Adeus à ilusão | Dora Kramer

A oposição tem de comer muito arroz com feijão para conseguir levar sua vontade às ruas de maneira contundente

17/09/2021 14:40:00

Por DoraKramer: A ideia de reeditar o clima das Diretas Já é fantasiosa e, sobretudo, inexequível VEJAColunistas

A oposição tem de comer muito arroz com feijão para conseguir levar sua vontade às ruas de maneira contundente

Atualizado em 16 set 2021, 15h24 - Publicado em 17 set 2021, 06h00Manifestação contra Bolsonaro em São Paulo MBL/DivulgaçãoPublicidadePublicidadeO confronto das fotografias das manifestações de 7 e 12 de setembro não quer dizer grande coisa. Jair Bolsonaro não está com a vida ganha porque 150 000 pessoas foram à Avenida Paulista, nem os que querem ver o presidente pelas costas estão numa batalha perdida porque reuniram 6 000 manifestantes na mesma hora e local cinco dias depois.

Cientistas e políticos reagem a fake news replicada por Bolsonaro sobre vacinas e aids - Política - Estadão Lutadora de Muay Thai é importunada e aplica ‘mata-leão’ em homem dentro de ônibus em Belém; veja vídeo 'Crocodilagem', 'arma verde': vídeo de briga com jacaré em praia do Rio rende piadas na web

No entanto, uma foto contra a outra nos diz que a oposição tem de comer muito arroz com feijão para conseguir levar sua vontade às ruas de maneira contundente. A unidade de propósitos que amarra os defensores de Bolsonaro uns aos outros, a capacidade de mobilizar recursos (públicos, inclusive), a existência de um rosto e de uma voz na figura do presidente a falar por eles são alguns dos fatores que faltam aos opositores.

Na seara oposicionista sobram vaidades, ressentimentos e ilusões à toa. Uma dessas miragens é a ideia de reeditar o clima da campanha das Diretas Já, que entre 1983 e 1984 levou multidões às ruas pelo direito de votar no presidente da República. Lá se vão quase quarenta anos e com eles uma distância monumental entre o país da época e o Brasil de hoje. headtopics.com

Se houvesse algo a incorporar daquele movimento seria o brado de “Não vamos nos dispersar” proclamado por Franco Montoro e adotado por Tancredo Neves logo após a derrota no Congresso da emenda que instituía eleições diretas, num chamamento à união nacional em prol da eleição de um civil no Colégio Eleitoral de 1985. A maioria dos partidos atendeu ao apelo, a sociedade aderiu e, assim, deu-se o ponto de inflexão no fim do regime militar com a eleição de Tancredo.

O cenário hoje é de dispersão. Não se trata de um defeito, mas de uma característica do tempo. Portanto, inexiste o pré-requisito para a repetição daquele tipo de movimento. Só isso já desaconselharia a fixação do olhar no retrovisor. Insistir nesse caminho dificulta, para não dizer impossibilita, a adoção de uma estratégia eficaz para a realização do objetivo comum de livrar o Brasil de mais quatro anos com Jair Bolsonaro na Presidência ou, numa hipótese remota, na interrupção do atual mandato.

“A ideia de reeditar o clima das Diretas Já, quase quarenta anos depois, é fantasiosa e, sobretudo, inexequível”É preciso sonhar sonhos possíveis, lastreados em dados objetivos. As condições que estavam dadas em 83/84 não estão presentes na realidade atual. Naquela ocasião, a bandeira era única e já vinha sendo levantada em campanhas anteriores, como a da anistia. Além disso, as forças políticas não tinham vivido embates entre si. Havia um inimigo comum, o regime autoritário. Agora, pode-se argumentar, o arbítrio de novo se apresenta como risco a ser evitado, mas a situação é diferente.

Continua após a publicidadeNessas quase quatro décadas houve disputas eleitorais, ocorreram dois processos de impeachment de presidentes, o PT enterrou sua mítica de reserva ética nos escândalos do mensalão e da Petrobras, as negociatas entre políticos e empresários não haviam sido expostas pela Operação Lava-Jato nem tinha sido introduzida no cenário a dinâmica do “nós contra eles” instituída por Luiz Inácio da Silva e incorporada por Jair Bolsonaro. headtopics.com

O movimento de políticos e intelectuais que pede que o Rio volte a ser capital do Brasil Como foi o acidente em que o ator Brandon Lee morreu durante gravação de filme em 1993 - BBC News Brasil Justiça manda presidente da Fundação Palmares apagar posts contra decisão que o proíbe de nomear e exonerar funcionários

Tudo isso divide, mas são as dores da democracia. Suportáveis e até desejáveis ante a alternativa do sufocamento das ditaduras. Em situações difíceis, contudo, as divergências precisam ser politicamente conduzidas e adaptadas à nova era, em que não estão mais em cena aquelas grandes figuras credenciadas ao comando de mobilização da sociedade por atributos de habilidade, experiência, espírito público, conduta moral e capacidade de liderança.

