A ciência contra o negacionismo

Cientistas ganham espaço nas redes sociais, mas ainda é preciso crescer muito mais para superar a influência de grupos obscurantistas

26/01/2021 18:40:00

A ciência contra o negacionismo: Cientistas ganham espaço nas redes sociais, mas ainda é preciso crescer muito para superar a influência de grupos obscurantistas -via Jornal da USPonline

Cientistas ganham espaço nas redes sociais, mas ainda é preciso crescer muito mais para superar a influência de grupos obscurantistas

22/01/2021Herton EscobarOnegacionismo científico e obscurantismo intelectual do governo federal tiveram ao menos um efeito colateral positivo: um despertar da comunidade científica para a importância da comunicação com a sociedade. É notável o aumento da participação de pesquisadores, médicos e acadêmicos na divulgação da ciência e no combate às fake news no decorrer da pandemia, tanto pelos meios tradicionais de comunicação (servindo como fontes de informações confiáveis para a imprensa, por exemplo), quanto por iniciativas pessoais nas redes sociais.

Consulte Mais informação: Estadão 🗞️ »

'Estamos reféns do conluio das Forças Armadas com Bolsonaro e o centrão', reflete Francisco Bosco

No Estúdio CBN, o filósofo e escritor Francisco Bosco falou sobre o seu novo livro, 'Diálogo Possível: por uma reconstrução do debate público brasileiro'. Nas 490 páginas da obra, Bosco contextualiza a história da política brasileira e indica possíveis soluções para a democracia no país. Sobre a perspectiva em ano eleitoral, ele é categórico: 'estamos reféns do conluio das Forças Armadas com Bolsonaro e a parte do Congresso, conhecida como 'centrão'. Essas forças deixam o país sob estado de tensão'. Consulte Mais informação >>

usponline Jornal obscurantista tbm usponline usponline Çência..... hahã!!!!😂😂😂😂😂 o desespero da mídia porca com os sucessivos fracassos em abalar a imagem do Presida é CÔMICO!!!😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂 usponline O Tamarindo é cientista? Que decadência da ciência brasileira.

usponline Impeachment urgente! Assassino, vagabundo e escroque!!! FORABOLSONARO usponline Viva a ciência! usponline usponline São, infelizmente no momento muito poucos. Temos muita gente competente no Brasil. Precisam vir a público por redes sociais, televisão e rádio!!! usponline Se vcs querem acabar com o obscurantismo, fechem as portas. É um favor que vcs fazem ao Brasil.

usponline Não podia faltar a mala do Dr. Funéreo. Ahhhhh vai morrer todo mundo... ahhh vacina só em 2056..... ah... eu tô aqui trancado.... usponline AlessandroLoio2 dê uma olhada nisso!

Santa Cruz: 'A Constituição e a Ciência são as armas mais poderosas para afastar o negacionismo''Não compreender a dimensão dessa tragédia é negar a nossa própria condição humana', declarou o presidente da OAB Acho que Bolsonaro colocou a máscara hoje so para não perceberem sua cara de desgosto. Filhote de terrorista! principalmente A Constituição

usponline É uma luta que precisa ter a participação de muitos. Os imbecis estão em número maior, nas redes. Eles vão acabar afirmando que 2x5=15 e que essa é a opinião deles, que é ditadura apagar posts sobre isso... e vão idiotizar mais pessoas. usponline Será que excesso de Leite Moça com Chiclete transforma alguém em Pinóquio?

usponline Se o cara que falou que 1 milhão de pessoas morreriam em 6 meses é cientista, eu sou o batman... usponline 😂😂😂😂😂😂😂😂 Tem cientistas aí que são verdadeiros Mães Dinas. Cadê os 8 milhões de mortos? Hahahahahahahshahahaha usponline Cadê o Hugo Fernandes aí? Faltou a fotinho dele ali....

