecnologias alternativas comprovadamente eficazes.Inté.Obrigado por ter chegado até aqui.CartaCapitalpreza por um jornalismo corajoso e transparente e ter você ao nosso lado nos garante a força necessária para continuarmos nesta luta pela democracia.

Torne-se nosso assinante e tenha acesso ao conteúdo integral de Consulte Mais informação: CartaCapital »

Um ano de Covid-19 em São Paulo | São Paulo | G1

mais agrotóxico mais doença mais remédios tdo tdo lucra nos perdemos Mas o governo não liberou um monte de agrotóxicos era óbvio que iria dar merda.