A composição das divergências, a tolerância e a contenção dos atos ao limite da legalidade movimentam as engrenagens institucionais. O isolamento e o apego a crenças paralisam. Quem ironiza “a turma das instituições estão funcionando”, achando que com isso enxerga o que a maioria não vê, contribui para minar a confiança nas balizas democráticas a ser defendidas. A semeadura do descrédito quem faz é o adversário a ser combatido.

Fala-se tanto em inclusão social, mas não se vê esforço na superação do sectarismo exacerbado ao qual se dá o nome de polarização. Embora seja natural que a esquerda não queira se associar a atos onde há um boneco inflável de Lula vestido de presidiário e que o centro e a direita civilizada resistam a pôr azeitona na empada do PT, uma solução há de haver.

Com um pouco de inspiração, muita transpiração e disposição ao desapego, é possível chegar lá.Os textos dos colunistas não refletem, necessariamente, a opinião de VEJA Consulte Mais informação: VEJA »

O Assunto #561: Aula presencial - hora de reverter a evasão

A partir desta segunda-feira (18), os alunos das redes estaduais de São Paulo, Bahia e Mato Grosso voltam às aulas 100% in loco - além deles, mais 11 Estados optaram pelo presencial. Urgência no retorno às escolas é para garantir acesso a mais de 5 milhões de estudantes privados à educação durante a pandemia.

DoraKramer fantasiosa nao idiota, brasil precisa urgentemente voltar para o povo brasileiro, sair das unhas desses bandidos da burguesia que nao representa 1*/* da sociedade, BANQUEIROS, RURALISTA, DONOS DE IGREJAS EVANGELICaS, MILITARES E JUDUCIARIO, nao produzem riquezas, roubam riquezas DoraKramer A única saída para vocês é dar um golpe e tirar Bolsonaro na marra. Com ele será impossível o candidato da terceira via vencer.

Mau-humor no Congresso | Dora KramerPor DoraKramer: Devolver MP significa mau-humor do Congresso em relação ao Planalto VEJAColunistas DoraKramer Errado, significa inconstitucionalidade. Mas, de postar, se consulte com um advogado, mas um advogado bom. 👍🏻 DoraKramer Errado, significa inconstitucionalidade. Mas, antes de postar, se consulte com um advogado, mas um advogado bom. 👍🏻 DoraKramer Era inconstitucional

Mau-humor no Congresso | Dora KramerPor DoraKramer: Devolver MP significa mau-humor do Congresso em relação ao Planalto VEJAColunistas DoraKramer Errado, significa inconstitucionalidade. Mas, de postar, se consulte com um advogado, mas um advogado bom. 👍🏻 DoraKramer Errado, significa inconstitucionalidade. Mas, antes de postar, se consulte com um advogado, mas um advogado bom. 👍🏻 DoraKramer Era inconstitucional

Neto comenta saída de Tiago Leifert da Globo: 'Você é um milhão de vezes melhor que Luciano Huck' - ISTOÉ IndependenteNa última quinta-feira, o Grupo Globo anunciou o adeus do apresentador do 'Big Brother Brasil' Craque Neto ♥️ duas 💩

VÍDEO: veja os gols da eliminação do São Paulo para o FortalezaGOLS 👊🔛⚽️ VÍDEO: veja os gols da eliminação do São Paulo para o Fortaleza lancenet

Bolsonaro desrespeitou o direito à vida e à saúde, conclui relatório entregue à CPIPresidente deve responder por crimes de responsabilidade, de saúde, contra a administração pública, contra a paz e contra a humanidade CHORA ESQUERDA. Genocida

Brasil mantém 2º lugar e França deixa Top 3 no ranking da Fifa; confira a classificação - Esportes - EstadãoEstadaoEsporte Brasil mantém 2º lugar e França deixa Top 3 no ranking da Fifa; confira a classificação Esporte Grande bosta! Esporte Ilusão pura