usponline A Imprensa e seus lacaios defendem Dória e atacam covardemente o Bolsonaro diariamente, o Bolsonaro cometeu o crime de cortar as verbas milionárias de publicidade, isso a Imprensa não aceita, Dória por sua vez tirou da Saúde e gasta com propaganda, virou herói desses calhordas. usponline Bora, RodrigoMaia , coragem! ImpeachmentBolsonaroUrgente

usponline O culpado 100% pelo negacionismo é enganador Olavo de Carvalho, o maior disseminador de teorias de conspiração e mentiras mortais. usponline Bolsonaro, foram 15 milhões em leite condendado? Resp: Pois é, vcs lembrar da Wal do açaí? Pois bem, o silêncio dela tem um preço. A solução foi boa pro pecuarista, pra Wal, pra mim e pro Brasil. Ninguém merece comer açaí sem leite condensado, talkey? leitecondensado

usponline Alguma matéria só os tais atos antidemocráticos ? Parece q pf não encontrou nada? A mídia prostituta tem algo a dizer ?

Em reação a negacionismo, pesquisadores levam 'ciência descomplicada' às redes sociaisPara se contrapor a estes tempos de menosprezo ao conhecimento, é cada vez maior a motivação cientistas para usar plataformas digitais e divulgar o saber científico Negacionistas são GENOCIDAS? Recusar tratamento precoce é o que? Assassinato? TratamentoPRECOCESalvaVidas Negacionismo em relação ao que? Ao pode público que se nega a entender que o povo não tem dinheiro pra ficar preso em casa? Só se for. Não precisa ser cientista pra saber disso. Fácil e mandar ficar em casa trabalhando “Home office” com dinheirinho caindo todo mês. ochoroélivre Para evitar os Governadores Stalinistas!

usponline A mamata acabou🤣

Astrotubers usam a internet para ensinar astronomia de maneira fácil e divertidaCanal no Youtube reúne pesquisadores da USP e de todo Brasil para divulgar ciência de qualidade e ajudar no combate ao negacionismo científico; vídeos também esclarecem sobre conceitos de física Bem, se os jornalistas-mirins do falido Estadão conseguiram entender, então deve ser bem didático. zzzzzzzzzz divulgação cientifica, abrindo as cabeças dos jovens, o professor José Reis

Ciro Nogueira e Flávio ajudaram substituto de Pazuello no Planalto | RadarMédico terá de lidar com a tensão entre ciência e negacionismo que já vitimou outros antecessores como Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich radaronline Pode anotar que não presta. radaronline Vai assumir o ministério da Saúde de um governo genocida, adeus reputação. Melhor Jair se preparando pro tribunal de Haia. radaronline Dupla de respeito eim!! lá em bangu8

Em reação a negacionismo, pesquisadores levam 'ciência descomplicada' às redes sociais - BBC News Brasil'Cientistas estão se dedicando com mais empenho a ações de divulgação do que fazem, para combater o negacionismo, a anticiência e as fake news', diz a bióloga e geneticista Adriane Wasko Negacionismo é achar que todo Governo vai dar dinheiro para calar a boca da mídia. Tradução para os leigos, quando um jornal hoje em dia diz 'Cientistas' ele quer na verdade dizer o seguinte: Um filho da puta comprado para fabricar um 'estudo/pesquisa' para corroborar com a narrativa histérica de jornazistas também filhos da puta e militante. Tudo,menos CIÊNCIA Anticiência é negar o tratamento precoce. Já imaginaram se só existissem 'cientistas ' lacradores no mundo?

