A recuperação, segundo o BC - Opinião - Estadão

O crescimento em 2021 dependerá de algumas variáveis, entre elas o compromisso do governo com a responsabilidade fiscal

26/09/2020 12:31:00

EDITORIAL: O crescimento em 2021 dependerá de algumas variáveis, entre elas o compromisso do governo com a responsabilidade fiscal

O crescimento em 2021 dependerá de algumas variáveis, entre elas o compromisso do governo com a responsabilidade fiscal

26 de setembro de 2020 | 03h00A economia brasileira deve encolher 5% neste ano e crescer 3,90% em 2021, segundo as novas projeções do Banco Central (BC), incluídas em seu Relatório de Inflação, um balanço trimestral das condições e perspectivas econômicas. O quadro é menos sombrio que aquele apresentado em julho, mas a incerteza continua “acima da usual”. Apesar da insegurança, as estimativas do relatório são mais animadoras, pelo menos por enquanto, que as do mercado. De acordo com a pesquisa Focus divulgada há uma semana pelo BC, a mediana das projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) aponta contração de 5,25% em 2020 e aumento de 3,50% no próximo ano. Essa pesquisa reflete as avaliações de cerca de cem instituições financeiras e consultorias.

Após um 1 ano e 3 meses, seis labradores estão prestes a reforçar equipe do Corpo de Bombeiros no RJ Cinco 'efeitos colaterais' da Reforma Protestante de Martinho Lutero - BBC News Brasil A corrida para salvar 'Benta', filhote de queixada vítima dos incêndios no Pantanal

Mesmo com expansão de 3,90%, a economia brasileira terminará 2021 sem ter voltado ao nível de produção de 2019. Quanto a isso, o Relatório de Inflação coincide com os estudos publicados por várias instituições nacionais e internacionais. Depois de 20 meses de recuperação, o Brasil ainda estará tentando sair do buraco onde afundou em março e abril deste ano. Será essa, também, a condição de quase todos os países – avançados, emergentes e menos desenvolvidos. Mas o otimismo, ou quase otimismo, do BC é condicional.

O crescimento no próximo ano dependerá, segundo o documento, da confirmação de algumas hipóteses. Com o arrefecimento da pandemia, as condições de mobilidade poderão normalizar-se gradualmente, com retorno do consumo aos padrões anteriores à crise. Mas a elevação do consumo deverá estar associada também à melhora do emprego e ao retorno aos padrões de gastos anteriores à covid-19. Enfim, será necessária a confirmação, pelo governo, do compromisso com a responsabilidade fiscal.

Há riscos evidentes, mas o relatório avança sem discuti-los. Não há sequer uma coordenação nacional dos programas de reabertura das atividades. Qualquer precipitação poderá agravar as condições sanitárias e forçar um retrocesso, como tem ocorrido em países da Europa e em regiões dos Estados Unidos. Em segundo lugar, é difícil apostar numa recuperação significativa do emprego.

Com cinco meses de reação econômica, o mercado de trabalho permanece em más condições, com desocupação próxima de 13%. O quadro seria mais feio, estatisticamente, se mais pessoas tivessem retornado à força de trabalho e buscassem uma vaga.

Com a redução do auxílio emergencial, a retomada pode perder impulso. Essa é a expectativa indicada no documento. “Para o último trimestre do ano, a partir de quando vigora incerteza acima da usual sobre o ritmo da recuperação, espera-se arrefecimento da taxa de crescimento, associado, em parte, à diminuição da transferência de recursos extraordinários às famílias”. Não se manterá, segundo o BC, o vigor do terceiro trimestre, maior que o esperado.

Apesar disso, o relatório mantém a hipótese de melhora na situação do emprego, apontada como uma das condições para o avanço econômico de 3,90% no próximo ano.Segundo o BC, a produção geral da indústria deve encolher 4,7% em 2020 e aumentar 4,5% em 2021. Os serviços devem diminuir 5,2% e depois crescer 3,7%. Somente a agropecuária deve avançar nos dois anos, com taxas de 1,3% e 3,4%.