Cientistas ganham espaço nas redes sociais, mas ainda é preciso crescer muito para superar a influência de grupos obscurantistas 22/01/2021 Herton Escobar O negacionismo científico e obscurantismo intelectual do governo federal tiveram ao menos um efeito colateral positivo: um despertar da comunidade científica para a importância da comunicação com a sociedade. É notável o aumento da participação de pesquisadores, médicos e acadêmicos na divulgação da ciência e no combate às fake news no decorrer da pandemia, tanto pelos meios tradicionais de comunicação (servindo como fontes de informações confiáveis para a imprensa, por exemplo), quanto por iniciativas pessoais nas redes sociais. A negligência no combate à pandemia, a negação das vacinas e a insistência na promoção de tratamentos comprovadamente ineficazes contra a covid-19 suscitaram um verdadeiro levante de pesquisadores e entidades científicas contra a praga da desinformação que se alastra com consequências cada vez mais nefastas pelas mídias digitais. Na ausência de uma campanha oficial de esclarecimento e incentivo à vacinação por parte das autoridades, diversas universidades, organizações e entidades médico-científicos lançaram campanhas próprias sobre o tema nesta semana — num embate semelhante ao que já vem sendo travado desde 2019 na área ambiental, frente à negação sistemática de dados científicos sobre desmatamento e queimadas por parte do governo federal. “A defesa das vacinas é o nosso último front. Se não conseguirmos convencer as pessoas de que as vacinas são seguras e que elas precisam se vacinar, vai ficar muito difícil defender qualquer coisa com base na ciência daqui pra frente”, diz o analista de comunicação João Henrique Rafael Junior, membro da União Pró-Vacina (UPVacina), da USP Ribeirão Preto, e um dos organizadores da , lançada na quarta-feira, 21 de janeiro . Num esforço colaborativo que reúne mais de 20 entidades da comunidade científica e acadêmica, a campanha oferece diversos arquivos de sobre vacinas para serem compartilhadas nas redes sociais com a hashtag #todospelasvacinas. Várias celebridades aderiram à iniciativa, incluindo o cantor de funk MC Fioti, cujo hit Bum Bum Tam Tam acabou virando trilha sonora da vacina Coronavac, do Instituto Buntantan. O vídeo abaixo, publicado com a hashtag da campanha no seu canal esta semana, inclui até uma “entrevista” com o pesquisador Daniel Bargieri, professor do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) e coordenador do Núcleo de Pesquisas em Vacinas (NPV) da USP — uma parceria inusitada no tradicionalmente polido e bem comportado mundo da ciência. “A ciência está sendo demolida dia após dia no Brasil”, desabafa Rafael Junior. “Cada dia que a gente tolera isso, mais vidas são perdidas sem necessidade.” A boa notícia, segundo ele, é que a resposta à campanha nesses primeiros dias foi extremamente positiva. “Estamos muito longe de cantar vitória, mas é um projeto que mostra a capacidade de mobilização da comunidade científica. Isso traz um pouco de esperança”, diz. A USP, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e outras entidades também lançaram campanhas em defesa das vacinas nos últimos dias, buscando disseminar informações confiáveis e mensagens positivas para a população. A maior parte desse esforço está direcionado para as redes sociais, que é por onde transita a maior parte das mentiras, distorções e teorias conspiratórias em geral. Assim como já fazem os políticos, cada vez mais pesquisadores estão aprendendo a usar essas plataformas como um canal direto de comunicação com a sociedade, aproveitando-se do dinamismo e da capilaridade delas para desfazer mitos e disseminar informações de qualidade para a população, em sincronia com o noticiário. Crédito: Marcos Muller / #todospelasvacinas Daniel Dourado é um exemplo disso. Apesar de ter uma conta no Twitter desde julho 2009, até o início do ano passado ele só usava a plataforma para ler notícias e comentários ligados à sua área de pesquisa (direito sanitário e políticas de saúde). Não postava quase nada e raramente interagia com alguém na rede. Quando a pandemia chegou ao Brasil, porém, ele começou a usar o Twitter para divulgar estudos científicos que estavam saindo sobre o tema; e a atenção que as postagens receberam o surpreendeu. “Percebi que as pessoas estavam totalmente desorientadas, com uma fome enorme de conhecimento”, conta Dourado, que é pesquisador associado do Núcleo de Pesquisa em Direito Sanitário da USP e atualmente faz doutorado na Universidade de Paris. Estimulado pelo feedback que estava recebendo, ele começou a tuitar também sobre outros assuntos ligados à pandemia, e sua audiência cresceu. Em maio de 2020, juntou-se a outros pesquisadores para formar o