Morre o ator Sean Connery, aos 90 anos Estudo em hospital mostra que 80% dos pacientes internados com covid-19 tinham deficiência de vitamina D - BBC News Brasil Vampirismo: a doença fatal que matou centenas de pessoas - BBC News Brasil

O principal motor deve ser o consumo das famílias, com expansão de 5,1% depois da redução de 4,6% neste ano. Embora o balanço final deva mostrar um recuo em relação a 2019, o consumo familiar tem puxado a retomada a partir de maio. O avanço em 2021 dependerá em boa parte, como indica o relatório, da melhora do emprego. Essa melhora é essencialmente uma aposta otimista.

A exportação de bens e serviços deverá crescer 4,9%, superando de longe o aumento estimado para as importações (0,2%). Como sempre, o comércio externo será liderado pelo agronegócio, mas a indústria, segundo o relatório, também deverá vender mais. Isso dependerá da recuperação de mercados vizinhos. Não se discute esse ponto, assim como nunca se aponta, no documento, a falta de um plano de recuperação desenhado pelo governo.

Consulte Mais informação: Estadão »

Em hospital da USP, tecnologia ajuda o pequeno David a descobrir os sons

Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais é o primeiro no País a oferecer aparelho auditivo de alta tecnologia na rede pública para os dois ouvidos​

Talvez dependa também de termos segurança jurídica e política p termos investidores estrangeiros e ñ deixarmos que empresas nacionais invistam em outros países. Ta complicado. O governo diz uma coisa hj e amanhã diz outra. E acabar c as regalias dos políticos, dos altos escalões. 'Uma escolha muito difícil' . . . . .

Zzzzzz Para o Estadão Responsabilidade Fiscal = retirar diretos sociais da maioria para garantir privilégios a uma minoria Oe seja: fodeu. O q tem 'responsabilidade fiscal' com geração de emprego e renda ? O PIB num país como o Brasil, especializado em serviços simples e escambo, só cresce quando tem alguém com dinheiro para o consumir. Responsabilidade fiscal é acabar com subsídios, imunidades tributária,...

todo ano as mesmas desculpas e nada de se atacar os verdadeiros vilões da economia brasileira kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Enquanto o teto dos gastos vigorar não vai crescer nada?

Crise do coronavírus faz até a Duralex quebrarEmpresa francesa de 75 anos, famosas pelas louças resistentes, entra em processo de recuperação judicial. Segundo a direção, problemas financeiros foram agravados por pandemia o miliciano chefe de quadrilha não salvou vidas, nem salvou a economia 😔😔 gcomentarios , essa manchete foi voce quem fez? 😄

Varejo de livros apresenta recuperação em agosto - Cultura - Estadão9.º Painel do Varejo de Livros no Brasil apontou crescimento em relação a agosto de 2020 e também ao mesmo período de 2019 Cultura 💖✨

Um governo irrelevante - Opinião - EstadãoEDITORIAL: O MEC continuará irrelevante, quando é mais necessário. Nada surpreendente. Tudo à imagem e semelhança do chefe e de um governo irrelevante Retweet XeuleBot QUE ESCOLHA DIFÍCIL, MEUDEUS!

Parlamentares pedem que ministro da Educação seja investigado por homofobia - Educação - EstadãoEm entrevista ao Estadão, Milton Ribeiro atribui a homossexualidade de jovens a 'famílias desajustadas' Edu Cada ministro pior que o outro! Edu Admirável mundo novo onde opinião que não agrade a claque, é judicializada. Edu E que se investigue e puna. Essa gente é infeliz e vazia e gasta seu tempo falando mal dos outros.

Poder em Pauta: Ministro da Educação sai da toca; ouça no ‘Estadão Notícias’A edição desta sexta-feira, 25, do 'Estadão Notícias' discute os principais assuntos que foram destaques na semana e que Que toca?

Sem vencer 1ª onda da covid-19, sustentação da retomada do Brasil é cercada de dúvidas - Economia - EstadãoDados econômicos mais recentes mostram recuperação no País, mas explosão de casos no exterior sinaliza que a flexibilização econômica demanda cuidado e pode continuar a limitar a volta do setor de serviços Economia Economia Alguém venceu? Economia Fake News!